Thesaurus Linguae Graecae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
UC Irvine, sede do TLG

O Thesaurus Linguae Graecae (TLG) é um centro de pesquisa na Universidade da Califórnia, em Irvine (UC Irvine), nos Estados Unidos. Fundado em 1972 por Marianne McDonald (uma estudante de graduação na época) com o objetivo de criar uma coleção completa e abrangente de todos os textos escritos em grego da antiguidade até os nossos dias. Desde então, o TLG já coletou e digitalizou a maior parte da literatura grega desde Homero até a queda de Constantinopla (1453 dC).

Theodore Brunner (1934-2008) dirigiu o centro de 1972 até a sua aposentadoria da Universidade em 1998. Maria Pantelia, também uma professora de Clássicos na UC Irvine e dirige o centro desde então[1] .


Histórico[editar | editar código-fonte]

O desafio desta imensa tarefa foi inicialmente atacado com a ajuda de diversos classicistas e especialistas em tecnologia, mas principalmente graças aos esforços de David Woodley Packard e seu time, criadores do sistema Ibycus, o conjunto de hardware e software utilizados para corrigir e para pesquisar a base do TLG. David Packard também desenvolveu o "Código Beta", uma convenção de codificação de formatos e caracteres utilizada para codificar o grego politônico. A coleção do TLG foi originalmente circulada em CD ROM, com o primeiro lançamento em 1985. As versões seguintes foram lançadas em 1988 e 1992, com o suporte de David Packard.

No final dos anos 90, ficou claro que a velha tecnologia Ibycus estava ultrapassada. Sob a direção da professora Maria Pantelia, vários novos projetos foram realizados, inclusive o desenvolvimento de um novo e moderno sistema para digitalizar, testar e gerenciar a coleção, uma enorme migração do sistema antigo para o atual e um novo CD ROM (TLG E) - lançado em 1999 - e, finalmente, a estréia da coleção na Internet em 2001. Ao mesmo tempo, o TLG trabalhou juntamente com o UTC (Unicode Technical Comittee) para incluir todos os caracteres necessários para codificar e mostrar o grego no padrão Unicode[2] . A coleção se cresceu e continua crescendo significativamente com a inclusão textos bizantinos, medievais e até mesmo em grego moderno. Depois de 2006, os avanços vem sendo na direção da lematização[a] da coleção grega, uma tarefa enorme dada a natureza fortemente flexional da língua grega e a complexidade da coleção, que cobre mais de dois milênios de desenvolvimento literário.

Desde 2001, a coleção do TLG pode ser pesquisada na Internet por usuários membros das instituições assinantes no mundo todo (mais de 1500). Todas as informações bibliográficas[3] e um subconjunto dos textos estão disponíveis para o público em geral.

Veja também[editar | editar código-fonte]


Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ Em linguística, Lematização é o processo de agrupar as diferentes formas flexionais de uma palavra para que elas possam ser analisadas em conjunto. Ver artigo «Lemmatization» na Wikipédia em inglês.


Referências

  1. Maria Pantelia (em inglês) TLG.org. Visitado em 24/08/2010.
  2. Unicode (em inglês) Unicode.org. Visitado em 24/08/2010. e TLG & Unicode (em inglês) CDLib.org. Visitado em 24/08/2010..
  3. Informações bibliográficas (em inglês). Visitado em 24/08/2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]