Tieta do Agreste (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Tieta do Agreste
 Brasil
1996 • Cor • 140 min 
Direção Cacá Diegues
Roteiro João Ubaldo Ribeiro
Antônio Calmon
Cacá Diegues
Elenco Sônia Braga
Marília Pêra
Chico Anysio
Cláudia Abreu
Leon Góes
Género Drama, Comédia
Idioma Português

Tieta do Agreste é um filme brasileiro de 1996 dirigido por Cacá Diegues, baseado no romance homônimo de Jorge Amado. A obra já tinha tido uma adaptação na forma de telenovela feita pela Rede Globo em 1989.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Tieta retorna a sua terra natal, a pequena Santana do Agreste, após 25 anos de ausência. Sua volta causa certa apreensão na família, uma vez que Tieta saíra escorraçada pelo pai Zé Esteves, movido pelas intrigas de Perpétua, sua irmã mais velha.

A chegada de Tieta, rica e poderosa, põe fim aos boatos de que estaria morta e aguça a ambição não só de seus familiares - Perpétua, Zé Esteves, Elisa, Ramiro… -, mas de toda cidade.

Usando de sua influência, Tieta consegue trazer a luz elétrica a Santana do Agreste ao mesmo tempo em que se envolve num tórrido romance com seu sobrinho, o seminarista Ricardo.

A jovem Leonora, apresentada à família como enteada de Tieta, envolve-se com o secretário da prefeitura, Ascânio Trindade, num romance impossível que acabará resultando em uma nova e inesperada partida de Tieta.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
Text document with red question mark.svg
seção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
  • Sônia Braga teve a ideia de fazer Tieta logo após o término das filmagens de Luar Sobre Parador, em 1988. Entusiasmada, levou o projeto para seu então namorado, Robert Redford, fundador do Sundance Institute, que decidiu bancar a produção. O que Sônia não imaginava é que, na mesma época em que Jorge Amado cedera-lhe os direitos da obra para o cinema, Betty Faria os havia adquirido para a televisão. Com a estreia da novela, o projeto acabou arquivado.
  • O filme é inevitavelmente comparado à telenovela, que foi protagonizada pelas atrizes Betty Faria e Joana Fomm e obteve grande sucesso. Na época em que ocorreram as filmagens, ao longo de dez semanas, a telenovela global havia sido reprisada recentemente no programa Vale a Pena Ver de Novo.
  • As cenas da fictícia cidade de Santana do Agreste foram gravadas no povoado de Picado, no município de Conceição do Jacuípe, no interior da Bahia. A cena de sexo de Tieta jovem foi gravada no sítio de "Manezinho", conhecido morador do povoado.
  • Ao contrário da novela, no filme Tieta não volta à cidade para se vingar.
  • Mais fiel ao livro do que a novela foi, o filme de Diegues infelizmente não conquistou o público, em parte por não ver como Tieta e Perpétua as atrizes da televisão, e porque muita gente esperava ver mais uma versão da novela do que do livro para cinema.
  • A trilha sonora do filme foi toda composta por Caetano Veloso, com destaque para "Luz de Tieta", gravado pelo próprio Caetano em dueto com Gal Costa.
  • A consagrada diretora Lina Wertmüller foi quem primeiro adquiriu os direitos para o cinema de Tieta do Agreste, logo após a sua publicação na Itália, em 1982. Amiga íntima de Jorge Amado, Lina convidou Sophia Loren para estrelar o filme.[1] Tendo Claudia Ohana no papel da protagonista jovem, algumas cenas chegaram a ser gravadas na Bahia, mas o projeto terminou misteriosamente abandonado. Curiosamente, Claudia retomaria a personagem (Tieta jovem) alguns anos mais tarde, na telenovela global.
  • Jorge Amado aparece em rápida participação na primeira cena do filme, lendo os primeiros parágrafos do livro.
  • Antes de Tieta, Sônia Braga já havia encarnado outras duas personagens de Amado: Gabriela, em 1980 no cinema e, em 1975, na telenovela global, e Dona Flor (1976), até hoje a maior bilheteria do cinema nacional, com impressionantes 12 milhões de espectadores.