Tombuctu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tombuctu
Tombouctou
—  Cidade  —
Timbuktu Mosque Sankore.jpg
Mapa mostrando as principais rotas de caravanas trans-sahariana cerca de 1400. Também são mostradas o Império Gana (até o século XIII) e o Império Mali do século XIII - XV. Observe a rota ocidental correndo de Djenné via Timbuktu para Sijilmassa. O Níger atual em amarelo.
Mapa mostrando as principais rotas de caravanas trans-sahariana cerca de 1400. Também são mostradas o Império Gana (até o século XIII) e o Império Mali do século XIII - XV. Observe a rota ocidental correndo de Djenné via Timbuktu para Sijilmassa. O Níger atual em amarelo.
Tombuctu está localizado em: Mali
Tombuctu
Localização de Tombuctu na região de Tombouctou
16° 46' 33" N 3° 0' 34" O
País Mali
Região Tombouctou
Cercle Timbuktu
Estabelecido século XII
Altitude 261 m (856 pés)
População (2009)[1]
 - Total 54 453
Fuso horário GMT (UTC+0)

A cidade de Tombuctu (em francês: Tombouctou; em koyra chiini: Tumbutu; por vezes, escrita Timbuktu) é a capital da região de mesmo nome. Localiza-se no centro do Mali. Apesar de não mostrar o esplendor da sua época áurea, no século XIV e estar a ser engolida pela areia do deserto do Saara, ainda tem uma importância tão grande, como depositório de saber, que foi inscrita pela UNESCO, em 1988, na lista do Patrimônio Mundial.

A prestigiosa universidade corânica de Sankoré, donde 50 000 sábios muçulmanos ajudaram a espalhar o Islão através da África Ocidental, ainda funciona, embora com um número mais reduzido: 15 000 estudantes. Tombuctu alberga, ainda, o famoso Instituto Ahmed Baba, com a sua colecção de 20 000 manuscritos árabes antigos, que retratam mais de um milénio de conhecimento científico islâmico e vários madraçais. A cidade tem três mesquitas principais: Djingareyber, construída de barro em 1325, Sankoré et Sidi Yahia.

Tombuctu foi inscrita em 1990 na Lista do Patrimônio Mundial em Perigo.

Resumo histórico[editar | editar código-fonte]

Pix.gif Cidade Histórica de Tombuctu *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Djingareiber cour.jpg
Pátio da mesquita Djingareiber
País Mali
Critérios C (ii) (iv) (v)
Referência 119
Coordenadas 16º46'24"N 2º59'58"O
Histórico de inscrição
Inscrição 1988  (12ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

Tombuctu foi fundada cerca do ano 1100 pela sua proximidade com o rio Níger para servir às caravanas que traziam sal das minas do deserto do Saara para trocar por ouro e escravos trazidos do sul por aquele rio. Em 1330, Tombuctu fazia parte do poderoso império do Mali, que controlava o lucrativo negócio do sal por ouro em toda a região, estando ligada à cidade de Yenné através do comércio do sal, de cereais e do ouro. A sua função comercial era acompanhada de uma função militar. Dois séculos mais tarde, Tombuctu atingiu o seu apogeu sob o império Songhay, tornando-se um paraíso para os estudiosos e a capital espiritual dos finais da dinastia Mandingo Askia (1493-1591). Tombuctu, que foi habitada por muçulmanos, cristãos e judeus durante centenas de anos, foi sempre um centro de tolerância religiosa e racial. As culturas locais - songhai, tuaregue e árabe– misturaram-se, mas conservaram as suas distintas tradições. Essa idade de ouro terminou no século XVI, quando um exército marroquino destruiu o império Songhay. O domínio do comércio com África pelos navegadores europeus foi mais uma razão para o declínio de Tombuctu. O plano actual da cidade é do século XIX. Cinco bairros repartem-se no espaço urbano rodeado por uma muralha de cinco quilómetros. Nesta cidade comercial, é dada uma grande importância ao espaço dedicado aos mercados e aos lugares públicos. Uma parte da cidade de Tomboctu já caiu devido às tempestades de areia do Saara.

A desertificação e a acumulação de areia trazida pelo vento seco harmattan já destruíram a vegetação, o abastecimento em água e muitas estruturas históricas da cidade. Depois de Tombuctu ter sido inscrita na lista do Património Mundial em Perigo, a UNESCO iniciou um programa para conservar e proteger a cidade.

Centro de aprendizagem[editar | editar código-fonte]

Durante o começo do século XV, foram criadas várias instituições islâmicas. A mais famosa delas é a mesquita de Sankore, conhecida atualmente por Universidade de Sankore.

Enquanto o islamismo era praticado nas cidades, nas zonas rurais locais a maioria não seguia as tradições muçulmanas. Seus líderes eram muçulmanos, interessados no avanço econômico, ao passo que a maioria da população era de "tradicionalistas".

Universidade de Sankore[editar | editar código-fonte]

Mesquita de Sankore

No centro da comunidade escolar islâmica, a universidade de Sankore se organizava de forma diferente das escolas medievais europeias, sem uma administração central, registros de estudantes, ou cursos prescritos para estudo. Era composta, basicamente, por outras escolas ou "faculdades" independentes, cada qual com seu mestre. Os estudantes ligavam-se a um único professor e os cursos eram oferecidos em pátios abertos dentro das instalações da instituição ou em residências fechadas. As escolas dedicavam-se a ensinar o Alcorão e outros campos de conhecimento, tais como a lógica, a astronomia e a história. A venda e compra de livros chegou a ser mais lucrativa do que o comércio de ouro e escravos. Entre os melhores alunos, professores e pedagogos, estava Ahmed Baba, personagem histórico frequentemente citado no Tarikh-es-Sudan e em outros livros.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Resultats Provisoires RGPH 2009 (Région de Tombouctou) (PDF) (em francês). République de Mali. Institut National de la Statistique (2009). Página visitada em 14 de março de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]