Translação da Terra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A translação da Terra é o movimento que a Terra realiza ao redor do Sol a uma distância aproximada de 1 unidade astronômica, ou 149.597.870.700 metros[1] . Uma translação completa ao redor do Sol leva 1 ano sideral ou 365,256363 dias solares[2] [3] a uma velocidade orbital média de 29,78 km/s[4] . A trajetória realizada pela Terra durante a translação descreve uma órbita elíptica[5] de excentricidade 0,0167 e semieixo maior com 149,6 milhões de quilômetros[4] .

História[editar | editar código-fonte]

Diagrama mostra o movimento retrógrado de Marte para um observador na Terra

A primeira teoria com prestígio universal a propor o Sol como centro do sistema solar é o heliocentrismo, proposto por Nicolau Copérnico[6] na sua publicação De revolutionibus orbium coelestium de 1543[7] . A teoria heliocêntrica tomou o lugar do modelo geocêntrico proposto por volta do ano 150 por Ptolomeu; que por mais de milênio vigorou soberano no intuito de explicar o movimento retrógrado dos planetas observados da terra, entre outros por ter sido incorporado aos dogmas e defendido pela Igreja Católica. O modelo heliocêntrico, que passou a vigorar já na geração seguinte à Galileu e seu julgamento, resolve esta questão de forma mais simples e fisicamente mais realista - sem considerar os epiciclos e deferentes do modelo ultrapassado - argumentando que o movimento complexo dos demais planetas quando observados da Terra é apenas aparente aos observadores e não resultante das órbitas dos planetas em si[8] .

Estações do ano[editar | editar código-fonte]

Diagrama das estações vistas de um observador olhando a partir do sul geográfico. Na extrema esquerda está ocorrendo o solstício de Junho

O movimento de translação associado a inclinação do eixo de rotação da Terra leva a ocorrência das estações do ano. Um observador sobre a superfície da Terra nota que ao longo do ano a trajetória do Sol no céu varia, proporcionando dias mais longos com clima mais quente no verão ou dias mais curtos com clima mais ameno no inverno.

As regiões próximas ao equador possuem dias de duração mais uniforme ao longo do ano com doze horas de dia e doze horas de noite. Na região tropical delimitada pelo trópico de Capricórnio e pelo trópico de Câncer o Sol passa pelo zênite duas vezes ao ano, exceto sobre os próprios trópicos em que há apenas uma passagem.

O fenômeno das estações torna-se mais acentuado na medida em que nos aproximamos das regiões polares. Nas regiões temperadas mais ao norte do trópico de Câncer e mais ao sul do trópico de Capricórnio o Sol nunca atinge o zênite em qualquer época do ano. Nas regiões mais ao norte do círculo polar ártico e mais ao sul do círculo polar antártico o Sol está sempre acima do horizonte durante o verão e sempre abaixo do horizonte no inverno[9] .

Duração do ano[editar | editar código-fonte]

A duração do ano para o calendário gregoriano não é baseada no tempo de translação mas sim no ano trópico, medido de solstício a solstício[10] . Devido a precessão dos equinócios o ano trópico é um pouco mais curto que o ano sideral[3] .

Periélio e afélio[editar | editar código-fonte]

Como a órbita que a Terra descreve em seu movimento de translação tem formato de elipse há momentos de maior aproximação e maior afastamento do Sol. Apesar da distância variar os efeitos acabam passando desapercebidos por não provocarem mudanças como as estações[10] . Os momentos de maior aproximação e maior afastamento variam de acordo com a posição do baricentro do sistema Terra - Lua[11] . A tabela a seguir descreve a data dos próximos periélios e afélios[12] .

Ano Periélio Afélio
2012 5 de janeiro 5 de julho
2013 2 de janeiro 5 de julho
2014 4 de janeiro 4 de julho
2015 4 de janeiro 6 de julho
2016 2 de janeiro 4 de julho
2017 4 de janeiro 3 de julho
2018 3 de janeiro 6 de julho

Referências

  1. Nola Taylor Redd (24 de setembro de 2012). Earth-Sun Distance Measurement Redefined Space.com. Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  2. Eric W. Weisstein. Sideral Year Eric Wiesstein's World of Science. Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  3. a b Medidas de Tempo Departamento de Astronomia da UFRGS (3 de setembro de 2012). Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  4. a b David R. Williams (1 de julho de 2013). Earth Fact Sheet NASA National Space Science Data Center. Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  5. Jerry Coffey (30 de março de 2010). Earth’s Orbit Around The Sun Universe Today. Página visitada em 21 de setembro de 2013.
  6. Heliocentric Model Universe Today (22 de junho de 2009). Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  7. De revolutionibus orbium caelestium The University of Sydney Library. Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  8. Movimento dos Planetas Departamento de Astronomia da UFRGS (21 de agosto de 2006). Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  9. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano Departamento de Astronomia da UFRGS (28 de março de 2012). Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  10. a b The Seasons and the Earth's Orbit U.S. Naval Observatory (14 de junho de 2011). Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  11. Variation in Times of Perihelion and Aphelion U.S. Naval Observatory (11 de agosto de 2011). Página visitada em 20 de setembro de 2013.
  12. Earth's Seasons U.S. Naval Observatory (14 de fevereiro de 2013). Página visitada em 20 de setembro de 2013.