Tirídates I da Armênia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tiridates I da Arménia)
Ir para: navegação, pesquisa
Estátua de Tirídates I da Armênia, que se encontra nos Jardins do Palácio de Versailles (rampa norte)

Tirídates I da Armênia (português brasileiro) ou Arménia (português europeu) (em armênio: Տրդատ Ա) foi um rei da Armênia que reinou com várias interrupções a partir de 53 d.C. e possivelmente até 72.[1] Era irmão de Vologases I da Pártia.[2]

Artabano II da Pártia foi sucedido por seu filho Vardanes I da Pártia. Após o assassinato de Vardanes, subiu ao trono Gotarzes II da Pártia, que também foi assassinado, subindo ao trono outro irmão, Vologases I da Pártia.[3]

Por vinte e cinco anos, a Armênia se tornou palco de guerras entre o Império Romano e o Império Parta, que levou devastação ao país e opressão ao povo. A Armênia chegou a ser ocupada por Mitrídates da Ibéria, um aliado de Roma, que governou a partir de Artaxata a partir de 44.[4]

A supremacia parta na Armênia foi restabelecida pelo rei parta Vologases (50 - 90), da família Pahlavid.[5] Tirídates foi posto por seu irmão Vologases como rei da Armênia, assim como outro irmão, Pácoro, foi colocado como rei da Média Atropatene.[3] [6] A Média era o segundo posto em importância no Império Parta, e a Armênia o terceiro. Vologases tentou acabar com os antigos ódios e rivalidades entre irmãos, trazendo ordem para sua família.[6]

Segundo James Ussher, os textos de Tácito e Flávio Josefo permitem inferir que Tirídates era irmão de Gotarzes II da Pártia, e filho de Artabano II da Pártia; porém Ussher supõs que isto era um erro, e que os únicos filhos de Artabano eram Vardanes e Gotarzes, e que Vologases I da Pártia, Pácoro e Tirídates eram filhos de Gotarzes, pois Gotarzes havia massacrado seus irmãos e todos seus parentes.[7]

Tirídates expulsou o usurpador da Ibéria, Radamisto, sobrinho de Mitrídates, mas, quando voltou para a Pártia no inverno, Radamisto voltou, e cometeu várias atrocidades. O povo se revoltou, e Radamisto conseguiu escapar apenas pela velocidade do seu cavalo.[5]

Em seguida houve um conflito entre a Armênia e Roma. Pela versão de Tácito, Tirídates foi deposto e expulso da Armênia por Tigranes VI da Armênia, o que levou seu irmão, Vologases, a ponderar romper a paz que a Pártia tinha com o Império Romano, mas Vologases era naturalmente disposto a temporizar, e ainda tinha que lidar com uma revolta de tribos na Hircânia. Quando ele estava pensando sobre o que fazer, chegaram notícias de uma nova afronta, porque Tigranes VI atacou Adiabena, cujo governante, Monobas II, reclamou que a Pártia não oferecia nenhuma proteção contra os romanos, havia cedido a Armênia, e que era melhor se render aos romanos a ser conquistado por eles. Tirídates também reclamou, porque grandes impérios não são mantidos pela inação.[2]

Vologeses, reconhecendo que havia errado por hesitar demais, enviou um exército contra a Armênia, comandado por um nobre chamado Monaeses, junto com tropas de Adiabena, fez as pazes com a Hircânia e reuniu todas suas tropas para um ataque contra as províncias romanas.[6] A guerra não foi conclusiva, e terminou com um acordo de paz entre Vologases e o imperador romano Nero.[8]

Pela versão de Vahan Kurkjian, Nero ordenou que Domício Corbulo invadisse a Armênia em 58. Corbulo chegou a conquistar e incendiar Artaxata, e estava a caminho de capturar Tigranocerta, quando veio ajuda aos armênios do rei dos partas. Os romanos foram obrigados a recuar, quando, em Roma, estavam celebrando um triunfo sobre os partas. Nero aceitou um acordo de paz, reconhecendo Tirídates como rei da Armênia.[9]

Pelo acordo, Tirídates colocou sua coroa aos pés da estátua de Nero, para ser coroado por Nero mais tarde.[10] [11] Em 66, em Nápoles,[12] Tirídates foi coroado por Nero,[12] [13] no momento em que o imperador condenava à morte Barea Soranus [13] e Thrasea Paetus.[14]

Após o acordo, houve paz no Império Romano, e Nero cerrou as portas do templo de Jano. Tirídates voltou à Armênia, trazendo artesãos para a reconstrução de Artaxata, que ele renomeu como Nerônia.[15] Roma passou a contar a Armênia como um reino aliado, e continuou assim durante o reinado de Vespasiano.[16]

A Armênia também viveu em paz, até que, em 72, os alanos e outras tribos do Cáucaso atacaram a Média e a Armênia. Tirídates lutou contra os bárbaros, e quase foi capturado, mas eles terminaram se retirando, levando o produto de sua pilhagem.[16]

Tirídates morreu em 75 sem herdeiros. Roma indicou como sucessor um estrangeiro, que não era da dinastia arsácida, o que levou a nova guerra entre os romanos e os partas.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Como muitos aspetos da sua biografia e governos, as datas exatas dos seus reinados são incertas.
  2. a b Tácito, Anais, Livro XV, 1 [em linha] [em linha]
  3. a b Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XX, 3.4 [em linha]
  4. Vahan Kurkjian, History of Armenia (1958) (em domínio público), Chapter XV: Rivalry between Parthia and Rome, Parthia seizes the throne [em linha]
  5. a b Vahan Kurkjian, History of Armenia (1958) (em domínio público), Chapter XV: Rivalry between Parthia and Rome, King Trdat the Pahlavid
  6. a b c Tácito, Anais, Livro XV, 2
  7. James Ussher, The Annals of the World, Anos 47 AD, 49 AD e 50 AD [em linha]
  8. Tácito, Anais, Livro XV, 11
  9. Vahan Kurkjian, History of Armenia (1958) (em domínio público), Chapter XV: Rivalry between Parthia and Rome, Romans destroy Artashat
  10. Tácito, Anais, Livro XV, 29
  11. Vahan Kurkjian, History of Armenia (1958) (em domínio público), Chapter XV: Rivalry between Parthia and Rome, Pretended crowning by Nero
  12. a b Vahan Kurkjian, History of Armenia (1958) (em domínio público), Chapter XV: Rivalry between Parthia and Rome, Trdat and Nero, 66 A.D.
  13. a b Tácito, Anais, Livro XVI, 23 [em linha] [em linha]
  14. Tácito, Anais, Livro XVI, 21
  15. Vahan Kurkjian, History of Armenia (1958) (em domínio público), Chapter XV: Rivalry between Parthia and Rome, World peace
  16. a b Vahan Kurkjian, History of Armenia (1958) (em domínio público), Chapter XV: Rivalry between Parthia and Rome, Armenia assailed by barbarians
  17. Vahan Kurkjian, History of Armenia (1958) (em domínio público), Chapter XV: Rivalry between Parthia and Rome, Trdat's death
Ícone de esboço Este artigo sobre reis de um dos reinos da Arménia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.