Thema da Capadócia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Themata da Anatólia ca. 842. O Thema da Capadócia aparece bem no centro, à volta do lago Tuz ("lago de Sal").

O Thema da Capadócia (em grego: θέμα Καππαδοκίας), chamado também de Thema Capadócio, foi um thema (uma província civil-militar) bizantino que englobava a região sul da Capadócia a partir do século IX até o século XI.

Localização[editar | editar código-fonte]

O território do thema englobava a maior parte da antiga província romana de Capaddocia Secunda e partes da Capadócia Prima. No início do século X, ele fazia fronteira a noroeste com o thema Bucelário ao longo da linha ligando a margem do lago de Sal e Mocissus; ao norte, com o Thema Armeníaco e, posteriormente, Carsiano, cruzando o rio Hális e, para o noroeste, com Cesareia e a fortaleza de Rodentos; ao sul, com os montes Tauro, com as terras do Califado Abássida e com a zona fronteiriça (al-Thughur) na Cilícia; finalmente, a leste, com o Thema Anatólico, através da Licônia de Heracleia Cibistra até o lago de Sal[1] [2] .

História[editar | editar código-fonte]

Localizado imediatamente ao norte das Portas da Cilícia, a principal rota de invasão utilizada pelos árabes na Ásia Menor, a região da Capadócia sofreu muito com repetidos raides, com cidades e fortalezas repetidamente saqueadas e a zonal rural, devastada e despopulada[1] [3] . As cidades de Tiana, Heracleia Cibistra e Faustinópolis foram todas arrasadas pelos árabes no início do século IX e, embora Cibistra tenha sido reconstruída, as populações das outras duas cidades fugiram para as fortelezas de Nigde e Loulon respectivamente[4] .

Inicialmente, o Thema da Capadócia era uma turma (divisão) do Thema Anatólico. Para conter a ameaça árabe, ele foi separado como uma marca de fronteira (uma cleisura) e, eventualmente, se tornou um thema. Ele aparece pela primeira vez como tal em 830[1] [5] [6] . De acordo com os geógrafos muçulmanos Ibn Khordadbeh e Ibn al-Faqih, a província tinha diversas fortificações com mais de vinte cidades e fortalezas e uma guarnição de 4 000 soldados no século IX[1] [7] . O thema abrigava também três aplekta, grandes acampamentos que serviam como ponto de encontro para os exércitos dos themata durante uma campanha: Coloneia, Cesareia e Bathys Ryax[8] . Seu estratego, cuja capital era provavelmente a fortaleza de Koron (atual Çömlekçi[9] ), e, talvez, Tiana no período final, tinha um salário de dez quilos de ouro e geralmente tinha a posição de protoespatário, com uns poucos chegando à prestigiosa posição de patrício[10] [11] .

Os raides árabes foram muito frequentes no século IX e uma invasão ocupou Loulon, uma das principais fortalezas guardando a saída setentrional das Portas da Cilícia, em 833-879. A partir da grande vitória bizantina na Batalha de Lalacão em 863 e a destruição do estado pauliciano em Tefrique em 872 (ou 878) a segurança da região melhorou consideravelmente, mas a área continuou sendo alvo dos árabes. Em 897, um raide saqueou até mesmo a capital, Koron[12] .

Sob o imperador bizantino Leão VI, o Sábio (r. 886-912), a parte oriental do território, o bandon de Nissa, no qual estava Cesareia e também a turma de Kase, foi cedida para o tema de Carsiano. Em troca, o Thema da Capadócia foi ampliado para noroeste até a área do lago de Sal tomando partes dos themata Anatólico e Bucelário, formando as sete banda da nova turma de Kommata[1] [13] .

A queda de Melitene em 934 e as conquistas de João Curcuas eliminaram de vez as ameaças mais imediatas ao thema. no século X, a região despopulada foi colonizada pelos armênios e cristãos sírios. A Capadócia como um todo se tornou uma importante base para a aristocracia militar anatólica - em particular das famílias Focas e Maleinos - cujas grandes propriedades, enorme riqueza e prestígio militar apresentavam um sério desafio ao governo imperial e levaram a sucessivas revoltas na segunda metade do século X. O poder dos magnatas só foi quebrado com o confisco de suas terras pelo imperador Basílio II Bulgaróctone (r. 976-1025)[1] .

Uma extensiva colonização armênia ocorreu na segunda metade do século XI e os primeiros raides dos turcos seljúcidas na região começaram por volta de 1050 e se intensificaram nas duas décadas seguintes. Após a Batalha de Manziquerta, a maior parte da região foi perdida para eles. Um "toparca da Capadócia e Choma", porém, aparece ainda em 1081, implicando ou um controle bizantino em partes da Capadócia ocidental ou simplesmente a sobrevivência do título[1] .

Referências

  1. a b c d e f g Kazhdan 1991, pp. 378–379.
  2. Pertusi 1952, p. 121; Gyftopoulou 2003, Chapter 2.
  3. Treadgold 1995, p. 209.
  4. Gyftopoulou 2003, Chapter 4.2.
  5. McGeer, Nesbitt & Oikonomides 2001, p. 116.
  6. Treadgold 1995, pp. 32, 65.
  7. Pertusi 1952, pp. 120–121; Treadgold 1995, pp. 67, 130, 134.
  8. Gyftopoulou 2003, Chapter 4.1.
  9. Mitchell, S., R. Talbert, T. Elliott, S. Gillies. Places: 619193 ([Koron)]. Pleiades. Página visitada em December 28, 2012 4:35 am.
  10. Pertusi 1952, p. 122.
  11. Gyftopoulou 2003, Chapter 3.
  12. Gyftopoulou 2003, Chapter 4.2 and Chapter 5.
  13. Treadgold 1995, p. 77; Gyftopoulou 2003, Chapter 4.3.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]