The Soviet Story

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Soviet Story
Letônia
2008 • cor • 125 min 
Direção Edvīns Šnore
Género documentário
Idioma inglês

The Soviet Story (A História Soviética) - é um documentário lançado em 2008 sobre o comunismo na União Soviética e as relações germano-soviéticas antes de 1941 escrito e dirigido por Edvins Snore e patrocinado pela grupo da União para a Europa das Nações (nacionalistas/eurocépticos) do Parlamento Europeu. Snore passou 10 anos coletando informações e dois anos filmando em vários países.[1]

O filme apresenta entrevistas com historiadores ocidentais e russos, como Norman Davies e Boris Sokolov, o escritor russo Viktor Suvorov, o dissidente soviético Vladimir Bukovsky, membros do Parlamento Europeu e os participantes, bem como as vítimas do terror Soviético.

O filme argumenta que houve uma estreita conexão filosófica, política e organizacional entre os regimes Nazista e Soviético antes e durante as primeiras fases da II Guerra Mundial [2] .

Destaca o Grande Expurgo, bem como o genocídio do Holodomor, o massacre de Katyn, a colaboração da polícia secreta soviética (NKVD) com a Gestapo nazista, deportações em massa na União Soviética e experiências médicas nos Gulags.

Repercussão Internacional[editar | editar código-fonte]

Anti-Nazi-Comunism.jpeg

O filme atraiu elogios e críticas de historiadores acadêmicos e comentaristas políticos.

Elogios[editar | editar código-fonte]

A resenha de The Soviet Story feita pelo jornal The Economist elogia o filme dizendo:

"Soviet Story é o mais poderoso antídoto atual para a reparação do passado. O filme é emocionante, audaz e rigoroso. [...] O objetivo principal do filme é mostrar a estreita conexão -- filosófica, política e organizacional -- entre os regimes Nazista e Soviético".[2]

The Economist conclui a resenha denominando o documentário "um trabalho nitidamente provocante".[2]

Vários Membros do Parlamento Europeu (MPEs) expressaram visões favoráveis do filme. De acordo com os MPEs Letões Inese Vaidere e Girts Valdis Kristovskis que escrevem na Revista de Parlamento (Parliament Magazine):

"The Soviet Story faz uma contribuição significante para o estabelecimento de um entendimento comum da história e nos traz mais próximos da verdade sobre os eventos trágicos do século XX."
Um entendimento comum da história entre os estados membros é crucial para o futuro de toda União Européia." [3]

O MPE britânico Christopher Beazley comentou: "Este filme é muito importante. É uma representação muito poderosa do que aconteceu na Polônia, na Letônia e nos outros países da Europa Central." [4]

Depois de assistir o filme, o MPE finlandês Ari Vatanen fez o seguinte comentário: "É uma mensagem poderosa. Obrigado por contar a verdade. O filme despertará as pessoas. [5] ... Nós não podemos construir uma humanidade se nós fecharmos nossos olhos a este tipo de massacres. Nossa possibilidade é servir justiça a essas pessoas".[6]

Vytautas Landsbergis, MPE e a ex-líder do Seimas Lituano (Parlamento), avaliou The Soviet Story como "um filme de classe mundial, que deveria ser mostrado ao mundo." [7]

Da mesma forma, o Ministro Letão da Justiça, Gaidis Berzinš, disse que, por causa de sua mensagem histórica importante, ele encorajaria o Ministério de Educação a mostrar o filme em todas as escolas da Letônia.[8]

Críticas[editar | editar código-fonte]

O filme, porém, incitou reações negativas de organizações russas, da imprensa e políticos. De acordo com o jornal "European Voice", os russos estão enfurecidos com o filme que revela a extensão da colaboração Nazi-Soviética.[9]

No dia 17 de maio de 2008 a organização pró-governamental Rússia Jovem (russo: Россия Молодая) organizou o protesto "Não vamos permitir que a história seja reescrita"! [10] (Russo: "Не дадим переписать историю!") em frente da Embaixada de Letônia em Moscou. Uma efígie que representa Edvins Šnore foi queimada durante o protesto.[11]

Um dos críticos do filme, o revisionista da história Alexander Dyukov, figura destacada na mídia Russa como perito em desmitificar "mitos" do Báltico sobre ocupação soviética, declarou:

"Depois de assistir dois terços do filme, eu tive só um desejo: matar seu diretor e queimar completamente a Embaixada da Letônia." [12]

Dyukov alega inconsistências e questiona a credibilidade de algumas das seqüências e as conclusões de alguns dos historiadores Russos e Ocidentais entrevistados no filme.

O cientista político e comentarista cultural Letão Ivars Ijabs oferece uma resenha mista de The Soviet Story. Por um lado, é uma bem feita e "efetiva peça de propaganda cinematográfica no bom sentido desta palavra" cuja mensagem é apresentada claramente à audiência. Por outro lado, Ijabs não concorda com várias interpretações históricas do filme, afirmando que contém erros. Por exemplo, Ijabs declara que, "No início de 1930 Hitler ainda não havia planejado um genocídio sistemático contra os judeus", como é sugerido no filme; "Todo o mundo sabe que esta decisão foi tomada em 1942 na Conferência de Wannsee em Berlim".[carece de fontes?]

Além disso, Ijabs faz um comentário sobre a idéia expressada no filme pelo historiador literário britânico George Watson da Universidade de Cambridge que Karl Marx é:

"o ancestral do modelo político do genocídio."

Ijabs diz: apresentar o Karl Marx como o "progenitor do genocídio moderno é simplesmente mentir". Porém, Ijabs admite que Friedrich Engels usa o termo "lixo racial" (Völkerabfälle) em relação a várias pequenas nações européias.[13]

O filme pode ser assistido (com legendas em português) no Youtube e outros sites.

Festivais e prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2008, o Presidente da Letónia, Valdis Zatlers agraciou o diretor do filme, Edvins Snore com a Ordem das Três Estrelas.

Em 2009 pela criação do filme "The Soviet Story" Edvins Snore, recebeu a estoniana Ordem da Cruz da Terra Mariana.[14]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. cf. http://www.sovietstory.com/about-the-film/
  2. a b c "Telling the Soviet story", The Economist, 22-05-2008. Página visitada em 19-01-2009.
  3. Vaidere, Inese, Kristovskis, Ģirts Valdis. "Warning from the past", Parliament Magazine, 2008-04-15.
  4. YouTube - Christopher Beazley about "The Soviet Story"
  5. Sprūde, Viesturs. "Aplausi «Padomju stāstam»", Latvijas Avīze, 2008-04-14. (em Letão)
  6. YouTube - Ari Vatanen about "The Soviet Story"
  7. Līcītis, Egils. "Edvīns Šnore sakārto pagātni", Latvijas Avīze, 2008-05-03. (em Letão)
  8. "Tieslietu ministrs: filma «Padomju stāsts» jārāda visās skolās", apollo.lv, 2008-05-08. (em Letão)
  9. "Telling the unofficial, but true, Soviet story", European Voice, 2008-05-29.
  10. Акция «России молодой» «Не дадим переписать историю!» (em russo) (2008-05-14).
  11. "Prokremliskie jaunieši pie Latvijas vēstniecības protestē pret "vēstures pārrakstīšanu" (Pro-Kremlin youth protest against the "rewriting of history" in front of the Latvian Embassy)", TVNET.lv, 2008-05-20. (em Letão)
  12. a_dyukov. The Soviet Story: первый просмотр - Новые Хроники
  13. Ījabs, Ivars. "Cienīga atbilde: Soviet Story", Latvijas Vēstnesis, 2008-05-23. (em Letão)
  14. Bearers of decorations Official site of the President of the Republic of Estonia.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Site Oficial
  • World News - "A História Soviética - The Soviet Story" (legendado-pt). Página visitada em 16 de Setembro de 2013.