Tríades galesas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Série sobre
Mitologia celta
Coventina

Politeísmo celta
Divindades celtas

Mitologia gaélica

Mitologia irlandesa
Mitologia escocesa
Mitologia hébrida
Tuatha Dé Danann
Ciclo mitológico
Ciclo do Ulster
Ciclo Feniano

Mitologia britânica

Religião britânica da Idade do Ferro
Mitologia britânica
Mitologia galesa
Mitologia bretã
Mabinogion
Livro de Taliesin
Trioedd Ynys Prydein

Vocações religiosas

Druidas · Bardos · Ovados

Festivais

Samhain, Calan Gaeaf
Imbolc, Gŵyl Fair
Beltane, Calan Mai
Lughnasadh, Calan Awst

Artigos relacionados

As Tríades galesas (em galês: Trioedd Ynys Prydein), literalmente "Tríades da Ilha da Britânia") são um grupo de textos relacionados em manuscritos medievais, que preservam fragmentos do folclore, da mitologia e da história tradicional galesa em grupos de três. A tríade é uma forma retórica pela qual os assuntos são agrupados em grupos de três, com um título que indica o ponto de semelhança. Por exemplo, "Três coisas não facilmente contidas, o fluxo de uma corrente, o vôo de uma flecha, e a língua de um tolo".[1]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Os textos incluem referências ao Rei Artur e a outros personagens semi-históricos da Britânia pós-romana, figuras míticas como Bran, o Abençoado, inegavelmente personagens históricos, como Alano IV, duque da Bretanha (que é chamado de Alan Fyrgan) e até mesmo personagens da Idade do Ferro como Cassivelauno e Carataco.

Algumas tríades simplesmente fornecem uma lista de três personagens com algo em comum (como "os três bardos frívolos da ilha da Britânia"[2] ), enquanto outros incluem explicações narrativas substanciais. A forma tríade provavelmente se originou entre os bardos ou poetas galeses como uma forma de ajuda mnemônica na composição de seus poemas e histórias, e mais tarde tornou-se um dispositivo retórico da literatura galesa. O conto medieval galês, Culhwch e Olwen, tem muitas tríades embutidas em sua narrativa.

Manuscritos importantes[editar | editar código-fonte]

A coleção mais antiga das Tríades galesas está ligada ao manuscrito Peniarth 16, atualmente na Biblioteca Nacional do País de Gales, que foi datada do terceiro trimestre do século XIII e que contém 46 das 86 tríades editadas por Rachel Bromwich. Outros manuscritos importantes incluem o Peniarth 45 (escrito aproximadamente em 1275), e o par Livro Branco de Rhydderch (em galês: Llyfr Gwyn Rhydderch) e o Livro Vermelho de Hergest (em galês: Llyfr Coch Hergest), que compartilham uma versão comum totalmente diferente da versão das coleções nos manuscritos Peniarth.

Coleções posteriores[editar | editar código-fonte]

O antiquário galês do século XVIII, Iolo Morganwg, compilou uma coleção de tríades, que ele alegou ter tomado de sua própria coleção de manuscritos. Algumas de suas tríades são semelhantes àquelas encontradas nos manuscritos medievais, mas algumas são exclusivas de Morganwg, e são amplamente acreditado serem produtos de sua própria invenção.

Notas

  1. Lloyd, John Edward (1911), "Note to the Historical Triads", A History of Wales from the Earliest Times to the Edwardian Conquest, I (Second ed.), Londres: Longmans, Green, and Co. (publicado em 1912), p. 122, http://books.google.com/books?id=NYwNAAAAIAAJ&pg=PA122 
  2. Alan Lupack, "The Oxford guide to Arthurian literature and legend", Oxford University Press, 2007, ISBN 019921509X, p.21

Referências

  • Rachel Bromwich, editora e tradutora. Trioedd Ynys Prydein: The Welsh Triads. Cardiff: University of Wales Press, Second Edition 1978. ISBN 0-7083-0690-X
  • Rachel Bromwich, editora e tradutora. Trioedd Ynys Prydein: The Welsh Triads. Cardiff: University of Wales Press, Third Edition, 2006. ISBN 0-7083-1386-8
  • W. Probert (tradutor) (1977), Iolo Morganwg, The Triads of Britain

Ligações externas[editar | editar código-fonte]