Região de Tōhoku

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tohoku)
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Região Tohoku, Japão

A Região de Tohoku (em japonês: 東北地方; transl. Tōhoku-chihō) é uma área geográfica do Japão. Tōhoku significa, em japonês, "nordeste." A região, que ocupa a porção nordeste da maior ilha do Japão, Honshu, é também chamada de Michinoku (みちのく).

A região consiste em seis províncias: Akita, Aomori, Fukushima, Iwate, Miyagi e Yamagata.

História[editar | editar código-fonte]

Tohoku, tal como grande parte do Japão é montanhoso e de relevo irregular. As primeiras povoações instalaram-se aí entre o século VII e o século IX depois de Cristo, bastante depois da cultura japonesa se ter estabelecido no centro e sudoeste do Japão.

Último reduto do povo Ainu de Honshu e local de muitas batalhas, Tohoku tem a reputação de local remoto e hostil, oferencendo uma paisagem deslumbrante, mas com um clima muito áspero. Tohoku foi imortalizado pelo poeta haiku Matsuo Bashô na sua obra Oku no Hosomichi (“O estreito caminho através do norte profundo” – traduzido em Portugal por “O Estreito caminho”, e editado pela Assírio e Alvim, em conjunto com “O Gosto Solitário do Orvalho”, na versão de Jorge Sousa Braga).

Geografia[editar | editar código-fonte]

Províncias e Cidades[editar | editar código-fonte]

A região de Tohoku é constituída de seis províncias e 68 cidades:

Economia[editar | editar código-fonte]

Ainda que na década de 1960 se tenham desenvolvido aí indústrias metalúrgicas, cimenteiras, químicas, de pasta de papel e refinarias de petróleo, Tohoku é mais conhecida por ser o “celeiro” do Japão já que fornece grande parte dos produtos agrícolas (principalmente arroz) consumidos pelo mercado de Sendai e de Tóquio-Yokohama. É responsável por cerca de 20% da produção de arroz do país. O clima permite, contudo, apenas, uma colheita de arroz por ano.

A localização no interior das terras de menor altitude e uma costa que não favorece o desenvolvimento portuário obrigam a região a ficar dependente dos meios de comunicação terrestre (incluindo caminhos de ferro). As partes mais baixas da cordilheira central permitem uma comunicação razoável duas vertentes,em termos de facilidade de transporte.

Turismo[editar | editar código-fonte]

O turismo é também uma actividade económica de relevo. Destacam-se como pontos principais de interesse:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]