Tiglate-Pileser III

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Tiglat-Piléser III

Tiglate-Pileser III (também Tiglath-Pileser ou Teglat-Falasar; em acadiano: Tukultī-Apil-Ešarra) foi um rei da Assíria que governou entre 744 ou 745 e 727 a.C.. Este rei foi o penúltimo rei pré-Sargônida. Foi responsável pela revitalização do reino assírio, tendo conquistado a Babilónia, a Síria e a Palestina. É considerado o fundador do império neoassírio e sucessor de Ashur-ninari V. Quando morreu, em 727 a.C., foi sucedido por Salmanaser V.

Deve-se a ele a conquista da Síria de Damasco, quando o Rei Rezim ameaçou invadir o Reino de Judá. Acaz, rei de Judá pediu auxílio e Tiglate-Pileser (nome traduzido para o português) conquistou Damasco, deportou os seus habitantes para Quir e executou Rezim.

Reino[editar | editar código-fonte]

Foi um dos mais famosos comandantes da História antiga. As suas conquistas abrangeram a maior parte do mundo conhecido pelos antigos Assírios. As regiões conquistadas foram incorporadas no reino assírio, tornando-se províncias. Para prevenir revoltas deportou grande parte das populações, que colonizou em outras partes do reino.

Foi o penúltimo rei Pré-Sargônida. Segundo a lista de reis assírios, Tiglate-Pileser, reinou por dezoito anos, era filho do Rei Assurnirari V, seu antecessor, e pai de Salmanaser V.[1]

As primeiras campanhas militares do rei tiveram lugar na Babilónia, onde os Medos foram submetidos. Depois deste sucesso, Tiglat-Pileser vira-se para oeste, no sentido da Anatólia, onde o reino de Urartu tinha alcançado bastante poder.

Conflitos com a Síria e Palestina[editar | editar código-fonte]

As conquistas de Tiglath-Pileser III (verde) e a deportação dos israelitas. Tiglath-Pileser III inibiu revoltas contra a dominação assíria através do uso de deportações forçadas de milhares de pessoas pelo seu império.[2]

Segundo as inscrições de Tiglat-Piléser, teve um confronto no ano 738 a.C. entre ele e uma coalizão forte entre reinos sírios, Israel Setentrional, Judá e outros sob liderança do velho rei Uzias de Judá. Porém a resistência não era bastante forte para Tiglat-Peléser abandonar suas tentativas de avançar também para o sul. Invade o Reino Israel Setentrional, Rei Menaém torna-se seu tributário. Em 735 e 734 a.C. os sírios com rei Rezim, Israel Setentrional com o novo rei Peca e os Filisteus formaram uma nova coalizão. O novo rei de Judá, Acaz não quis participar e foi por isso assaltado de todos os seus vizinhos. Nesta situação desesperada chamou (contra o conselho do profeta Isaías) os assírios ao seu resgate.

Tiglat-Pileser atua logo: Ocupa o norte de Israel em 733 a.C., e reduz o reino de Reino Israel Setentrional à região montanhosa de Efraim e sua capital, Samaria. Confirmou o reino a Oséias, assassinou o Rei Peca. Conquistou Damasco, a capital da Síria, no ano 732 a.C., deportou os seus habitantes para Quir e executou rei Rezim.


Antecessor:
Assurnirari V
Rei da Assíria:
17 anos
Sucessor:
Salmanaser V

Referências

  1. Assyrian King List, site www.livius.org
  2. Healy, pp. 21
Ícone de esboço Este artigo sobre reis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.