Tito Flávio Sabino (cônsul em 47)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Maio de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Tito Flávio Sabino foi o filho maior de Tito Flávio Sabino e irmão maior do primeiro imperador pertencente à dinastia Flávia, Tito Flávio Vespasiano.

Sabino serviu junto ao seu irmão pequeno durante a invasão romana da Britânia, em 43, durante o reinado do imperador Cláudio. Foi designado cônsul em 47, governador de Mésia (50 - 56) e prefeito da cidade de Roma (56 - 69). Lúcio Pedânio Segundo serviu também como prefeito da cidade em algum momento durante 61, porém os estudos concluíram que Sabino desempenhou a prefeitura em duas ocasiões: a primeira entre 56 e 60 e a segunda entre 62 e 69.[1] A razão desta deposição temporária é desconhecida.

Sabino foi um dos mais fiéis partidários do seu irmão: quando Vespasiano se encontrava em apuros econômicos durante o seu governo na província da África, Sabino cedeu-lhe dinheiro suficiente para continuar, e quando Vespasiano era governador da Judeia, Sabino tornou-se numa fonte vital dos acontecimentos em Roma. Contudo, em 69, durante o Ano dos quatro imperadores, quando o aliado de Vespasiano, Caio Licínio Muciano avançava sobre a capital, Sabino foi sitiado no Monte Capitolino pelos partidários de Vitélio e caiu assassinado antes que o seu irmão derrotasse Vitélio e assumisse o império.

Teve um filho, Tito Flávio Sabino, que foi cônsul esse mesmo ano (69).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Tácito, Annales, xiv, 42