Transmídia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Transmídia é comumente confundida como uma simples estratégia de Marketing. Entretanto, acompanha: (1) a criação de novos dispositivos, como leitores de e-books e celulares com Tv digital, os quais são estruturados por uma mesma tecnologia, a Tecnologia Digital; (2) uma Cultura da Convergência, na qual os interatores se engajam nestes distintos meios para procurar mais informações a respeito de uma determinada história; (3) um estudo específico sobre Narrativas. Transmídia é uma tipologia de Narrativa pós-clássica estudada pela Narratologia Trasmidiática.


Detalhamento[editar | editar código-fonte]

Com a popularização da telefonia móvel, os preços cada vez mais acessíveis dos dispositivos eletrônicos de acesso a informações via internet e o fato de termos um número crescente de dispositivos convergindo entre si, ou seja, cada vez mais dispositivos agregando tarefas de outros, está se tornando cada vez mais fácil para corporações de diferentes portes transmitirem suas informações para o grande público, gerando assim uma guerra para ver quem 'grita mais alto', bem como o crescente apelo pela atenção do público, este que vem sendo cada vez mais bombardeado com diversos segmentos de conteúdos.

Mas o número excessivo de conteúdo (spam, banners, outdoors, panfletos, etc.), junto com o acesso cada vez mais fácil a informações juntamente à evolução natural da mentalidade e cultura humana, está fazendo com que os consumidores sejam cada vez menos receptivos a essas formas tradicionais de informações. Sendo que muitos não aceitam mais serem condicionados a terem de ver informações das corporações que eles não desejem. Com as novas tecnologias, os consumidores ganham a possibilidade de interagir diretamente no fluxo de informações que ele vai ver, diferente da TV onde muitas vezes as informações seguem um fluxo fixo de exibição.

Nesse cenário as corporações se veem obrigadas a encontrar formatos diferentes para transmitir as suas informações de forma que consigam atrair a atenção do seu publico de interesse. Elas agora precisam inovar e utilizar das tecnologias atuais para gerar modelos nos quais o publico queira ver o seu conteúdo e não apenas querer ver mais se tornar um canal para transmitir essas informações para outros do seu meio. Pois com a convergência das tecnologias as pessoas e dispositivos estão cada vez mais interligados, fazendo os usuários ganharem um importante papel de transmissor das mensagens das corporações.

Diante da busca de um modelo para cumprir esse objetivo, muitas corporações recorrem a um modelo já ha muito utilizado pela indústria do entretenimento chamado transmídia. Elas entendem que, dentro da perspectiva da transmídia, é possível tentar garantir um novo modelo de comunicação, onde os consumidores passariam a ser seus próprios veículos de comunicação, bem como passariam a deter o controle sobre o que ver e quando ver.

A princípio, essa liberdade pode parecer assustadora para as empresas, mas podemos notar através de resultados de pesquisas cientificas que as novas gerações de consumidores muitas vezes não fazem um ligação direta entra conteúdo e canal, como disse Pedro Tourinho (diretor de criação e conteúdo da New Content) em sua palestra durante a quinta reunião de 2011 do Comitê Aberje de Comunicação Digital em São Paulo: "A convergência paradoxalmente libertou o conteúdo dos formatos". Por tanto os consumidores mudaram. Agora eles querem liberdade em suas escolhas, estão interligados e elas e não mais aceitam serem obrigados a verem as informações. Logo, essa mudança era esperada.

Mas transmídia é muito mais do que apenas essa comunicação bilateral entre fabricante e consumidor. Assim como vemos no entretenimento, através de seus conceitos as corporações começaram a obter informações que eram veiculadas para uma determinada mídia e transmutar para outro tipo de mídia.

Então as empresas começaram a obter conteúdo de outras mídias, mesmo de mídias com fluxo de informações um pouco mais enriquecido como a televisão e os impressos (enriquecido no sentido do consumidor muitas vezes não conseguir, de fato, interagir com ela) e misturadas a outras mídias de alta interatividade e vice versa. Assim as mesmas informações são fabricadas para várias plataformas, como celular, internet, livro, televisão. Sendo que muitas vezes essas informações acabam sendo demasiado grandes, pois muitas vezes elas são contadas em várias partes, cada uma em uma mídia diferente.

Essas informações funcionam bem separadas, mas se juntá-las, acabam formando um conjunto de informações maior que nos é transmitido. Então o consumidor vê porque comprar um produto ou um serviço na televisão, vê outros objetivos na internet (junto com opiniões de outros consumidores) e assim por diante em cada mídia que a informação é transmitida. Pois se o consumidor captar as informações em uma só mídia, ele vai entender perfeitamente, mas se ele a captar em mais mídias, essas informações vão se unir, como se fossem peças de um quebra-cabeça e vão passar uma mensagem mais completa ao consumidor.

Nós podemos pegar vários exemplo de empresa que utilizam esses conceitos para divulgar as suas informações, como por exemplo:

  • O seriado The Walking Dead, nele nós temos comercias de televisão com trechos da serie; temos vários veículos modificados, para parecerem estarem em situação precária e muitas vezes com varias partes(falsas) de corpos de pessoas mortas dependuras pelas latarias do veiculo, circulando pelas cidades dos Estados Unidos da Américas; temos varias pessoas fantasiadas de zumbi perambulando por cidades alvo para a seria e inclusive invadindo locais públicos como cinema;
  • Os comerciais do canal de televisão TNT-HD, onde temos pessoas encenando cenas de filmes e series em plenas ruas de Flamenga na Bélgica, onde eles dispuseram um botão vermelho no meio da cidade escrito “Push to add drama”. Quando alguém tem a curiosidade de pressionar o botão, vários acontecimentos com seqüências desesperadoras começam e assustam o público.
  • No Brasil nós temos a Rede Globo de televisão, ela tem até um núcleo especializado em transmídia;
  • Temos o Heros, que era um seria de super-heróis e nela tinha um personagem que era um quadrinista, dentro da história da serie ele criava um quadrinha e este via para internet como um produto para venda. Após isso essas historias foram patrocinadas pela Nissan e as mesma inseriu sua marca dentro das histórias em quadrinho;

A transmídia vem então como um artifício que as empresas pegaram para conseguir entrar com produtos em outras mídias sem que os consumidores a vissem como propagandas agressivas que saltam aos nossos olhos tentando nos obrigar a velas, como um merchandagem ou um banner que fica pulando na tela do nosso computador.

Basicamente a transmidia é criar um conteúdo, trabalhando desde a sua origem para que o mesmo ganhe vida própria em varias mídias diferente. Fazendo um cruzamento entre as mídias desejadas, sejam elas tradicionais como a televisão e o rádio e as mais recentes, como a internet e os dispositivos moveis de comunicação (celulares, tablets, etc.).

Sendo que nós temos a internet como grande uns dos grandes senão a maior impulsionadora da transmídia, assim como diz Fernando Medin (presidente da Discovery no Brasil) “...O conceito [da transmídia] já existia, mas com a internet ganhou força".

A internet é o grande meio que auxilia na comunicação e conseqüente interligação entre os dispositivos, fazendo com que as pessoas consigam trocar facilmente informações entre si. Fazendo com que a pessoas se tornem potenciais veículos de transmissão de mídias, e com o advento da redes sócias essa realidade se tornou cada vez mais obvia, onde temos um cenário em que as pessoas passaram a elas mesma divulgarem as informações para sua redes de amigos. Para as empresas essas nova visão pode ser bom e ruim, uma vez que nem sempre as pessoas vão passar as informações de maneira positiva, e do mesmo modo que elas podem disseminar informações da empresa, elas também podem divulgar informações dos consumidores insatisfeitos, fazendo com que possíveis novos consumidores fiquem com receio de adquirir os produtos dessa empresa.

Podemos pegar um exemplo recente sobre isso, onde vários consumidores as batata rufles, postaram reclamações sobre vir muito ar dentro dos pacotes da mesma e esse proposto teve tanta repercussão e envolveu tantas pessoas, que a Elma Chips se viu obrigada a posta nas redes sociais um informativo explicando o porque de ter tanto ar no pacote da batata. Esse também é um belo exemplo do uso dos conceitos da transmídia para sanar um possível problema que uma empresa estava tendo com seus consumidores.

Por outro lado, as informações positivas que esses usuários divulgam para as suas listas de amigos nas redes sociais, acabam agregando mais valor às informações que estão sendo divulgadas. Fazendo com que essas se diferenciem das outras informações do mesmo tema divulgadas nas outras mídias. Pois tem uma grande diferença quando uma empresa te mandar um propaganda e fala que varias pessoas estão gostando do produto em questão para quando um amigo que usar o produtos lhe mandar uma propagando da empresa e fala que ele é bom.

Outro fator que esta ajudando a utilização dos conceitos da transmídia é o fato da constante modernização das IA(inteligências artificial) dos buscadores e agregadores de conteúdos. Com isso as busca se tornar cada vez mais customizadas para usuário, fazendo com que as informações e publicidade que cheguem até ele sejam cada vez mais relevantes. E isso aumenta muito a aceitabilidade das informações pelos usuários, pois elas se tornam cada vez menos desagradáveis aos olhos deles, por estarem cada vez mais dentro da gama de conteúdos que lhe são interessantes.

Com isso temos um deslinearidade nas informações que são apresentadas aos usuários, sendo que agora o fluxo das informações esta evoluindo para um modelo mais complexo do que o linear (como a televisão) para um modelo multidimensional, onde temos informações em diversas mídias e mesmo um uma mídia a informação é mostrado conforma a vontade a as escolhas anteriores dos usuários.

Esta integração e interatividade proporciona ao consumidor a possibilidade de desfrutar das informações em vários níveis diferentes e a estar se imergindo muito mais no que lhe é passado e isso tudo de forma harmônica, sem fazer o consumidor se sentir coagido e manipulado a ver aquelas informações. Ao invés deles só verem os produtos na televisão ou no panfleto impresso, agora eles podem os manipular digitalmente na internet, podem compartilha informações sobre eles nas redes sociais, podem se comunicar diretamente com os fabricante via homepage e VOIP(tecnologia de telefonia sobre IP), logo os fabricante tem muitas mais artifícios para convencerem os consumidores de que os seus produtos são bons e os consumidores acabam ficando mais seguro sobre suas compras e escolhas.

Mas esse conceito também oferece grandes oportunidades para pequenas empresas e para o comercio em geral, com diz a Lisette Vitter, NM Analista Incite - NY "... Transmídia Storytelling permitirá que os profissionais de marketing atinjam segmentos-alvo de todos os ângulos. Algumas marcas já utilizam Facebook e Twitter, mas incorporando marcas em um "mundo história" pode criar interesse ainda elevado para os produtos. Os consumidores podem ter uma razão especial para prestar atenção à marca, se ele puder ser organicamente integrada no "mundo história. ".

Então podemos usar a transmídia para busca uma imersão cada vez maior dos consumidores no conceito do produto em questão (mundo história) e com isso fazer com que eles mesmo procurem pelo produto e desejem que outros consumidos o consumam também. O produto se tornará algo especial para esses consumidores, se tornará parte da historia deles e eles por sua vez se tornaram os maiores fãs e defensores do produto.

Hoje grandes empresas de todo o mundo estão começando a perceber as oportunidades crescentes que esse conceito proporciona e muitas estão avançando em sua direção. Buscando aumentar os seus números financeiros ou se adequarem a essa nova realidade mercadologia afim de não ficarem para trás.

No Brasil o mercado de transmídia ainda é novo, mas podemos perceber através do trabalho sobre esse assunto feito por empresas brasileiras, que o mesmo esta sendo levado a serio e tratado como um estratégia que pode ajudar as corporações a melhorar os seus números.

1 2

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]