Torcida Organizada Os Fanáticos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Torcida Organizada Os Fanáticos
Fundação 24 de outubro de 1977 (37 anos)
Alcunhas Os Fanáticos, TOF, Caveira
Cores Vermelho e preto
Símbolo Caveira
Sede Curitiba,  Paraná
Página oficial

A Torcida Organizada Os Fanáticos (TOF) é uma torcida organizada de futebol do Clube Atlético Paranaense e seu principal símbolo e uma caveira.

História[editar | editar código-fonte]

No primeiro semestre de 1977, foi extinta a torcida ETA (Esquadrão da Torcida Atleticana). Tentando suprir a ausência, um grupo de torcedores, composto por Carlos Belotto, Marcos Mattos, Cabeça, Mauro Merlin e Nelson Rosário, formou a torcida Os Fanáticos em 24 de outubro daquele ano.[1]

Inicialmente, esses torcedores portavam algumas bandeiras e criaram uma pequena faixa com o nome que escolheram. A faixa por engano foi pintada num fundo preto com letras brancas. No estádio, encontraram outra torcida que também estava surgindo, a Torcida Jovem, com uma faixa vermelha com as letras em preto. As duas torcidas se uniram e as duas faixas fundidas: a palavra "Torcida" da faixa da Jovem foi costurada na da "Os Fanáticos", originando assim a atual Torcida Os Fanáticos.

No ano seguinte, o grupo era formado por mais de trinta membros, dentre os quais, estava a primeira mulher, Sueli. No mesmo ano, a torcida conseguiu uma sede provisória nos fundos do Ginásio que ficava ao lado do Estádio Joaquim Américo.

Em 1979, foi formalizada a escolha do primeiro presidente da torcida, sendo eleito Renato Sozzi. José Carlos Berlotto, que exercia uma chefia não-oficial até então, tornou-se líder da charanga, cujos instrumentos foram adquiridos através de doação de conselheiros no mesmo ano. Os integrantes criam uma rifa, cujo dinheiro foi utilizado na confecção de novas bandeiras, uma nova faixa e um decalque, o qual continha uma imagem feita a partir de um símbolo pirata e a frase "Atlético até a Morte". Surgia o principal símbolo da torcida Os Fanáticos: a caveira.

No ano de 1982, a torcida começou a organizar caravanas para assistir os jogos fora de Curitiba. Em 1985, aconteceu sua primeira viagem internacional, num jogo das Eliminatórias da Copa do Mundo entre Brasil e Paraguai, em Assunção. Em 1987, a Torcida Os Fanáticos foi convidada a participar do 1º Congresso de Torcidas Organizadas do Brasil. Nesta fase, o Atlético mandava seus jogos no Pinheirão.

Em 22 de maio de 1994, estreou a nova Baixada. Ao mesmo tempo a "TOF" adquiriu o terreno onde se encontra a atual sede. No ano de 1996, foi inaugurada a sede oficial.

Em 1999, realizou-se as eleições vencidas pela Chapa Ação, esta presidida por Julio Cesar Sobota (Julião), ex-vereador da cidade de Curitiba. No final do ano de 2010, por conta do seu cargo de afastou-se temporariamente da presidência da torcida, passando esta para o vice, Juliano Suk (Suk), já que o estatuto da torcida permite afastamento temporário.

Patrimônio[editar | editar código-fonte]

Sede social[editar | editar código-fonte]

A TOF possui uma sede social própria, localizada a uma quadra da Baixada. Em função de ser uma torcida muito antiga, a sede da torcida recebe um público muito diversificado atualmente, principalmente em dias de jogos, onde muitas famílias comparecem para assistir aos jogos do Atlético, principalmente quando o mesmo atua em outras cidades. As partidas são transmitidas em um telão e na tv do bar. Estes equipamentos passam ao vivo os jogos transmitidos via tv por assinatura. A sede conta também com uma loja própria, que comercializa os diversos produtos oficias da torcida; secretaria; uma "mini capela"; espaço reservado para guardar os instrumentos da bateria; espaço reservado para guardar as faixas, bandeiras e bandeirões da torcida e uma churrasqueira.

Subsede social[editar | editar código-fonte]

A TOF possui também uma subsede social, situada no Porto Belo na CIC, na região oeste da cidade de Curitiba e funciona durante a semana e em alguns sábados. Além disso, nos dias de jogos do Atlético em Curitiba, a Sub (como é referida por muitos) funciona em horário diferenciado, especialmente aos sábados e domingos. Nestes dias, a mesma serve de ponto de encontro dos membros da organizada, principalmente dos bairros da região oeste, e cidades como Araucária, Campo Largo e Campo Magro. O Comando Itatiaia, hoje aliado a Zona Oeste, é o mais antigo comando da região e um dos mais antigos da cidade criado em 1991. A sub conta com um bar; mesa de sinuca; centro comunitário de informática, muito utilizado por crianças carentes do bairro no turno inverso ao turno escolar; além da academia de artes marciais, que atualmente conta apenas com Muay thai (Equipe Caveira).

Sede campestre[editar | editar código-fonte]

A TOF dispõe de uma sede campestre, comummente referida apenas como "chácara", localizada entre os municípios de Curitiba e Fazenda Rio Grande. A exatidão da localização da mesma só é revelada para as pessoas que adquirem ingresso para os eventos realizados na mesma, como, por exemplo:

  • campeonatos de futebol e truco;
  • confraternizações entre as regiões, municípios e sócios;
  • festas de aniversário da torcida;
  • festas juninas, normalmente organizadas pelo Pelotão Feminino da torcida;

entre outros eventos.

Bateria[editar | editar código-fonte]

A bateria é uma banda formada exclusivamente por instrumentos de percussão de sons graves, médios e agudos, que são distribuídos de acordo com o mestre da bateria. Suas batidas firmes pulsam sempre no compasso binário (2/4), que é a divisão de uma unidade de tempo em duas partes iguais, um tempo forte e um tempo fraco.

A bateria da TOF possui ensaios semanais que acontecem sempre aos sábados às 17h, e são abertos à todas as pessoas.

Instrumentos da bateria da TOF[editar | editar código-fonte]

  • Surdos de 1ª,
  • Surdos de 2ª,
  • Surdos de 3ª,
  • Repique (também conhecido como repenique),
  • Caixa,
  • Chocalho.

Fim dos Comandos[editar | editar código-fonte]

Após as confusões no jogo Coritiba x Fluminense pelo Campeonato Brasileiro de 2009, o Ministério Público do Paraná, o governo do estado, a Polícia Militar, através de TACs e leis, obrigaram as torcida organizadas, a acabarem com os chamados "Comandos" ("zonas" no caso da Fanáticos), exceto o chamado Pelotão Feminino. A Fanáticos foi a 1º Torcida a acatar e obedecer as ordens, e acabou com os comandos, através de uma reunião em sua sede. Mas esta gerou confusão, pelo não entendimento das ordens superiores (TACs), e a "Zona Sul", que achou que a TOF queria o fim dos comandos e seus Sub-comandos. A Zona Sul acabou se revoltando contra a torcida, e acabou indo para a torcida Ultras do Atlético.

Aliadas[editar | editar código-fonte]

Amizades[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Fanáticos Furacão.com, acessado em 5 de novembro de 2014
Ícone de esboço Este artigo sobre Torcida é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.