Tradição judaico-cristã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Jacó lutando com o anjo de Gustave Doré (1832-1883 uma história judaico-cristã).

Tradição judaico-cristã ou somente judaico-cristianismo é um termo genérico usado para caracterizar o conjunto de crenças em comum do judaísmo e o cristianismo, bem como a herança das tradições judaicas herdadas pelos cristãos. Este termo é apropriado para caracterizar, como principal fonte doutrinária das crenças judaicas e cristãs, com o conjunto de livros composto pelo Velho Testamento e do Novo Testamento.

Significados múltiplos[editar | editar código-fonte]

O termo tradição judaico-cristã, ou somente judaico-cristianismo, foi usado primeiramente pelo Oxford English Dictionary, edições de 1899 e 1910, respectivamente, ambas discutindo as origens do cristianismo. Portanto, "judaico-cristão" significaria as crenças cristãs primitivas, que seriam ainda uma continuação do judaísmo pregado pelos judeus. .[1] O significado atual foi usado pela primeira vez em 27 de julho de 1939 pela New English Weekly.[2]

O termo ganhou popularidade mais particularmente na esfera política a partir da década de 1920 e 1930, promovido por grupos liberais, que evoluíram para a Conferência Nacional de cristãos e judeus, aliados na luta contra o anti-semitismo por expressar uma ideia mais abrangente dos Estados Unidos da América do que a retórica anteriormente dominante da nação como um país especificamente cristão.[3] [4] Em 1952 o presidente eleito Dwight Eisenhower falou que o "conceito judaico-cristão" é a fé sobre a qual "o nosso (...) governo ... é fundado ".[5]

Base de um conceito comum das duas religiões[editar | editar código-fonte]

Apoiantes do conceito judaico-cristão e a reivindicação que cristianismo é o herdeiro do judaísmo, e que toda a lógica do cristianismo como uma religião baseia-se no fato que ela foi construída sobre o judaísmo. A maior parte da Bíblia cristã é, na verdade, o Tanakh judaico, embora em ordem diferente, sendo utilizado como material de ensino moral e espiritual de todo o mundo cristão. Os profetas, patriarcas e heróis das escrituras judaicas são também conhecidos no cristianismo, que utilizam o texto judaico como base para a sua compreensão da dervene da história judaico-cristã, e de figuras como Abraão, Elias e Moisés. Como resultado, grande parte dos ensinamentos judaicos e cristãos são baseados em um texto em comum.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Dois livros notáveis abordaram as relações entre o judaísmo e o cristianismo contemporâneo, “Where Judaism Differs” de Abba Hillel Silver e “Judaism and Christianity” de Leo Baeck, ambos motivados pelo desejo de esclarecer as relações inter-religiosas "em um mundo onde o termo judaico-cristão tinha obscurecido diferenças essenciais entre as duas religiões." [6] Reagindo contra a ofuscação das diferenças teológicas, o rabino Eliezer Berkovits escreveu que "o judaísmo é judaísmo porque rejeita o cristianismo, e o cristianismo é cristianismo porque rejeita o judaísmo".[7] O teólogo e romancista Arthur A. Cohen, em “The Myth of the Judeo–Christian Tradition”, questionou a validade teológica da herança judaico-cristã, e sugeriu que era essencialmente uma invenção das relações ecumênicas e políticas, enquanto Jacob Neusner, em “Jews and Christians: The Myth of a Common Tradition” escreve que “as duas fés são direcionadas para pessoas diferentes falando sobre coisas diferentes (...)".[8]

O professor de direito Stephen M. Feldman questiona a validade da tradição judaico-cristã:

"Uma vez que se reconhece que o Cristianismo tem historicamente enraizado o anti-semitismo (...). Para os cristãos, o conceito de uma tradição judaico-cristã confortavelmente sugere que o judaísmo progride no cristianismo - que o judaísmo é algo concluído no cristianismo. O conceito de fluxos de tradição judaico-cristã a partir da teologia cristã ensina, que a Aliança Cristã (ou Testamento) com Deus substitui a Aliança judaica. O cristianismo, de acordo com este mito, reforma e substitui o judaísmo. O mito, portanto, implica, em primeiro lugar, que o judaísmo necessita de reforma e substituição, e, segundo, que o judaísmo moderno permanece apenas como uma "relíquia". O mais importante é que o mito da tradição judaico-cristã insidiosamente obscurece as diferenças reais e significativas entre o judaísmo e o cristianismo ".[9]

Judaico-cristão-muçulmano[editar | editar código-fonte]

O filósofo esloveno Slavoj Zizek alegou que o termo judaico-muçulmano para descrever a cultura do Oriente Médio contra a cultura cristã ocidental seria mais adequado atualmente,[10] afirmando que uma influência da cultura judaica no mundo ocidental foi minimizada devido à perseguição e à exclusão histórica da minoria judaica. (Embora haja também uma perspectiva diferente sobre a contribuição judaica e sua influência[11] ). O conceito de tradição Judaico-cristã-muçulmana refere-se, assim, às três principais religiões monoteístas, vulgarmente conhecidas como a religiões abraâmicas. O intercâmbio formal entre as três religiões, modelado através do diálogo inter-grupos, tornou-se comum com a globalização.

Referências

  1. Judæo-, Judeo- in the Oxford English Dictionary, Second Edition. Accessed online 2008-07-21
  2. See Peter Novick: Holocaust in American Life
  3. Mark Silk (1984), Notes on the Judeo–Christian Tradition in America, American Quarterly 36(1), 65-85
  4. Sarna, 2004, p.266
  5. Dwight D. Eisenhower, speech to the Freedoms Foundation in New York. "Our sense of government has no sense unless it is founded in a deeply religious faith, and I don't care what it is. With us of course it is the Judeo–Christian concept, but it must be a religion that all men are created equal." Quoted by Silk (1984).
  6. Sarna, Jonathan. American Judaism, A History. Yale University Press, 2004. p281
  7. Disputation and Dialogue: Readings in the Jewish Christian Encounter, Ed. F.E. Talmage, Ktav, 1975, p. 291.
  8. Jacob Neusner (1990), Jews and Christians: The Myth of a Common Tradition. New York and London: Trinity Press International and SCM Press. p. 28
  9. Stephen M. Feldman (1998), Please Don't Wish Me a Merry Christmas: A Critical History of the Separation of Church and State
  10. Slavoj Zizek—A Glance into the Archives of Islam
  11. Jewish Nobel Prize winners. Jinfo.org.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.