Transferrina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
editar
Transferrina

PDB 1a8e.
Estruturas disponíveis
PDB Busca de ortólogos: PDBe, RCSB
Identificadores
Símbolos TF; PRO1557; PRO2086; TFQTL1
ID externos OMIM: 190000 MGI98821 HomoloGene68153 ChEMBL: 4865 GeneCards: TF Gene
Padrões de expressão do ARN
PBB GE TF 203400 s at tn.png
PBB GE TF 214063 s at tn.png
Mais dados de expressão
Ortólogos
Espécies Humano Rato
Entrez 7018 22041
Ensembl ENSG00000091513 ENSMUSG00000032554
UniProt P02787 Q921I1
RefSeq (mRNA) NM_001063.3 NM_133977.2
RefSeq (proteína) NP_001054.1 NP_598738.1
Localização (UCSC) Chr 3:
133.46 – 133.5 Mb
Chr 9:
103.2 – 103.23 Mb
Busca PubMed [1] [2]
Transferrina
Indicadores
Símbolo TF
Símbolos alt. PRO1557, PRO2086
Entrez 7018
RefSeq NM_001063

Transferrina ou siderofilina é uma glicoproteína (proteínas modificadas por ligações covalentes a hidratos de carbono) plasmática do sangue que transporta o ferro. Sua função fundamental é ceder ferro às células da medula, baço, fígado e músculo.[1] Grande parte é sintetizada pelo fígado, mas existem outros locais de síntese.[2]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

Massa Molecular = 80KDa.

A transferrina é uma proteína de transporte e carreia o ferro no plasma e no líquido extracelular para suprir as necessidades teciduais. A ligação com o ferro é estável em condições fisiológicas, mas a dissociação pode ocorrer em meio ácido. É capaz de se ligar a outros elementos, como cobre, zinco, cobalto e cálcio, mas, com exceção da ligação ao cobre, não há significado fisiológico.

Aumenta na gravidez e nas anemias hemorrágicas. Diminui em quadros de câncer, uremia, infecções e síndrome nefrótica.[3]

Função[editar | editar código-fonte]

É responsável pelo transporte do ferro do seu sítio de absorção no nível intestinal ou nos sítios de catabolismo da hemoglobina para os precursores de células vermelhas na medula óssea ou para os sítios de estocagem de ferro no sistema reticuloendotelial na medula óssea, no fígado e no baço.

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Hershberger CL, Larson JL, Arnold B, et al.. (1992). "A cloned gene for human transferrin". Ann. N. Y. Acad. Sci. 646: 140–54 pp.. DOI:10.1111/j.1749-6632.1991.tb18573.x. PMID 1809186.
  • Bowman BH, Yang FM, Adrian GS. (1989). "Transferrin: evolution and genetic regulation of expression". Adv. Genet. 25: 1–38 pp.. DOI:10.1016/S0065-2660(08)60457-5. PMID 3057819.
  • Parkkinen J, von Bonsdorff L, Ebeling F, Sahlstedt L. (2003). "Function and therapeutic development of apotransferrin". Vox Sang. 83 (Suppl 1): 321–6 pp.. PMID 12617162.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. SALVADOR, Mirian. HENRIQUES, João A. P. Radicais livres e a resposta celular ao estresse oxidativo. Canoas: Ulbra, 2004. pag. 118
  2. SUARDÍAZ, Jorge. et. al. Laboratorio Clinico. La Habana: Editorial Ciências Médicas, 2004
  3. Manual Normon. Sétima edição

Wiki letter w.svg Este artigo sobre biologia é mínimo. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.