Torrinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Torrinha
Bandeira de Torrinha
Brasão de Torrinha
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 7 de abril
Fundação Não disponível
Gentílico torrinhense
Prefeito(a) Thiago Rodrigo Rochiti
(2009–2012)
Localização
Localização de Torrinha
Localização de Torrinha em São Paulo
Torrinha está localizado em: Brasil
Torrinha
Localização de Torrinha no Brasil
22° 25' 33" S 48° 10' 08" O22° 25' 33" S 48° 10' 08" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Piracicaba IBGE/2008[1]
Microrregião Rio Claro IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Brotas, Dois Córregos, Santa Maria da Serra, São Pedro
Distância até a capital 239 km
Características geográficas
Área 311,172 km² [2]
População 9 330 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 29,98 hab./km²
Altitude 802 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,81 muito alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 82 109,429 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 8 881,50 IBGE/2008[5]
Página oficial

Torrinha é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 22º25'34" sul e a uma longitude 48º10'09" oeste, estando a uma altitude de 802 metros. Sua população estimada em 2008 era de 9.245 habitantes, segundo dados do IBGE.

Geografia & História[editar | editar código-fonte]

Possui uma área de 312.366 km².

A ocupação e o povoamento onde hoje localiza-se o município de Torrinha caracterizou-se pelo avanço das fronteiras de colonização do interior do país na busca por riquezas. Nos séculos XVII e XVIII essa porção do território paulista era cortada por caminhos de tropeiros e viajantes que aí faziam seu pouso. Com a necessidade de suprimentos de gêneros alimentícios, abastecimento variado e serviços de consertos, surgiram incipientes atividades comerciais e de prestação de serviço, possibilitando a fixação dos primeiros colonizadores da região e a formação de núcleos populacionais.

Esse processo de ocupação intensificou-se com a doação de sesmarias que deram forma e delinearam as grandes propriedades rurais, embriões das futuras áreas urbanas. A Lei de Terra de 1850 favoreceu a vinda de pessoas de outras regiões do país que aqui estabeleceram-se com agricultura de subsistência em áreas próximas ao pequeno arraial em formação.

Através de documentos e registros, sabe-se que algumas famílias torrinhenses já viviam aqui desde 1850. Dessa forma podemos afirmar que as famílias Fonseca Costa, Mello, Dias, Ferreira, Ferraz, Gomes, Ribeiro do Prado, Dias Ramos, Carvalho, Franco de Moraes, Souza, Barros, Teixeira, Leite, Marques, Paiva, França, Pinto, Melchert, Barbosa, Bueno são consideradas as pioneiras.

Historicamente, José Antunes de Oliveira é considerado o fundador de Torrinha, foi ele quem doou ao Bispado de São Paulo uma pequena área onde foi edificada uma capela em homenagem a São José (onde se encontra a atual matriz), considerado o padroeiro da cidade. Calcula-se que esse fato se deu por volta de 1870, ou seja, dezenove anos antes da República.

Em 1880, documentos da época, registram a chegada de Jerônimo Martins Coelho, neto do Barão de Cocais, Vindo da Borda da Mata, Minas Gerais, que aqui adquiriu grande quantidade de terras que alcançava as localidades de Santa Maria da Serra, Torrinha, Brotas e Dois Córregos. Instalou-se por muito tempo em terras onde hoje está a Usina dos Três Saltos e construiu nesta fazenda uma das primeiras Igrejas Presbiterianas do Estado.

Nesse período outras famílias foram chegando e o arraial foi adquirindo vida e com a chegada de Bento Lacerda, que era filho do Barão de Araras, Bento Lacerda Guimarães e de Dona Manuela Franco, em 1886, o pequeno arraial ganha impulso. Bento Lacerda acabara de retornar à pátria, vindo da Alemanha, onde estudara na Universidade Politécnica de Hannover, especializando-se em química e mineração. Aceitou o desafio e veio trabalhar nas terras adquiridas pelo Barão. Tornou-se uma das figuras mais importantes da história do município. A ele são atribuídas a criação do Distrito de Polícia em 1892 e Distrito de Paz em 1896.

O desenvolvimento econômico dessa região iniciou-se por volta do século XIX com a introdução da cultura açucareira. O plantio de cana-de-açúcar no município de Torrinha deve-se à sua proximidade geográfica das áreas açucareiras de Piracicaba, Araraquara e São Carlos. Entretanto as condições locais não favoreceram a permanência dessa cultura. O ciclo de cana-de-açúcar impulsionou o povoamento e a colonização, favorecendo a introdução da cultura cafeeira e estimulando a vinda dos imigrantes.

A cultura cafeeira foi introduzida no município no final do século XIX e seu desenvolvimento está associado à construção da ferrovia pela Companhia Paulista de Estradas de Ferro, inaugurada em 7 de setembro de 1886, com o nome de Estação Ferroviária de Santa Maria e posteriormente Torrinha.

A estação, hoje em processo de restauro, que está sendo desenvolvido por convênio entre as autoridades governamentais, representou a força maior no desenvolvimento da cidade que, à época, necessitava de um meio de escoamento e depósito de seu principal produto agrícola, o café, como também foi de utilidade para o transporte de passageiros entre eles os imigrantes. Conforme A Gazeta, op. cit., o deputado e jornalista Luiz Silveira, um dos ilustres torrinhenses, começou a trabalhar nesta estação, como aprendiz de telegrafista.Antônio Tito Costa é outro filho ilustre, que seguiu carreira jurídica e política.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Ribeirão Pinheirinho ou Córrego da Cachoeira

Todos os rios e córregos que cortam o município tem sua nascentes dentro do próprio município.

  • Rio Jaú

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SP-197 Rodovia Dr Américo Piva (Brotas - Torrinha)
  • SP-304 Rodovia Deputado Amauri Barroso de Sousa (Jaú até Torrinha)
  • SP-304 Sem Nome (Torrinha - Santa Maria da Serra)
  • Estrada vicinal Cezarino Mariano que liga Torrinha ao Bairro Paraíso.

Administração[editar | editar código-fonte]

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

O município pertence à Diocese de São Carlos.

O padroeiro é São José, comemorado no dia 19 de março.

Igreja matriz São José

Santuário de Nossa Senhora Aparecida

Capela de Santo Antônio

Mosteiro da Apresentação do Senhor - Bairro do Paraíso

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

1.A Gazeta (São Paulo), “Aprendiz de telegrafia, professor e jornalista”, A Gazeta- São Paulo-pág.28, 25 de julho de 1957.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]