Tito Tácio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Dezembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Rômulo, Hersília e Tito Tácio.
As sabinas, de Jacques-Louis David, Museu do Louvre

Tito Tácio (em latim Titus Tatius) era, segundo a mitologia romana, rei dos sabinos, no tempo em que Rômulo reinava em Roma.

Depois do rapto das sabinas pelos romanos,[carece de fontes?] os romanos derrotaram, primeiro, os cenirenses, e depois, uma aliança de Fidenae, Crustumério e Antemnae,[1] os sabinos escolheram como seu comandante Tito Tácio, e marcharam contra Roma.[2] Tomou, quase sem combate, o monte Quirinal.[carece de fontes?]

A cidade era de acesso difícil, e eles precisavam conquistar uma fortaleza no local onde, na época de Plutarco, estava o Capitólio, e que tinha uma guarda, com Spurius Tarpeius (Tarpeio) como seu capitão.[2]

Tarpeia, filha de Terpeio, vendo que os sabinos levavam braçadeiras de ouro no braço esquerdo, propôs a Tácio trair a cidadela, caso recebesse dos sabinos o que eles levavam neste braço.[2]

Tácio aceitou a proposta, e entrou à noite, quando ela abriu os portões.[3] Tácio, fiel à sua promessa, mas mostrando seu desprezo pela traição [Nota 1] cumpriu literalmente sua promessa, jogando sobre Tarpeia não só o bracelete como o escudo; os demais sabinos fizeram o mesmo, e mataram Tarpeia sob o impacto dos braceletes de ouro e enterrada pelos escudos.[4] Plutarco menciona uma versão alternativa, pela qual Tarpeia seria filha de Tácio, e que vivia à força com Rômulo, tendo traído os romanos por ordem do pai.[5]

Terminada a guerra com a intervenção das sabinas, reinou cinco anos juntamente com Rômulo. Os dois povos, romanos e quiriritas, se reuniram e a segunda tribo tomou o nome de Tatienses ou Titienses.[carece de fontes?]

O seu palácio estava situado no Capitólio, no mesmo local onde mais tarde foi edificado o templo de Juno.

Os laurentinos, insultados por Tácio, aproveitaram-se de um sacrifício solene em Lavínio, ao qual o rei assistia, para matá-lo. Seu túmulo, sobre o qual havia todos os anos sacrifícios em honra dos mortos, se achava no monte Aventino.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Anstett J., História de Roma, Laemmert & Cia.

Notas e referências

Notas

  1. Plutarco cita uma frase de Antígono, que ele amava os homens que ofereciam a traição, mas odiava aquelas que tinham traído, e de César, que ele amava a traição mas odiava o traidor.

Referências

  1. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Rômulo, 17.1 [em linha]
  2. a b c Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Rômulo, 17.2
  3. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Rômulo, 17.3
  4. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Rômulo, 17.4
  5. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Rômulo, 17.5
Ícone de esboço Este artigo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.