Transe (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Transe (2006) é um filme português de Teresa Villaverde, uma longa-metragem de ficção que explora o tema da imigração dos países de leste para a Europa, segundo a dolorosa experiência de uma jovem que procura em vão uma vida mais digna.

Trata-se de uma obra intimista cuja atmosfera é criada por elipses subtis que lhe conferem uma forte carga poética. Será porventura uma das obras marcantes da nova geração de cineastas dos anos noventa, que foram formados na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa (ver anos 1990 do artigo Cinema de Portugal).

O filme, uma co-produção entre Portugal, França e Itália, estreia a 5 de Outubro de 2006

Ficha sumária[editar | editar código-fonte]

  • Argumento: Teresa Villaverde
  • Realização: Tereza Villaverde
  • Produção: Clap Filmes (Portugal), Gemini Films (França), Revolver SRL (Itália)
  • Produtor: Paulo Branco
  • Actor principal: Ana Moreira
  • Formato: 35 mm cor – dolby SR
  • Género: ficção (drama)
  • Duração: 126’
  • Estreia: 5 de Outubro de 2006

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Sónia, uma jovem de vinte e poucos anos, abandona o amigo e família, em São Petersburgo, na Rússia, e decide partir sem olhar para trás. Vai conhecer a ilusão de quem busca vida nova e o inferno daqueles a quem a vida parece nada ter para dar.

Percorre a sua via-sacra, Europa fora, atravessando todo o continente, primeiro a Alemanha, depois a Itália, acabando no extremo oposto, em Portugal.

Sónia vai conhecer a miséria e degradação que o tráfico e a exploração dos mais fracos provoca, em particular no caso da mulher. Conta o filme a história de uma Europa mal conhecida segundo as vivências de uma jovem sensível que, para viver, tem de se prostituir.

Estética[editar | editar código-fonte]

Construído em lenta sucessão de planos-sequência (ver plano-sequência) cuidadosamente desenhados e encenados em décors tratados como pinturas, é mais pela imagem que pela narrativa que a intensidade dramática, envolvente, domina. De uma ponta a outra do filme, impera a dor que assola, sem descanso, a protagonista, em cujo rosto se exprime o estado de alma de uma mulher permanentemente violada e sem esperança, percorrendo um universo implacável em que o trauma, a exploração e a violência dominam. O longo calvário de Sónia revela uma visão pessimista do mundo, um universo de trevas em que não se vislumbra um sorriso, o mínimo sinal de bem querença, o mais leve vestígio de alegria. O desempenho de quem a representa é intenso, tocante e verosímil. O negro manto que cobre toda a história que se conta, em particular quando a protagonista “aqui” chega, assombra a verosimilhança que se procura. Sobressai a delicadeza no tratamento da dor e da injustiça, da fragilidade humana.

Ficha artística[editar | editar código-fonte]

  • Ana Moreira (Sónia)
  • Viktor Rakov
  • Robinson Stévenin
  • Iaia Forte
  • Andrey Chadov
  • Tim
  • Filippo Timi
  • Dinara Droukarova

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

  • Argumento: Teresa Villaverde
  • Realização: Teresa Villaverde
  • Assistente de realização: Paulo Belém
  • Produção: Clap Filmes (Portugal), Gemini Films (França), Revolver SRL (Itália)
  • Produtor: Paulo Branco
  • Director de produção: Nicolas Picard
  • Director de fotografia: João Ribeiro
  • Montagem: Andrée Davanture
  • Som : Murielle Damain, Vasco Pimentel, Jöel Rangon
  • Decoração: Zé Branco
  • Figurinos: Silvia Grabowski

Festivais[editar | editar código-fonte]

  • Festival de Cannes, 2006 (Quinzena dos Realizadores)
  • Toronto International Film Festival, Canadá (2006) – Contemporary World Cinema
  • Festival Internacional de Cine de Cataluña, Espanha (2006) – Seven Chances
  • 30ª Mostra de Cinema de São Paulo, 2006
  • Festival de Sevilha, Espanha (2006)
  • Cinema Tout Ecran, Suiça (2006)
  • CinePort-Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa, Brasil (2006)
  • Film Festival Rotterdam, Holanda (2007)
  • Festival Internacional del Cine en Guadalajara, México (2007)
  • Festival Internacional de Cine de Las Palmas, Canárias (2007)
  • Crossing Europe Film Festival, Áustria (2007)
  • MICEC-Mostra Internacional de Cinema Contemporâneo Europeu, Espanha (2007)
  • Durban International Film Festival, África do Sul (2007)
  • Festival de Inverno de Petrópolis, Brasil (2007)
  • Eurocine 27 – Cinemas UGC, (2007)
  • Serbian Film Festival, (2007) – Grande Prémio Eurimages
  • 12º Festival Uçan Süpürge, Ancara, Turquia, 8 e 11 de Maio 2009, prémio FRIPRESCI

Sessões especiais[editar | editar código-fonte]

  • RTP2, 03 de Julho 2010, 22h 40
  • RTP2, 30 de Abril 2011, 00h30

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


  • Transe em Cinema 2000
  • Transe – em Gonn 1000 (blog)
  • Transe – em FM
  • Transe – em Espaço de Crítica Artística (blog)

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme do cinema português é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.