Tomada de Roma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
este artigo cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A Tomada de Roma, em 20 de setembro de 1870, foi o evento final do longo processo de Unificação italiana, conhecido como Risorgimento, que unificou a península italiana sob o governo do rei Vítor Emanuel II da Casa de Saboia.

As regiões de Veneza Júlia, Trentino e Alto Adige continuaram sob domínio do Império Austríaco, sendo anexados depois do fim da Primeira Guerra Mundial.

A tomada da cidade de Roma exacerbou o conflito entre o governo italiano e o papado durante os anos de 1861 a 1929, que culminou na criação do Vaticano, com o estabelecimento do Tratado de Latrão durante o governo de Benito Mussolini.

Captura[editar | editar código-fonte]

O Exército italiano, comandado pelo general Raffaele Cadorna, atravessou a fronteira papal em 11 de setembro e avançouo em direção a Roma, movendo-se lentamente, na esperança que uma entrada pacífica poderia ser negociada. As guarnições papais tinham recuado desde Orvieto, Viterbo, Alatri, Frosinone e outros redutos do Lazio, Pio IX estava convencido a rendição era inevitável. 1 Quando o exército italiano se aproximou da Muralha Aureliana que defendeu a cidade, a força papal foi comandado pelo general Hermann Kanzler, e foi composta pela Guarda Suíça e alguns zouavos papais-voluntários da França, Áustria, o Holanda, Espanha, e outros países de um total de 13.157 homens contra cerca de 50.000 italianos. 2

O exército italiano alcançou a Muralha Aureliana em 19 de setembro e colocou Roma em estado de sítio. Pio IX decidiu que a rendição da cidade seria concedida somente após suas tropas terem resistido suficiente para deixar claro que a tomada não tinha sido aceita facilmente. Em 20 de setembro, depois de um bombardeio de três horas que abriu uma brecha na Muralha Aureliana na Porta Pia, o corpo de infantaria piemontesa comandado por Bersaglieri entrou em Roma. Durante a tomada morreram 49 soldados italianos e 19 zuavos papais. Os eventos do dia são celebradas em toda a Itália com uma via XX Settembre em praticamente todas as cidades de todos os tamanhos. Roma e região de Lazio foram anexada ao Reino da Itália após um plebiscito.

A Cidade Leonina, incluindo o Palácio Apostólico, sede do Papa, foi ocupada no dia 21 de setembro. O governo italiano tinha a intenção de deixar o Papa manter a Cidade Leonina, mas o Papa não aceitou desistir de suas reivindicações a um território mais amplo. 3

A Via Pia, a estrada que começava na Porta Pia, foi rebatizada como Via XX Settembre (20 de Setembro). Posteriormente, em inúmeras cidades italianas o nome Venti Settembre foi dado para a via principal que conduz à catedral local.

O escritor Edmondo De Amicis participou da captura de Roma como um oficial do exército italiano.

Referências

  1. Rendina, Claudio (2000). Enciclopedia di Roma. Rome: Newton Compton, p. 985
  2. De Cesare, Raffaele. (1909).The Last Days of Papal Rome. London: Archibald Constable & Co. p. 443 (em inglês)
  3. Para entender melhor esta questão veja também os artigos prisioneiro no Vaticano e Questão Romana.
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.