Transporte em Fortaleza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa de Fortaleza fito por Adolfo Herbster em 1888 com o traçado das linhas de bonde e trem.

O transporte em Fortaleza é planejado pela Secretaria Municipal de Planejamento do Orçamento que dá as diretrizes no plano diretor e por planos específicos. A AMC é a autarquia responsavel pela fiscalização do Código de Trânsito Brasileiro em Fortaleza. Existe ainda a ETUFOR que é uma empresa municipal responsavel pelo controle, regulação e fiscalização dos sitemas de transportes coletivos da cidade tais como ônibus, táxi, moto-táxi e outros diversos sistemas de transportes coletivos. A ETUFOR gerencia ainda o sistema de terminais de õnibus. O Metrofor é a empresa do Governo do Estado do Ceará que controla o sistema de trens urbanos e futuramente o metrô de Fortaleza e Região Metropolitana. São 11.339 ruas e avenidas, sete terminais integrados de ônibus urbano, dois terminais não integrados, duas rodoviárias, um porto e um aeroporto.

Infográfico das linhas de bonde puxados por animais na cidade de Fortaleza, no ano de 1888. As linhas não são as mesmas da época, e foram postas para auxiliar a referenciar os pontos.

Bonde[editar | editar código-fonte]

O sistema de transporte coletivo de Fortaleza tem seu início em 1875 com o contrato para assentamento dos trilhos do bonde de tração animal que começou a funcionar em 1880 com 4210 metros de linha que foi gerida pela Companhia Ferro-Carril do Ceará. Em 1911 é iniciada as obras da firma The Ceará Tramway Light & Co. Ltd. que adquiriu a antiga companhia. Em 1913 foi inaugurada o bonde elétrico de Fortaleza que foi expandido para vários bairros alcançando 20 km de linhas operando com 53 bondes até 1947 quando foi desativado como forma de priorizar a produção da energia elétrica para o uso particular.[1]

Também existiram sistemas de bondes na Parangaba e Messejana. O trem que ligava o centro de Fortaleza com Messejana era gerido pela Rede de Viação Cearense e foi desativado em 1931 quando foi inaugurada uma estrada que atualmente é a BR 116. A Parangaba tinha bondes desde 1894 quando foi fundada a "Companhia Ferro Carril de Arronches". A linha da Parangaba fechou em 1918 e não chegou a ser eletrificada funcionando somente com tração animal.

Ônibus[editar | editar código-fonte]

Os primeiros ônibus a circular em Fortaleza eram veículos mistos com cabine de motorista separada da cabine de passageiros e parte posterior com caçamba para transporte de cargas. Começaram a circular na década de 1920. Os primeiros ônibus de grande porte começaram a circular em 1941 e eram veículos da marca GMC com capacidade para 40 passageiros. Em 1966 chegaram em na cidade 3 ônibus elétricos que faziam a linha entre a Parangaba e o Centro de Fortaleza tendo funcionado apenas por três anos por conta de dívidas da prefeitura e são vendidos para prefeitura do estado de São Paulo em 1969.

Sistema Integrado de Transportes[editar | editar código-fonte]

O sistema de transportes coletivo de Fortaleza é regulamentado pela Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza S.A (ETUFOR), órgão da prefeitura, que tem Rogério Pinheiro como presidente.[2] O transporte realizado por ônibus foi reformulado na década de 1990 tendo iniciado as operações em 1992 o Sistema Integrado de Transportes (SIT-FOR). O sistema proporciona ao usuário a opção de deslocamento através da integração física e tarifária em terminais de integração. A rede de linhas do SIT-FOR é baseada em dois tipos de linhas: as que fazem a integração bairro-terminal e as que integram o terminal ao centro da cidade ou ainda a outro terminal.

Fortaleza possui sete terminais integrados (Antônio Bezerra, Papicu, Parangaba, Lagoa, Siqueira, Messejana e Conjunto Ceará) e dois terminais abertos (Coração de Jesus e Estação). Cerca de 850 mil passageiros por dia utilizam os terminais fechados, através de 218 linhas de ônibus regulares.[3] São 25 empresas operantes com uma frota de 1.776 ônibus. Desde 2007, a população de Fortaleza possui o benefício da integração temporal, com a qual, por meio da aquisição de um cartão eletrônico pode fazer transferências entre linhas do sistema de ônibus sem o ônus adicional da cobrança de uma nova passagem. As transferências são, entretanto, limitadas em quantidade e pelas linhas de origem e destino.[4] Os estudantes com carteira estudantil podem optar por usar sua carteira de estudante como bilhete eletrônico e usufruir do benefício.[4]

Foi implementado na cidade o Sistema de Informação ao Usuário, que permite saber em tempo real o tempo de espera pelo ônibus no em certos pontos da cidade. Todos os ônibus possuirão GPS-sender interligados a monitores nos pontos de ônibus com maior demanda dos usuários, sabendo o horário que o ônibus passará.[5]

Táxi[editar | editar código-fonte]

O primeiro automóvel chegou a Fortaleza em 1909 e era de propriedade da Empresa Auto-Transporte Cearense da marca Rambler. Funcionava como carro de aluguel e era um serviço de luxo. O taxímetro so surgiria em Fortaleza em 1961 quando uma legislação federal obrigava cidades com mais de 500 mil habitantes a ter esse tipo de sistema de cobrança.[6]

Atualmente existem 4.072 operadores cadastrados na ETUFOR para servir o sistema de táxi que é regulado pela Lei municipal 4.164, de 3 de maio de 1973.[7] [8]

O Mototáxi é regulamentado em 1997 compondo um sistema de 2.209 motocicletas atualmente cadastrados na ETUFOR.[9]

Trânsito[editar | editar código-fonte]

A autoridade de trânsito de Fortaleza é a AMC que além de fiscalizar o trânsito, opera o CTAFOR, um dos mais modernos sistemas de controle e monitoramento do tráfego urbano do país[carece de fontes?], que além de dispor de uma central de tráfego que monitora grande parte da cidade através de um sistema de 35 câmeras de CFTV, dispõe também de um sistema de 20 painéis de mensagens variáveis (PMV) dispostos nos principais corredores de tráfego da cidade para orientar os motoristas e usuários das condições do tráfego e das melhores opções de rotas para a melhoria da fluidez do tráfego. Além disso, 45% dos aproximadamente 550 semáforos da cidadesão considerados semáforos inteligentes que são controlados e monitorados pela central de tráfego do CTAFOR , com mudanças em tempo real nos tempos dos semáforos variando conforme a demanda e composição do tráfego,contribuindo para a melhoria da fluidez do tráfego de grande parte da área urbana de Fortaleza[carece de fontes?].

Referências

  1. Sistema antigo de transporte em Fortaleza. FortalBus. Página visitada em 4 de abril de 2013.
  2. Eliomar de Lima (2 de janeiro de 2013). Ex-vereador Rogério Pinheiro assumirá comando da Etufor. O Povo. Página visitada em 3 de abril de 2013.
  3. Seminário discute melhorias para o transporte público de Fortaleza. Agência da Boa Notícia (12 de novembro de 2010). Página visitada em 4 de abril de 2013.
  4. a b Integração Temporal. Prefeitura de Fortaleza. Página visitada em 4 de abril de 2013.
  5. Sistema de Informação ao Usuário. Etufor. Página visitada em 4 de abril de 2013.
  6. FATOS HISTÓRICOS. PORTAL DA HISTÓRIA DO CEARÁ. Página visitada em 4 de abril de 2013.
  7. ETUFOR » Táxi. Prefeitura de Fortaleza. Página visitada em 4 de abril de 2013.
  8. Serviço de Táxi em Fortaleza. FortalezaBeaches. Página visitada em 4 de abril de 2013.
  9. ETUFOR » Mototáxi. Prefeitura de Fortaleza. Página visitada em 4 de abril de 2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AZEVEDO, Miguel Ângelo. Cronologia Ilustrada de Fortaleza. Fortaleza; Programa editorial da Casa de José de Alencar, 2001.
  • CAPELO Filho, José; SARMIENTO Lidia. Fortaleza, Centro: Guia arquitetônico. Fortaleza, 2006 ISBN 857563160-8

Ligações externas[editar | editar código-fonte]