Três Anéis Élficos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Os Três Anéis Élficos, também chamados de Os Três, fazem parte da obra de Tolkien.

A forja dos Três começou em 1500 pelos ferreiros dos Noldor de Eregion, sob a influência e orientação de Sauron, que na época ainda mantinha escondida suas maléficas intenções.

Muitos Anéis do Poder foram feitos pelos elfos, mas Os Três foram feitos unicamente por Celebrimbor, que concluiu a tarefa em 1590. Esses três eram os de maior poder, e os que Sauron mais queria.

Entretanto, Sauron jamais maculou Os Três, pois estes foram entregues aos Sábios quando os planos de Sauron foram descobertos, e não foram mais abertamente usados até o fim da Terceira Era.

Os Três Anéis Élficos são os seguintes:

  • Narya: Pertenceu a Círdan dos Portos, mas, sabendo de onde Gandalf ou Mithrandir vinha e para onde retornaria, entregou o Anel a ele. O anel que agora Gandalf guardava era Narya, o Grande, o Anel de Fogo, capaz de acender o coração dos povos da Terra-média. O Anel ostentava um rubi.
  • Nenya: Pertencia a Galadriel, e feito de Mithril com um brilhante diamante, o Anel da Água tinha o poder de manter belos os jardins de Lothlórien, o reino da Senhora Galadriel, e de retardar o envelhecimento do mundo.
  • Vilya: Pertencia a Gil-Galad, mas antes de morrer entregou-o a Elrond Meio-elfo. O Anel do Ar era o mais poderoso d'Os Três e ostentava uma Safira. Era usado também para proteger Valfenda, e acredita-se que foi com sua ajuda que Elrond fez a inundação do rio e salvou Frodo dos Nazgûl.


Ver também[editar | editar código-fonte]