Tishá BeAv

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pedras do Muro das Lamentações do Monte do Templo (Jerusalém) jogados na rua por soldados romanos na Nove de Av, 70 dC

Tisha BeAv é o dia do calendário judaico (9 do mês de Av), o qual foi fixado como jejum e dia de luto devido a dois dos mais trágicos eventos da História Judaica — a destruição pelos babilónicos do Templo de Salomão, ou Primeiro Templo de Jerusalém, no ano 586 antes da Era Comum, e a destruição do Segundo Templo, no ano 70 da nossa era, pelos Romanos.

A destruição do Primeiro Templo[editar | editar código-fonte]

O Primeiro Templo foi construído em Jerusalém no Monte Moriá, pelo Rei Salomão.[1] No ano de 586 antes da era comum o Reino de Judá foi conquistado, e a cidade de Jerusalém sitiada e destruída juntamente com o Primeiro Templo - pelo exército do Império Babilônico no 19.º ano de reinado de Nabucodonosor II.[2]

De acordo com o Livro dos Reis II (25:8), o Templo teria sido ocupado no dia 7 de Av, e segundo o Livro de Jeremias (52:12) o Templo teria sido consumido pelo fogo no dia 10 de Av. O Talmude reforça a tradição judaica de que o Primeiro Templo foi destruído no dia 9 de Av, explicando que os Babilônios ocuparam o Templo, sem destruí-lo, durante os dias 7 e 8 de Av, começaram a destruição do Templo no dia 9 de Av ao entardecer, e a destruição completa se deu no décimo dia do mês de Av. Baseado nisso o sábio talmúdico Rabi Yochanan argumenta que o jejum deveria ser feito no dia 10 de Av, mas os demais sábios discordaram e fixaram o dia 9.[3]

De acordo com o Talmude o motivo espiritual pela destruição foram os três pecados mais graves de acordo com o judaísmo: idolatria, derramamento de sangue e relações proibidas.

A destruição do Segundo Templo[editar | editar código-fonte]

Arco do Triunfo de Roma - Detalhe mostrando os espólios de Jerusalém sendo levados para Roma, entre eles a Menorá.

O Segundo Templo foi construído no ano de 538 antes da Era comum, pelos judeus que retornaram do exílio babilônico, com o fim do Império Babilônico e começo do Império Persa. O Rei Ciro deu aos judeus permissão de retorno a Jerusalém e da reconstrução do Templo por meio da chamada Declaração de Ciro.

Sua destruição se deu na época da Grande Revolta Judaica contra o Império Romano no ano de 70 da Era comum, sob o comando do general romano Tito - que manteve um cerco militar a cidade sitiando-a por quase três anos.[4] Ele conseguiu penetrar na cidade no dia 17 de Tamuz e três semanas depois, no dia 9 de Av, seu exército conseguiu penetrar no Templo, saqueá-lo e destruí-lo.

De acordo com o Talmude o motivo espiritual pela destruição foi o ódio gratuito entre os judeus desta época.

Costumes judaicos deste dia[editar | editar código-fonte]

O jejum começa no por do Sol do dia 8 de Av, e segue até o anoitecer do dia 9 de Av (por volta de 24 hora e meia)

Existem 5 proibições rabínicas (não estão escritas na Torá) relevantes a este dia:

  • comer e beber
  • banhar-se
  • passar cremes
  • calçar sapatos de couro
  • manter contato físico entre marido e mulher

Além destas proibições os judeus costumam não estudar Torá neste dia, não cumprimentar conhecidos e evitar trabalhos que possam desviar a atenção do luto pela destruição. Costuma-se também sentar-se no chão como enlutados, ler o Livro das Lamentações e poesias de lamentações compostas em várias épocas de desgraças durante o exílio judaico.

Outras calamidades acontecidas em 9 de Av[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Mishná[5] , 5 fatos históricos calamitosos ocorreram neste dia:

  • o decreto Divino ao povo hebreu de ficar no deserto por 40 anos na saída do Egito, antes de entrar na Terra de Canaã - devido ao pecado dos espiões.
  • a destruição do Primeiro Templo
  • a destruição do Segundo Templo
  • a destrição da cidade de Beitar durante a revolta de Bar Kochvá
  • o império romano arou todo o Monte do Templo destruindo todo vestígio que poderia ser identificado do Templo

Outras calamidades na História Judaica também tiveram lugar em Tisha BeAv, incluindo o édito do rei Eduardo I, que forçava os judeus a deixar a Inglaterra em 1290, e o Decreto de Alhambra, ou Édito de Expulsão dos Judeus de Espanha, pelos Reis Católicos, Fernando de Aragão e Isabel de Castela, em 1492.

Referências

  1. Livro dos Reis I - capítulos 6,7,8
  2. Livro dos Reis II - capítulo 25
  3. Talmude Babilônico - Tratado de Taanit, folha 29a.
  4. Flávio Josefo - A Guerra dos Judeus livro IV, capítulos 1 a 4
  5. Tratado de Taanit - capítulo 4