There's Always Vanilla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
There's Always Vanilla
 Estados Unidos
1971 • cor • 91 min 
Direção George A. Romero
Roteiro Rudy Ricci
Elenco Raymond Laine
Judith Ridley
Johanna Lawrence
Género Drama
Idioma inglês
Orçamento $70,000
Página no IMDb (em inglês)

There's Always Vanilla é um filme, do gênero Drama, produzido nos Estados Unidos em 1971, escrito por Rudy Ricci e dirigido por George A. Romero.

É um dos poucos filmes de Romero que não lidam com um apocalipse zumbi ou temas sobrenaturais de Terror.

Romero afirmou que ele considera este seu pior filme, e se referiu a este filme como "uma bagunça total". Como muitos dos primeiros filmes de Romero, ele cita a falta de dinheiro, durante a produção do filme, como grande responsável.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Chris Bradley (Raymond Laine) é o jovem recém-chegado do Vietnam, que se recusa a fazer parte dos negócios da família, no ramo de alimentos para bebês. Mais velha, Lynn (Judith Steiner) é uma modelo que trabalha em comerciais para TV. Assim que se conhecem, o casal se apaixona. A maneira que o filme progride, ficam claras as diferenças entre os dois. Se Lynn encontra-se frustrada com a carreira nos comerciais, por sua vez Chris mostra não ter grandes projetos na vida – entre os bicos, chegou até mesmo a ser cafetão. Quando Lynn fica grávida, ela percebe que o namorado não tem nenhuma condição de ser pai. Acaba por Lynn indo a uma clínica clandestina de aborto.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]