Tommy Ramone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Tommy Ramone
Tommy Ramone em 2008
Informação geral
Nome completo Tom Erdélyi
Também conhecido(a) como Tommy
Nascimento 29 de janeiro de 1949
Origem Budapeste
País Hungria
Data de morte 11 de julho de 2014 (65 anos)
Local de morte Nova Iorque, Estados Unidos
Gênero(s) Punk rock
Instrumento(s) Bateria
guitarra
Período em atividade 1974-1999
Gravadora(s) Sire
Radioactive Records
Chrysalis
Afiliação(ões) Ramones
Uncle Monk

Tommy Ramone, nome artístico de Tom Erdélyi, depois anglinizado para Thomas Erdelyi (Budapeste, 29 de Janeiro de 1949Nova Iorque, 11 de Julho de 2014) foi um produtor e baterista. Foi o último integrante original da banda Ramones a morrer. Ele era portador de estrabismo de médio grau.

Tudo começou em 30 de janeiro de 1974. No estúdio dele, apareceu um trio (futuramente os Ramones) com o Dee Dee cantando, Joey na bateria, e Johnny na guitarra. Eram uma banda horrível, mas com um ótimo gosto, segundo Tommy Ramone. O mesmo sugeriu que Joey ficava bem entre Johnny e Dee Dee, a partir de então, fizeram testes para bateristas. Após dezenas de testes, Tommy se adaptou a um estilo de bateria inspirado em Beatles e assumiu o cargo.

Tommy Ramone compôs importantes músicas dos Ramones, como I Wanna Be Your Boyfriend e Blitzkrieg Bop.

Em 8 de outubro de 2004 voltou a tocar com o pseudônimo Ramone no "Ramones Beat Down On Cancer"

Tommy Ramone foi integrante de uma banda de Country & Folk chamada Uncle Monk, que faz turnês americanas e europeias. Tommy tocava bandolim e concertina.

Faleceu em 11 de julho de 2014 aos 65 anos de idade, vítima de câncer do duto colédoco.[1]

Referências

  1. Tommy Ramone Dies at 65; He Gave Punk Rock Its Pulse (em inglês) The New York Times (11 de julho de 2014).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]