Toninha-comum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaToninha-comum
Phocoena phocoena vanlig tumlare.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 VU pt.svg
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Cetacea
Subordem: Odontoceti
Família: Phocoenidae
Género: Phocoena
Espécie: P. phocoena
Nome binomial
Phocoena phocoena
(Linnaeus, 1758)

A toninha-comum (Phocoena phocoena) é um cetáceo da família Phocoenidae encontrado em águas temperadas frias do hemisfério norte. É um dos mamíferos mais pequenos dos oceanos. Vive perto das zonas costeiras e em estuários, sendo por isso a espécie da sua família mais familiar para os observadores de baleias. A espécie sobe frequentemente os cursos de rios, tendo sido encontrada a quilômetros do mar.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A toninha-comum é o membro mais pequeno da família das toninhas (Phocoenidae). Mede uns 67–85 cm ao nascer. Ambos os sexos medram até chegar a medir entre 1.4 m e 1.9 m. As fêmeas são mais pesadas, com um peso máximo de 76 kg comparado com os 61 kg dos machos. O seu focinho é arredondado e não muito pronunciado, ao contrário de outros cetáceos. As suas barbatanas peitorais, dorsais, caudal e as suas costas são duma cor cinza escuro. Os seus laterais são escuros com pintas cinza claro pequenas. A parte inferior é duma tonalidade mais esbranquiçada que vai do bico até a cauda.

Povoação e distribuição[editar | editar código-fonte]

As toninhas vivem nas águas mais temperadas das costas do hemisfério norte, principalmente em áreas com uma temperatura média duns 15 °C. No Oceano Atlântico, encontra-se nas costas do leste dos Estados Unidos e no outro lado do oceano, desde as costas da África ocidental até Groenlândia e Terra Nova passando pelas costas de Espanha, França, Reino Unido, Irlanda, Noruega e Islândia. No oceano Pacífico está distribuída desde o Mar do Japão, Vladivostok, o estreito de Bering, Alasca até as costas de Seattle e Vancouver. Podem-se encontrar também no mar Negro e no mar Báltico, onde as suas populações estão diminuindo.

Caça e predadores[editar | editar código-fonte]

As toninhas comuns alimentam-se maioritariamente de pequenos peixes, particularmente arenque, Mallotus villosus e espadilha. O maior mergulho da espécie registrado foi de 224 m. As crias da toninha necessitam de consumir o equivalente a 7% ou 8% do peso do seu corpo por dia para poder sobreviver. Os principais predadores das toninhas são o tubarão-branco e a orca. Estudos da Universidade de Aberdeen em Escócia descobriram que os golfinhos-roazes atacam e matam as toninhas sem as comer para diminuir a competição pelo alimento no caso de haver escassez de peixe.

Conservação[editar | editar código-fonte]

As toninhas foram tradicionalmente caçadas como alimento e para empregar a sua gordura como combustível em fontes luminosas especialmente na Dinamarca. Actualmente, porém, as toninhas já pescadas comercialmente. A sua povoação mundial é de centos de milhares de exemplares, encontrando-se parcialmente a salvo da extinção. Porém, cada ano morrem milhares de exemplares enredadas nas redes de pesca da indústria pesqueira. Este problema deu lugar ao declínio documentado das suas povoações em zonas marítimas com uma intensiva actividade pesqueira, como o mar Negro e o Báltico. Para evitar a sua morte nas redes, cientistas desenvolveram uma série de luzes penduradas nas redes com o fim de espantar as curiosas toninhas.

Referências

  • MEAD, J. G.; BROWNELL, R. L. (2005). Order Cetacea. In: WILSON, D. E.; REEDER, D. M. (Eds.) Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference. 3ª edição. Baltimore: Johns Hopkins University Press. p. 723-743.
Ícone de esboço Este artigo sobre cetáceos é um esboço relacionado ao Projeto Mamíferos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.