Tigranes VI da Armênia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Outubro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Tigranes VI da Armênia conhecido também como Júlio Tigranes ou Tigranes VI da Capadócia foi um governante da Reino da Arménia, da dinastia arsácida, do período dividido entre o Império Romano e os Império Parta, tendo governado sob o protectorado romano entre o ano 59 e o ano 62. Reinou durante o interregno do governo Tiridates I da Arménia.

Ele descendia de Herodes, o Grande: seu pai era Alexandre, filho de Alexandre, filho de Herodes.[1] Sua avó paterna era filha de Arquelau, rei da Capadócia.[1] Alexandre, seu pai, também teve outro filho, Tigranes, que foi rei da Arménia, mas morreu sem filhos.[1]

Tirídates I da Arménia havia sido posto por seu irmão Vologases I da Pártia, rei dos Partas, como rei da Armênia, assim como outro irmão, Pácoro, foi colocado como rei da Média Atropatene.[2] [3]

Tigranes foi colocado no trono da Arménia por Nero.[1] Tirídates foi deposto e expulso da Armênia por Tigranes, o que levou seu irmão, Vologases, a ponderar romper a paz que a Pártia tinha com o Império Romano, mas Vologases era naturalmente disposto a temporizar, e ainda tinha que lidar com uma revolta de tribos na Hircânia. Quando ele estava pensando sobre o que fazer, chegaram notícias de uma nova afronta, porque Tigranes VI atacou Adiabena, cujo governante, Monobas II, reclamou que a Pártia não oferecia nenhuma proteção contra os romanos, havia cedido a Armênia, e que era melhor se render aos romanos a ser conquistado por eles. Tirídates também reclamou, porque grandes impérios não são mantidos pela inação.[4]

Vologeses, reconhecendo que havia errado por hesitar demais, enviou um exército contra a Armênia, comandado por um nobre chamado Monaeses, junto com tropas de Adiabena, fez as pazes com a Hircânia e reuniu todas suas tropas para um ataque contra as províncias romanas.[3] A guerra não foi conclusiva, e terminou com um acordo de paz entre Vologases e o imperador romano Nero.[5]

Pelo acordo, Tirídates colocou sua coroa aos pés da estátua de Nero, para ser coroado por Nero mais tarde.[6] Tirídates foi coroado por Nero no momento em que o imperador condenava à morte Barea Soranus [7] e Thrasea Paetus.[8]

Tigranes teve um filho, Alexandre, que se casou com Iotapa, filha do rei Antíoco III de Comagena do Reino de Comagena e foi nomeado por Vespasiano rei de uma ilha na Cilícia.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XVIII, Capítulo 5, Herodes, o Tetrarca, guerreia contra Aretas, rei da Arábia, e é derrotado por ele. Sobre a morte de João Batista. Como Vitélio foi a Jerusalém. Um relato de Agripa e os descendentes de Herodes, 4 [em linha]
  2. Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XX, 3.4 [em linha]
  3. a b Tácito, Anais, Livro XV, 2
  4. Tácito, Anais, Livro XV, 1 [em linha] [em linha]
  5. Tácito, Anais, Livro XV, 11
  6. Tácito, Anais, Livro XV, 29
  7. Tácito, Anais, Livro XVI, 23 [em linha] [em linha]
  8. Tácito, Anais, Livro XVI, 21
Ícone de esboço Este artigo sobre reis de um dos reinos da Arménia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.