Zizinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tomás Soares da Silva)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2012).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Zizinho
Informações pessoais
Nome completo Tomás Soares da Silva
Data de nasc. 14 de setembro de 1921
Local de nasc. São Gonçalo (RJ),  Brasil
Nacionalidade  brasileiro
Falecido em 8 de fevereiro de 2002 (80 anos)
Local da morte Niterói (RJ),  Brasil
Altura 1,69m
Apelido Zizinho, Mestre Ziza
Informações profissionais
Período em atividade Como Jogador: 1939-1962 (23 anos)
Como Treinador: 1975
Posição Treinador (ex-meia e atacante)
Clubes profissionais1
Anos Clubes Jogos (golos)
1939-1950
1950-1961
1957-1958
1959-1960
1958-1962
1939-1962
Brasil Flamengo
Brasil Bangu
Brasil São Paulo
Brasil Uberaba
Chile Audax Italiano
Total
329 (146)
274 (122)
60 (24)
1 (0)
? (16)
718 (338)
Seleção nacional
1942-1953 Brasil Brasil 54 (30)
Times que treinou
1975 Brasil Brasil 7
Medalhas
Jogos Pan-Americanos
Ouro Cidade do México 1975 Equipe

Tomás Soares da Silva, mais conhecido como Zizinho (São Gonçalo, 14 de setembro de 1921Niterói, 8 de fevereiro de 2002), foi um treinador e ex-futebolista brasileiro.

Jogou como atacante para a Seleção Brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Flamengo

Um dos maiores jogadores da história do futebol mundial. Começou nas divisões de base do Byron, de Niterói, e foi revelado e jogou entre 1939 a 1950 no Flamengo sediado no Rio de Janeiro, e com ele o time ganhou o seu primeiro tricampeonato estadual em 1942, 1943 e 1944, além do Campeonato Carioca de 1939. Zizinho saiu do Flamengo com 329 jogos e 146 gols [1] e considerado o maior ídolo do clube até a aparição de Zico.

Bangu

Antes da estréia na Copa do Mundo de 1950 (onde Zizinho terminaria como melhor jogador do torneio), Zizinho foi vendido para o Bangu Atlético Clube a peso de ouro, clube que defendeu de 1950 a 1957 e voltou a atuar no clube como jogador e técnico ao mesmo tempo em 1961 [2] deixou o Bangu como maior jogador da historia do clube [3] sendo o 5º maior artilheiro da historia, com 122 gols, e o maior artilheiro em uma só partida com cinco gols. Ainda assim Zizinho conseguiu dois vice-campeonatos cariocas pelo Bangu um como jogador em 1951 e outro como técnico em 1965, terminou o Campeonato Carioca de 1952 como artilheiro pelo Bangu. Além de ter ganho dois Torneios inicio do Rio de Janeiro e o Torneio inicio do Rio-São Paulo.

São Paulo

Em 1957 Zizinho sai do Bangu para fazer 60 jogos e 24 gols [4] pelo São Paulo, porem conquista o título do Campeonato Paulista, liderando o time de forma brilhante e se tornado um ídolo tricolor.

Seleção Brasileira

Atuou na seleção de 1942 a 1957, foram pela Seleção Principal: 54 jogos, 37 vitórias, 4 empates, 13 derrotas. com 30 gols marcados.[5] Na Copa de 50 seu estilo de jogar maravilhou os torcedores e ajudou o Brasil a chegar até a final; e mesmo apesar da derrota surpreendente de 2 a 1 para o Uruguai, foi considerado o melhor jogador daquela copa. Zizinho é considerado por muitos o jogador mais completo depois de Pelé, tendo marcado 30 gols pela a seleção.

Fim de Carreira

Zizinho ainda atuou pelo Audax Italiano, do Chile. Uberaba de Minas Gerais, Combinado Bangu-Vasco com a camisa do Bangu e do Vasco, e Combinado Bangu-São Paulo com a camisa do Bangu e do São Paulo.

Zizinho ainda contribuiu para o surgimento de outro craque: Gérson. Zizinho era amigo do pai de Gérson, e quando ele iniciou a carreira de jogador, sempre ouvia atentamente os conselhos do "Mestre Ziza" (apelido carinhoso de Zizinho), no tocante à marcação, visão de jogo, distribuição de passes, e partindo em velocidade com a bola dominada. Em agradecimento, o "Canhotinha de Ouro" sempre que entrevistado, cita carinhosamente Zizinho como seu mentor e incentivador na carreira de jogador.

Pós-futebol

Após encerrar a carreira, Zizinho tornou-se fiscal de rendas do Estado do Rio de Janeiro, função que exerceu até a aposentadoria.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

O Bangu homenageou Zizinho em 2001, foi reconhecido e recebeu um diploma oficial do Bangu como a maior expressão Banguense nos gramados [6], é considerado por muitos até hoje como maior ídolo do Bangu. Também foi reconhecido como um dos maiores craques do Maracanã tento seus pés gravado no hall da fama do estádio.[7]

Morte[editar | editar código-fonte]

Morreu em 8 de fevereiro de 2002 vítima de problemas do coração.[1]

Frases[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Zizinho

"Bastava os alto-falantes do Maracanã anunciarem o nome de Zizinho para saber quem seria o vencedor da partida." (Nélson Rodrigues)[8][9][10]

"Seu futebol faz recordar o Mestre Leonardo da Vinci pintando alguma obra rara." (Giordano Fattori, jornalista do Gazzeta dello Sport, sobre Zizinho)

"Não há bola no mundo que seja indiferente a Zizinho." (Nelson Rodrigues, escritor e jornalista)

"Eu lia Zizinho, todo domingo, no Maracanã." (Armando Nogueira - jornalista e escritor)

"As 'mocinhas' de hoje deviam jogar no nosso tempo." (Zizinho, craque dos anos 50, sobre a reclamação da violência pelos jogadores da década de 70)

"Ponta ou tem que ser muito bom ou só serve para não deixar a bola sair para lateral." (Zizinho, ex-craque da Seleção Brasileira)

"A bola tem vida própria. Ela gosta de ser bem tratada." (Zizinho, ex-craque da Seleção Brasileira)

"Eu não conseguia dormir à noite. Eu sonhava que aquilo era um pesadelo e não tinha acontecido." (Zizinho, ex-craque da Seleção Brasileira, sobre a derrota na final da Copa de 50)

"Quando eu era garoto, procurava imitar dois jogadores: o Dondinho, meu pai, e o Zizinho. Quando comecei a minha carreira no Santos, o Zizinho estava encerrando a dele no São Paulo. E encerrando em grande estilo. Ele foi campeão e considerado o melhor jogador do Campeonato Paulista de 1957. Zizinho era um jogador completo. Atuava na meia, no ataque, marcava bem, era um ótimo cabeceador, driblava como poucos, sabia armar. Além de tudo, não tinha medo de cara feia. Jogava duro quando preciso." (Édson Arantes do Nascimento, o Pelé, sobre Zizinho, seu ídolo quando criança)

Fonte das frases acima [11]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Flamengo
  • Carioca de Futebol: 1939
  • Torneio Rio-São Paulo (NÃO OFICIAL): 1940
  • Carioca de Futebol: 1942
  • Carioca de Futebol: 1943
  • Torneio Relâmpago do Rio de Janeiro: 1943
  • Carioca de Futebol: 1944
  • Torneio Início do Rio de Janeiro: 1946
  • Troféu Cezar Aboud (MA): 1948
  • Troféu Embaixada Brasileira na Guatemala: 1949
  • Troféu El Comite Nacional Olímpico da Guatemala: 1949
  • Taça Cidade de Ilhéus: 1950

Fonte [12][13]

Bangu
  • Torneio do Inicio do Rio de Janeiro: 1950
  • Torneio do Inicio do Rio São Paulo: 1951
  • Torneio do Inicio do Rio de Janeiro: 1955
  • Torneio Tringular Internacional do Equador: 1957
  • Torneio Quadrangular do Rio de Janeiro: 1957
  • Torneio Triangular do Porto Alegre: 1957

Fonte [14]

São Paulo
  • Campeonato Paulista: 1957

Fonte [15]

Pela Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

  • Copa Rocca: 1945
  • Copa América: 1949
  • Copa Rio Branco: 1950
  • Campeonato Pan-Americano:1952
  • Taça Bernardo O'Higgins: 1955
  • Taça Oswaldo Cruz: 1955
  • Taça Oswaldo Cruz: 1956
  • Taça do Atlântico: 1956
  • Jogos Pan-Americanos: 1975 (Como técnico)

Fonte [16]

Premios[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Zizinho

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]