Transtorno de personalidade limítrofe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2014).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Transtorno de personalidade limítrofe
Classificação e recursos externos
CID-10 F60.3
CID-9 301.83
MedlinePlus 000935
eMedicine article/913575
MeSH D001883
Star of life caution.svg Aviso médico

Transtorno de personalidade limítrofe (também chamado Transtorno de personalidade emocionalmente instável no CID-10, Transtorno de intensidade emocional ou Transtorno de personalidade borderline [TPB])[1] (borderline significa "fronteira" ou "limite" em inglês), é um transtorno de personalidade do cluster B cuja característica essencial é um padrão de comportamento marcando pela impulsividade e instabilidade de afetos, relacionamentos interpessoais e autoimagem. O padrão está presente no início da idade adulta e ocorre em uma variedade de situações e contextos.[2]

Outros sintomas comumente incluem um intenso medo de abandono e intensas raiva e irritabilidade que outros têm dificuldade em compreender a razão.[2] [3] [4] As pessoas com TPB muitas vezes se envolvem na idealização e desvalorização de outros, alternando entre uma alta consideração positiva ou uma grande decepção.[5] Automutilação e comportamento suicida são comuns.[6]

O transtorno é reconhecido no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Devido ao fato de um transtorno de personalidade ser um padrão mal-adaptativo de experiências pessoais disseminado, contínuo e inflexível e de comportamentos patológicos, há uma relutância em se diagnosticar transtornos de personalidade antes da adolescência ou início da vida adulta.[7] . Entretanto, alguns enfatizam que, sem tratamento, os sintomas podem piorar.[8]

Há um debate em curso sobre a terminologia deste transtorno, especialmente sobre a adequação da palavra "borderline" ("limite").[9] [10] O manual CID-10 refere-se a este transtorno como "transtorno de personalidade emocionalmente instável" e tem critérios diagnósticos semelhantes. Há uma preocupação com o fato de que o diagnóstico de TPB cria estigmas apoiando práticas discriminatórias, porque sugere que a personalidade do indivíduo é falha.[11] No DSM-5, o nome do distúrbio permanece o mesmo.[7]

Sinais e Sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas mais característicos de TPB são uma marcante sensibilidade a rejeição e pensar sobre e sentir medos de um possível abandono.[12] Acima de tudo, as características do TPB incluem uma sensibilidade especialmente intensa nas relações com outras pessoas, dificuldade em regular emoções e impulsividade. Outros sintomas podem incluir sentimentos de insegurança quanto a autoidentidade e valores pessoais, ter pensamentos paranóicos quando estressado e dissociação grave.[12]

Emoções[editar | editar código-fonte]

Pessoas com TPB sentem emoções com mais facilidade, maior profundidade e por mais tempo que as outras.[13] [14] As emoções podem ressurgir repetidamente e persistir por longos períodos de tempo. [14] Consequentemente, pode demorar mais do que o normal para uma pessoa com TPB voltar a um estado emocional estável após uma experiência emocional intensa. [15]

Na opinião de Marsha Linehan, a sensibilidade, intensidade e duração com a qual as pessoas com TPB experimentam as emoções tem tanto aspectos positivos quanto negativos.[15] Pessoas com TPB são excepcionalmente idealistas, alegres e amorosas. [16] Entretanto elas podem se sentir sufocadas por emoções negativas, experimentando intenso luto ao invés de tristeza, vergonha e humilhação ao invés de leve contrangimento, ódio ao invés de irritação e pânico ao invés de nervosismo.[16] Pessoas com TPB são especialmente sensíveis aos sentimentos de rejeição, isolamento e sensação de fracasso. [17] Seus esforços para conter ou escapar de suas intensas emoções negativas podem levar a automutilação ou comportamento suicida antes que aprendam outras estratégias de enfrentamento. [18] Em geral eles tem consciência da intensidade de suas emoções negativas e, uma vez que não são capazes de controlá-las, se desligam delas inteiramente.[15] Isso pode ser danoso para as pessoas com TPB, já que emoções negativas alertam as pessoas para a presença de situações problemáticas e estimulam seu enfrentamento.[15]

Apesar de as pessoas com TPB sentirem intensa alegria, elas são especialmente suscetíveis a disforia, ou sofrimento mental e emocional. Zanari et al. reconhece quatro categorias de disforia que são típicas deste transtorno: emoções extremas; destrutividade ou auto destrutividade; sentimento de identidade fragmentada ou ausente; e sentimento de vitimização.[19] Dentro destas categorias, um diagnóstico de TPB é fortemente associado com uma combinação de três estados específicos: 1) se sentir traído, 2) sentir vontade de se machucar e 3)se sentir fora de controle.[19] Uma vez que há uma grande variedade nos tipos de disporia que as pessoas com TPB experimentam, a amplitude do sofrimento é um indicador auxiliar do transtorno de personalidade borderline.[19]

Além das emoções intensas, pessoas com TBP experimentam instabilidade emocional. Embora a expressão possa sugerir uma rápida mudança entre [[Depressão (humor)|depressão e exaltação, as ocilações de humor nas pessoas com esta condição na verdade ocorrem mais frequentemente entre a raiva e a ansiedade e entre depressão e ansiedade.[20]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Comportamento impulsivo é comum, incluindo: abuso de substância e alcoolismo, transtorno alimentar, sexo de risco ou indiscriminado com múltiplos parceiros, gastar dinheiro e dirigir imprudentemente.[21]

Comportamento impulsivo também pode incluir abandonar empregos e relacionamentos, fugir e se automutilar.[22]

Pessoas com TPB agem impulsivamente pois isso lhes dá alívio imediato de sua dor emocional.[22] Entretanto, a longo prazo, as pessoas com TPB sofrem de uma crescente vergonha e culpa que seguem esse tipo de ação.[22] Normalmente um ciclo se inicia, no qual a pessoa com TPB sente dor emocional, se engajam em um comportamento impulsivo para aliviarem a dor, sentem vergonha e culpa por suas ações, sentem dor emocional por conta dos sentimentos de vergonha e culpa e então experimentam uma maior compulsão por se engajar em um comportamento impulsivo para aliviar a nova dor.[22] Conforme o tempo passa, o comportamento impulsivo pode se tornar uma resposta automática em resposta a dor emocional.[22]

Automutilação e suicídio[editar | editar código-fonte]

Automutilação e comportamento suicida são um dos critérios de diagnóstico centrais no DSM-IV. A gestão e recuperação destes comportamentos pode ser complexo e desafiador.[23] A incidência de suicídios entre pessoas com TPB é entre 3% e 10% ao longo da vida.[12] [24] Há evidências de que homens diagnosticados com TPB tem aproximadamente o dobro de probabilidade de cometerem suicídio em relação as mulheres diagnosticadas com TPB[25] Também há evidências que uma percentagem considerável de homens que cometem suicídio podem ter TPB não diagnosticada.[26]

Automutilação é comum e pode ocorrer com ou sem intenção suicida.[27] [28] As razões apresentadas para a automutilação não suicida diferem das razões para tentatívas de suicídio.[18] As razões para a automutilação não suicida incluem expressar raiva, auto punição, voltar ao normal (geralmente em resposta a dissociação) e distraír-se da dor emocional ou de circunstâncias difíceis.[18] Em contraste com isso, as tentativas de suidício tipicamente relfetem uma crença de que as vidas das outras pessoas vai melhorar depois do suicídio.[18] Ambas autimutilações, suicidas e não suicidas, são uma resposta ao sentirem emoções negativas.[18]

Abuso sexual, em particular, pode ser um gatilho para comportamento suicida em adolescentes[29]

Relacionamentos interpessoais[editar | editar código-fonte]

Pessoas com TPB podem ser muito sensíveis ao modo como ou outros a tratam, sentindo intensa alegria e gratidão diante do que percebem como expressões de bondade e intensa tristeza e raiva ao que ententem como uma crítica um ofensa.[30] Seus sentimentos a respeito dos outros normalmente alterna entre o positivo e o negativo após uma decepção, o que ententem como uma ameaça de se perder alguém ou de perder a estima que alguém importante tenha por eles. Este fenômeno, as vezes chamado de clivagem ou pensamento preto-e-branco, inclui a mudança entre idealização de outra pessoa (sentimento de amor e admiração) e desvalorização (sentimento de raiva ou antipatia).[31] Combinado com os distúrbios do humor, idealização e desvalorização podem minar relacionamentos com a familia, amigos e colegas de trabalho.[32] A autoimagem também pode mudar rapidamente do positivo para o negativo.

Embora desejando fortemente a intimidade, as pessoas com TPB tendem a ser inseguras, esquivas ou ambivalentes, ou terrivelmente preocupadas com padrões de apego em relacionamentos[33] e muitas vezes vêem o mundo como perigoso e mau.[30] O TPB está ligada ao aumento dos níveis de estresse crônico e aos conflitos nos relacionamentos amorosos, diminuição da satisfação dos parceiros românticos, abuso e gravidez indesejada. No entanto, estes factores parecem estar ligadas aos transtornos de personalidade em geral.[34]

Manipulação psicológica para obter carinho é considerada uma característica comum de TPB por muitos tratam o transtorno, bem como pelo DSM-IV.[35] [36] No entanto, alguns profissionais de saúde mental advertem que uma ênfase excessiva e uma definição muito ampla de manipulação pode levar a mal-entendidos e tratamento preconceituoso das pessoas com TPB dentro do sistema de saúde.[37] (Veja Comportamento manipulativo e estigma em Controvérsias.)

Autoimagem[editar | editar código-fonte]

As pessoas com TPB tendem a ter dificuldade em ver uma imagem clara de sua própria identidade. Em particular, eles tendem a ter dificuldade em saber o que valorizam e apreciam.[38] São muitas vezes inseguros sobre suas metas de longo prazo quanto a relações e empregos. Essa dificuldade de saber quem eles são e o que eles valorizam pode levar as pessoas com TPB a experimentar uma sensação de "vazio" e "perda".[38]

Pensamentos[editar | editar código-fonte]

As intensas emoções, muitas vezes vividas por pessoas com TPB pode dificultar a ela ter controle e sobre seu foco e atenção - elas têm dificuldade em se concentrar.[38] Além disso, as pessoas com TPB podem tender a dissociar o que pode ser entendido como uma forma intensa de "viagem", a pessoa fica perdida em seus próprios pensamentos como se houvesse se drogado.[39] A dissociação ocorre frequentemente em resposta ao experimentar um acontecimento doloroso (ou experimentar algo que desencadeia a memória de um acontecimento doloroso). Ela consiste em a mente redirecionar automaticamente a atenção para longe do tal evento doloroso, supostamente para se proteger contra enfrentar uma emoção intensa e seus comportamentos impulsivos indesejados que tal emoção poderiam desencadear.[39] Embora o hábito de bloquear intensas emoções dolorosas da mente possa proporcionar um alívio temporário, também pode ter o efeito colateral indesejado de bloquear ou embotar a experiência de emoções comuns, reduzindo assim o acesso das pessoas com TPB às informações contidas nessas emoções que a ajudariam a guiar de modo eficaz a tomada de decisões na vida diária.[39] Às vezes, é possível para outra pessoa perceber quando alguém com TPB está dissociando, pois suas expressões faciais e vocais podem tornar-se vazias ou sem expressão, ou elas podem parecer distraídas, mas em outros momentos, a dissociação pode ser pouco perceptível.[39]

Causas[editar | editar código-fonte]

Assim como as causas de outros transtornos mentais, as causas do TPB são complexas e não há consenso a seu respeito.[10] Evidências sugerem que o TPB e o Estresse pós-traumático podem estas relacionados de algum modo.[40] A maioria dos pesquisadores concorda que trauma na infância pode ser um fator que contribui para o desenvolvimento do transtorno,[41] mas menos atenção tem sido historicamente devotada a investigação dos papéis de causalidade desempenhados por anormalidades cerebrais congênitas, genética, fatores neurobiológicos e fatores ambientais que não o trauma.[10] [42] Fatores sociais incluem como uma pessoa interage, em seu desenvolvimento infantil, com sua família, amigos e outras crianças.[43] Fatores psicológicos incluem a personalidade e temperamento do indivíduo, moldados pelo seu ambiente e os mecanismos de enfrentamento aprendidos para lidar com o stress.[43] Esses fatores diferentes combinados sugerem que há múltiplos fatores que podem contribuir com o transtorno.

Genética[editar | editar código-fonte]

A herdabilidade do TPB é estimado em 65%.[44] Ou seja, 65% da variabilidade nos sintomas entre indivíduos diferentes com TPB pode ser explicada por diferenças genéticas. (Note que isso é diferente de dizer que 65% do TPB é "causado" por genes.) Estudos com gêmeos podem superestimar o efeito dos genes na variabilidade dos transtornos de personalidade devido a fatores complicadores como um ambiente familiar compartilhado.[45]

Estudos com gêmeos, irmãos ou outros familiares indicam herdabilidade parcial para agressão impulsiva, mas estudos de genes relacionados a serotonina sugerem apenas modestas contribuições para o comportamento.[46]

Familias com gêmeos na Holanda participaram de um estudo em andamento feito por Trull e seus colegas, no qual 711 pares de irmãos e 561 pais foram examinados para identificar a localização dos traços genéticos que influenciam o desenvolvimento de TPB.[47] Colaboradores da pesquisa descobriram que o material genético no cromossomo nove estava ligado com características do TPB.[47] Estudos concluíram que 42% da variação no TPB é atribuível a influência genética e 58% era atribuível a influências amtientais.[47]

Genes atualmente sob investigação incluem o polimorfismo 7-repeat do receptor de dopamina D4 (DRD4), que foi relacionado ao apego desorganizado, apesar do efeito combinado do polimorfismo 7-repeat e do genótipo 10/10 de transportador de dopamina (DAT) ter sido relacionado a anormalidades no controle inibitório, ambos características notadas no TPB.[48]

Anomalias cerebrais[editar | editar código-fonte]

Alguns estudos de neuroimagem sobre TPB divulgaram descobertas de redução em regiões do cérebro envolvidas na regulação da resposta ao estress e emoções, afetando o hipocampo, o cortex orbitofrontal e a amídala, entre outras áreas.[48] Um número menor de estudos tem usado ressonância magnética espectroscópica para explorar mudanças nas concentrações de neurometabólitos em certas regiões cerebrais de pacientes com TPB, procurando especificamente por neurometabólitos como a N-acetilaspartato, creatina, compostos relacionados aos glutamatos e compostos contendo colina.[48]

Hipocampo[editar | editar código-fonte]

O hipocampo tende a ser menor em pessoas com TPB, assim como em pessoas com Estresse pós-traumático. Entretanto, no TPB, ao contrário do Estresse pós-traumático, a amídala também tende a ser menor.[49]

Amídala[editar | editar código-fonte]

As amídalas são menores e mais ativas em pessoas com TPB.[49] Amídalas com volume reduzido também foram encontradas em pessoas com Transtorno obsessivo compulsivo.[50] Um estudo descobriu uma atividade incomum na amídala esquerda de pessoas com TPB quando eles experimentam ou veem sinais de emoções negativas.[51] Uma vez que as amídalas são a principal estrutura envolvida na geração de emoções negativas, essa atividade incomumente forte pode explicar a intensidade e longevidade do medo, tristeza, raiva e vergonha experimentadas por pessoas com TPB, assim como suas elevadas sensibilidades diante de demonstrações destas emoções por outras pessoas.[49]

Córtex pré-frontal[editar | editar código-fonte]

O córtex pré-frontal tende a ser menos ativo em pessoas com TPB, especialmente quando relembram de memórias de abandono.[52] Essa inatividade relativa ocorre no córtex anterior cingulado (áreas de Brodmann 24 e 32.[52] Dado o seu papel na regulação da excitação emocional, a relativa inatividade do córtex pré-frontal pode explicar a dificuldade que pessoas com TPB tem em regular suas emoções e respostas ao estress.[53]

Eixo Hipotálamo-hipófise-suprarrenal[editar | editar código-fonte]

O eixo Hipotálamo-hipófise-suprarrenal (eixo HHS) regula a produção de cortisol, que é liberado em resposta ao estress. A produção de cortisol tende a ser elevada em pessoas com TPB, indicando um eixo HHS hiperativo nesses indivíduos.[54] Isso faz com que eles experimentem uma maior resposta biológica ao estress, o que pode explicar sua maior vulnerabilidade a irritabilidade.[55] Já que eventos traumáticos podem aumentar a produção de cortisol e atividade do eixo HHS, uma possibilidade é que a prevalência de atividade acima da média do eixo HHS em pessoas com TPB pode simplesmente ser um reflexo da prevalência acima da média de traumas de infância e de eventos de amadurecimento entre essas pessoas.[55] Outra possibilidade é que, por ter sua sensibilidade a eventos traumáticos e produção de cortisol aumentada, as pessoas com TPB estariam predispostas a experimentar eventos estressantes de suas infâncias e amadurecimento como traumáticos.

A produção aumentada de cortisol também está associada com um maior risco de comportamento suicida.[56]

Fatores Neurobiológicos[editar | editar código-fonte]

Estrogênio[editar | editar código-fonte]

Diferenças individuais nos ciclos de estrogênio das mulheres pode estar associado a expressão de sintomas de TPB em pacientes do sexo feminino.[57] Um estudo de 2003 descobriu que os sintomas de mulheres com TPB eram antecedidos por mudanças nos niveis de estrogênio ao longo de seus ciclos menstruais, um efeito que permaneceu significativo mesmo depois que o aumento geral de afetos negativos foram descontados dos resultados.[58]

Sintomas experimentados devido às alterações dos níveis de estrogênio são comumente mal diagnosticados como TPB, como alterações de humor extremas e depressão. Como a endometriose é uma doença influenciada pelo estrogênio, TPM e Transtorno disfórico pré-menstrual graves são observados, que são ambos físicos e psicológicos em suas naturezas. Transtornos do humor influenciados por hormônios, também chamados de depressão reprodutiva, são esperados que acabem somente com a menopausa ou após uma histerectomia. Episódios psicóticos tratados com estrogênio em mulheres com TPB mostraram significativa melhora porém não devem ser prescrevidos àquelas com endometriose, pois isso agrava suas condições endócrinas. Drogas estabilizadoras do humor, usadas no tratamento do transtorno bipolar, não ajudam pacientes com níveis de estrogênio alterados. Um diagnóstico correto entre transtorno endócrino ou psiquiátrico precisa ser feito. [carece de fontes?]

Experiências adversas na infância[editar | editar código-fonte]

Há uma forte correlação entre abuso infantil, especialmente abuso sexual infantil e o desenvolvimento de TPB.[41] [59] [60] [61] [62] Muitos indivíduos com TPB reportam um histórico de abuso e negligência quando crianças.[63] Pacientes com TPB são significativamente mais propensos a reportarem abuso verbal, emocional, físico ou sexual por seus cuidadores de ambos os sexos. Eles também reportam uma alta incidência de incesto e perda de cuidadores na infância.[64]

Indivíduos com TPB também são mais propensos a reportarem que os cuidadores de ambos os sexos negavam validação de seus pensamentos e sentimentos. Cuidadores também foram reportados por terem falhado em prover a proteção necessária e por terem negligenciado os cuidados físicos com suas crianças. Pais de ambos os sexos são comumente culpados de ausência emocional diante da criança e por tratar dos menores de maneira inconsistente.[64] Ademais, mulheres com TPB que reportam um histórico de negligência por parte de sua cuidadora e abuso por parte do cuidador são significativamente mais propensas a reportarem abuso por terceiros, que não os cuidadores.[64]

Já foi sugerido que crianças que passaram por maus-tratos crônicos e por dificuldades afetivas podem desenvolver o transtorno de personalidade borderline.[65]

Entretanto, nenhum desses estudos apresentou evidências de que trauma infantil necessariamente causa ou contribui para causar TPB. Ao invés disso, ambos o trauma e o TPB podem ser causados por um terceiro fator. Por exemplo, pode acontecer de muitos cuidadores que tendem a expor as crianças a experiências traumáticas o fazem parcialmente por conta de seus próprios transtornos de personalidade herdados, a predisposição genética para tanto pode ser passada para seus filhos, que desenvolvem TPB como resultado desta predisposição e de outros fatores, e não como resultado de um maltrato anterior.[66]

Outros fatores que contribuem para o desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A intensidade e reatividade da afetividade negativa de uma pessoa, ou a tendência para sentir emoções negativas, é um indicador de sintomas de TPB mais forte do que o abuso sexual infantil.[67] Essa descoberta, as diferenças em estruturas cerebrais (veja anomalias cerebrais) e o fato de alguns pacientes com TPB nao reportarem uma história traumática,[68] sugerem que o TPB é diferente do Estresse pós-traumático, que frequentemente o acompanha. Assim, pesquisadores cogitam outra causa para o desenvolvimento, além do trauma infantil.

Pesquisas mais recentes publicadas em janeiro de 2013, pelo Dr Anthony Ruocco da Universidade de Toronto, destacaram dois padrões de atividade cerebral que podem fundamentar a disregulação de emoções característica deste transtorno; lá foram descritas atividades aumentadas nos circuitos cerebrais responsáveis pela experiência de emoções negativas exacerbadas, combinado com a ativação reduzida dos circuitos cerebrais que normalmente regulam ou suprimem essas emoções negativas geradas. Essas duas redes neurais são vistas como estando em operação disfuncional na região frontolimbica mas as regiões específicas variam muito em cada indivíduo, o que demanda novas pesquisas utilizando a técnica da neuroimagem. Além disso, destoando de estudos anteriores, pessoas com TPB demonstraram menor ativação da amídala em situações de emocionalidade do que em grupos de controle. O Dr. John Krystal, editor do Biological Psychiatry, acrescentou que: "Esse novo estudo corrobora com a impressão de que pessoas com transtorno de personalidade borderline são 'enganadas' por seus cérebros para terem vidas emocionais tempestuosas, embora não necessariamente tem que levar vidas infelizes e improdutivas,"[69]

Escrevendo sobre tradição psicanalítica, Otto Kernberg argumenta que a falha da criança em alcançar o que ele chamou de clarificação psíquica de si e do outro poderia aumentar o risco de desenvolver transtorno de personalidade borderline.[70]

A inabilidade da criança em tolerar a gratificação adiada aos 4 anos não predispõe desenvolvimento posterior de TPB.[71]

Fatores mediadores e moderadores[editar | editar código-fonte]

Função executiva[editar | editar código-fonte]

Ao tempo em que uma alta sensibilidade a rejeição está associada a fortes sintomas de transtorno de personalidade borderline, a função executiva parece mediar a relação entre sensibilidade a rejeição e sintomas de TPB.[71] Ou seja, um grupo de processos cognitivos que incluem planejamento, memória de trabalho, atenção e solução de problemas pode ser o mecanismo através do qual a sensibilidade à rejeição impacta os sintomas de TPB. Um estudo de 2008 descobriu que a relação entre sensibilidade à rejeição de uma pessoa e os sintomas de TPB eram mais fortes quando a função executiva era diminuída, e que a relação era mais fraca quando a função executiva era mais ativa.[71] Isso sugere que uma função executiva elevada pode ajudar a proteger as pessoas com alta sensibilidade à rejeição contra os sintomas de TPB.[71]

Um estudo de 2012 descobriu que problemas com a memória de trabalho podem contribuir para uma maior impulsividade em pessoas com TPB.[72]

Ambiente familiar[editar | editar código-fonte]

O ambiente familiar intercede nos efeitos do abuso sexual infantil no desenvolvimento do TPB. Um ambiente familiar instável prevê o desenvolvimento do transtorno, enquanto uma família estável prevê um risco reduzido. Uma explicação possível é que o ambiente estável amortece seu desenvolvimento.[73]

Auto complexidade[editar | editar código-fonte]

Auto complexidade, ou considerar ter em si muitas características distintas, parece moderar a relação entre a auto discrepância Real-Ideal e o desenvolvimento de sintomas de TPB. Isto é, para indivíduos que acreditam que suas características não batem com as características que eles esperam alcançar, uma grande auto complexidade reduz o impacto de sua autoimagem conflitante nos sintomas de TPB. Entretanto, a auto complexidade não modera a relação entre a auto discrepância Real-Devida e o desenvolvimento de sintomas de TPB. Ou seja para indivíduos que acreditam que suas características reais não batem com as características que eles já deveriam ter, uma alta auto complexidade não reduziria o impacto de sua autoimagem conflitante nos sintomas de TPB. O papel protetor da auto complexidade na auto discrepância Real-Ideal mas não na discrepância Real-Devida, sugere que o impacto da autoimagem conflituosa ou instável no TPB depende de como o indivíduo se enxerga em termos de características que eles esperam adquirir ou em termos de características que eles já deveriam ter.[74]

Supressão de pensamento[editar | editar código-fonte]

Um estudo de 2005 descobriu que supressão de pensamento, ou tentativas conscientes de se evitar pensar certos pensamentos, media a relação entre vulnerabilidade emocional e sintomas de TPB.[67] Um estudo posterior descobriu que a relação entre vulnerabilidade emocional e os sintomas de TPB não são necessariamente mediados pela supressão de pensamento. Entretanto, este estudo encontrou que a supressão de pensamento mediava a relação entre um ambiente invalidador e os sintomas de TPB.[75]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico de transtorno de personalidade borderline é baseado em uma avaliação psiquiátrica por um profissional de saúde mental qualificado. O melhor método é apresentar os critérios do transtorno ao paciente e perguntar se ele acha que as características os descrevem precisamente.[12] Envolver ativamente os pacientes com TPB em determinar seu diagnóstico pode ajudar a aceitá-lo mais facilmente.[12] Embora alguns médicos prefiram não dizer aos seus pacientes com TPB qual o seu diagnóstico, tanto por preocupação sobre o estigma relacionado a condição quanto porque TPB era tido como intratável, normalmente ajuda ao paciente com TPB saber seu diagnóstico.[12] Isso os ajuda a saber que outros tiveram experiências semelhantes e podem recomendar tratamentos eficazes.[12]

Em geral, a avaliação psicológica inclui perguntar ao paciente sobre o início e a gravidade dos sintomas, bem como sobre outras questões sobre como os sintomas impactam na qualidade de vida do paciente. Questões de particular importância são as ideações suicidas, experiências com automutilação e pensamentos sobre machucar os outros.[76] O diagnóstico é baseado no relato do paciente sobre seus sintomas e nas observações do médico.[76] Testes adicionais para TPB incluem um exame físico e testes de laboratório para eliminar outros gatilhos e sintomas possíveis, como problemas de tireoide e abuso de substâncias.[76]

Vermeer Girl Interrupted at Her Music, pintura a óleo de Jan Vermeer que inspira Susanna Kaysen, diagnosticada como portadora de personalidade borderline em seu livro "Moça, Interrompida".

Manual Diagnóstico e Estatístico[editar | editar código-fonte]

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais edição cinco (DSM-5) removeu seu sistema de múltiplos eixos. Consequentemente, todos os transtornos, incluindo os transtornos de personalidade, são listados na seção II do manual. Uma pessoa deve preencher 5 dos 9 critérios para receber um diagnóstico de transtorno de personalidade borderline.[77] O DSM-5 define os principais aspectos do TPB como um padrão inflexível de instabilidade nos relacionamentos interpessoais, autoimagem e afetos, bem como comportamentos impulsivos sobressaltados.[77]

Além disso, o DSM-5 propõe um critério alternativo de diagnóstico para Transtorno de Personalidade Borderline em sua sessão III, Esses critérios alternativos são baseados em pesquisas sobre características e incluem especificar ao menos quatro de sete traços mal adaptativos.[78]

De acordo com Marsha Linehan, muitos profissionais de saúde mental acham desafiador diagnosticar TPB usando os critérios do DSM, uma vez que tas critérios escrevem uma ampla gama de comportamentos.[79] Para enfrentar este problema, Linehan agrupou os sintomas de TPB em cinco áreas de disregulação principais: emoções, comportamento, relações interpessoais, autoimagem e pensamentos.[79]

Classificação Internacional de Doenças[editar | editar código-fonte]

A CID-10 da Organização Mundial da Saúde define um transtorno que é conceitualmente similar ao Transtorno de Personalidade Borderline, chamado (F60.3) Transtorno de personalidade emocionalmente instável. Seus dois subtipos estão descritos abaixo.[80]

F60.30 - Tipo Impulsivo

Pelo menos três dos seguintes sintomas abaixo devem estar presentes; é obrigatória a presença do sintoma 2

  1. Tendência em agir impulsivamente e sem consideração com as conseqüências;
  2. Tendência a ter um comportamento briguento e entrar em conflito com os outros, especialmente quando os atos violentos são contrariados ou criticados;
  3. Tendência a explosões de ira e violência, com incapacidade de controlar os resultados subseqüentes;
  4. Dificuldade em manter qualquer ação que não ofereça recompensa imediata;
  5. Humor instável e caprichoso.
F60.31 – Tipo Borderline

Pelo menos três dos sintomas mencionados no Tipo Impulsivo, incluindo o sintoma 2 (F60.30) devem estar presentes. Em adição, pelo menos dois dos sintomas abaixo devem estar presentes:

  1. Perturbações e incertezas sobre a auto-imagem, metas, preferências internas (incluindo sexualidade);
  2. Tendência a se envolver em relações intensas e instáveis, sempre levando a crises emocionais;
  3. Esforços excessivos para se evitar abandono;
  4. Atos ou ameaças recorrentes de autolesão ou suicídio;
  5. Sentimentos crônicos de vazio.

A CID-10 também descreve alguns critérios gerais que definem o que é considerado um transtorno de personalidade.

Subtipos de Millon[editar | editar código-fonte]

Theodore Millon propôs quatro subtipos de TPB. Ele sugere que um indivíduo diagnosticado com TPB pode exibir nenhum, um ou mais dos seguintes:

Subtipo Características
Desencorajado (inclui características da personalidade esquiva) Flexível, submisso, leal, humilde; se sente vulnerável e em constante perigo;
Petulante (inclui características passivas-agressivas) Negativista, impaciente, inquieto, teimosamente desafiante, pesado, pessimista e rancoroso; facilmente cansado e rapidamente desiludido.
Impulsivo(inclui características histriônicas e antissociais) Caprichoso, superficial, indeciso, distraído, frenético e sedutor; ao temerem a perda, se tornam agitados, sombrios e irritável; potencialmente suicida.
Auto destrutivo (inclui características depressivas ou masoquistas) Voltado para si, raiva autopunitiva; conformismo, comportamentos respeitosos e insinuantes se deterioraram; tenso e ranzinza; possivelmente suicida.

Familiares[editar | editar código-fonte]

As pessoas com TPB tendem a sentir raiva e afastamento de seus familiares. Por sua vez, os familiares muitas vezes sentem raiva e desamparo pela forma como o membro da família com TPB se relaciona com eles.[12]

Um estudo de 2003 descobriu que quanto mais os membros da família sabem sobre TPB maiores são suas sensações de fardo, sofrimento emocional e hostilidade com relação a pessoa com TPB.[81] Estas descobertas podem indicar a necessidade de se investigar a qualidade e a precisão das informações recebidas pelos membros da família.[81]

Pais de adultos com TPB são muitas vezes ambos sobre-envolvidos e sub-envolvidos nas interações familiares.[82] Em relacionamentos amorosos, o TPB está ligado a níveis aumentados de stress e conflitos crônicos, diminuída satisfação do parceiro amoroso, abuso e gravidez indesejada. Entretanto, essas ligações podem se aplicar a transtornos de personalidade em geral.[34]

Adolescência[editar | editar código-fonte]

O aparecimento dos sintomas ocorre tipicamente durante a adolescência ou no início da vida adulta, embora sintomas que sugerem o transtorno possam ser as vezes observados na infância.[83] Os sintomas entre adolescentes que indicam o desenvolvimento de TPB na fase adulta podem incluir problemas com imagem corporal, extrema sensibilidade a rejeição, problemas de comportamento, automutilação não suicida, tentativas de encontrar relacionamentos exclusivos e grave vergonha.[12] Muitos adolescentes experimentam esses sintomas sem mais tarde desenvolverem TPB, mas aqueles que os experimentam tem 9 vezes mais chances de desenvolver TPB. Eles também tem mais chances de desenvolver outras inaptidões sociais de longo prazo.[12]

Os clínicos são desencorajados a diagnosticar TPB antes dos 18 anos de idade, devido aos altos e baixos naturais da adolescência e de uma personalidade ainda em desenvolvimento. Entretanto, o TPB as vezes pode ser diagnosticado antes dos 18 anos, nesse caso os sintomas devem estar presentes de maneira consistente por pelo menos 1 ano.[3]

Um diagnóstico de TPB na adolescência indica que o transtorno continuará na idade adulta.[3] [84] Entre adolescentes que podem ser diagnosticados com TPB parece existir um grupo no qual o transtorno permanece estável ao longo do tempo e outro grupo no qual os indivíduos ora se enquadram no diagnóstico, ora não.[85] O diagnóstico precoce pode ajudar a criar um plano de tratamento mais eficaz para o adolescente.[3] [84] Terapia familiar é considerado um componente auxiliar no tratamento de adolescentes com TPB.[86]

Diagnóstico diferencial e comorbidades[editar | editar código-fonte]

Diagnóstico diferencial[editar | editar código-fonte]

SINTOMAS TPB OUTRAS DOENÇAS
DEPRESSÃO ânimo baixo, curto e intermitente. ânimo baixo, longo e contínuo.
MUDANÇAS DE HUMOR muito rápida: segundos, horas, no máximo um dia; reativo ao ambiente. no bipolar, longa: dias, semanas, meses; sem motivo nenhum.
IDENTIDADE mutável, indecisa, não sabe quem é e o que quer. estável, concreta, certeza.
COGNIÇÃO alucinações e paranoias ao estresse. na esquizofrenia, alucinações contínuas.
DESPERSONALIZAÇÃO sensação de irrealidade quando em estresse. pouco frequente, na síndrome do pânico é contínua.

Comorbidade[editar | editar código-fonte]

Em algumas ocasiões, é dito que o TPB é um "paradigma da comorbidades" (Martínez Raga et al., 2005) A comorbidade de condições crônicas é comum com TPB, ou seja, é comum que o transtorno venha acompanhado de outras doenças. Comparando com aqueles que foram diagnosticados com outros transtornos de personalidade, uma alta taxa de pessoas com TPB também atende aos critérios diagnósticos de:[87]

Transtornos comórbidos do Eixo I[editar | editar código-fonte]

Diferenças entre os sexos no diagnóstico de comorbidades ao longo da vida, 2008[89] e 1998[87]
Diagnóstico do Eixo I Geral ( % ) Homens ( % ) Mulheres ( % )
Transtornos do humor 75.0 68.7 80.2
Depressão nervosa 32.1 27.2 36.1
Distimia 9.7 7.1 11.9
Transtorno bipolar do tipo I 31.8 30.6 32.7
Transtorno bipolar do tipo II 7.7 6.7 8.5
Transtornos de ansiedade 74.2 66.1 81.1
Transtorno do pânico com agorafobia 11.5 7.7 14.6
Transtorno do pânico sem agorafobia 18.8 16.2 20.9
Fobia social 29.3 25.2 32.7
Fobia específica 37.5 26.6 46.6
Transtorno de estresse pós-traumático 39.2 29.5 47.2
Transtorno de ansiedade generalizada 35.1 27.3 41.6
Transtorno obsessivo-compulsivo** 15.6 --- ---
Transtornos de uso de substâncias 72.9 80.9 66.2
Alcoolismo 57.3 71.2 45.6
Abuso de substâncias 36.2 44.0 29.8
Transtornos Alimentares** 53.0 20.5 62.2
Anorexia nervosa** 20.8 7 * 25 *
Bulimia nervosa** 25.6 10 * 30 *
Transtorno alimentar não especificado** 26.1 10.8 30.4
Transtornos Somatoformes** 10.3 10 * 10 *
Transtorno somatoforme** 4.2 --- ---
Hipocondria** 4.7 --- ---
Transtorno da dor somatoforme** 4.2 --- ---
Transtornos psicóticos** 1.3 1 * 1 *
* Valores aproximados
** Valores da pesquisa de 1998 [87]
--- Valores não disponibilizados pela pesquisa

Um estudo de 2008 descobriu que, em algum ponto de suas vidas, 75 porcento das pessoas com TPB atenderam aos critérios diagnósticos de um transtorno de humor, especialmente depressão nervosa e transtorno bipolar do tipo I, aproximadamente 75 porcento atendem ao critério diagnóstico para transtorno de ansiedade.[89] Quase 73 porcento atendem ao critério diagnóstico para abuso ou dependência de substância, cerca de 40 porcento para Transtorno do estresse pós-traumático (TEPT).[89] É importante notar que menos da metade dos participantes com TPB neste estudo apresentavam TEPT, uma prevalencia similar ao encontrada em um estudo anterior.[87] A descoberta de que menos da metade dos pacientes com TPB experimentam TEPT ao longo de suas vidas desafia a teoria de que TPB e TEPT seriam o mesmo transtorno.[87]

Existem marcadas diferenças nos tipos de comorbidades que uma pessoa com TPB tende a ter de acordo com seu sexo--[87] um percentual maior de homens com TPB atendem aos critérios de abuso de substância, enquanto um percentual maior de mulheres com TPB atende aos critérios para terem TEPT e transtornos alimentares.[87] [89] [90] Em um estudo, 38% dos participantes com TPB atendiam os critérios para serem diagnosticados com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).[88] Em outro estudo, 6 de 41 participanetes (15%) atendiam os critérios de um transtorno do espectro autista (um subgrupo que tem tentativas de suicídio significativamente mais frequentes).[91]

Apesar de ser um transtorno que muitas vezes passa sem ser diagnosticado, alguns estudos demonstraram que "sintomas leves" podem levar a diagnósticos incorretos. Os muitos e instáveis transtornos do Eixo I do DSM-IV em pessoas com TPB pode as vezes levar o médico a não perceber a presença de um transtorno de personalidade por trás de tudo. Entretanto, uma vez que um padrão complexo de diagnósticos do Eixo I estar fortemente relacionado com a presença de TPB, os profissionais da saúde mental podem usar essa característica de um complexo padrão de comorbidades como uma pista de que o TPB esteja presente.[87]

Avaliação inicial[editar | editar código-fonte]

A avaliação inicial normalmente pode incluir um exame físico por um médico. Embora não existam testes fisiológicos para confirmar o TPB, pode-se usar testes de exclusão de qualquer outra condição médica que apresenta-se também com sintomas psiquiátricos:

  • Exames de sangue para medir os níveis de TSH para excluir hipotireoidismo, e cálcio sérico para descartar uma doença metabólica.
  • Um hemograma completo para descartar uma infecção sistêmica ou qualquer outra doença crônica facilmente diagnosticada pelo exame de sangue.
  • A sorologia para excluir a infecção por sífilis ou HIV.
  • Exames neurológicos como EEG, ressonância magnética e tomografia computadorizada podem ser importantes para excluir lesões, tumores, e outras doenças cerebrais.

Entre outros instrumentos de avaliação psicológica, podem ser usados questionários de personalidade.[92]

Semiologia adicional e biomarcadores TPB[editar | editar código-fonte]

Foram observados alguns dos seguintes sinais de funções fisiológicas atingidos pelo TPB:

  • Teste de supressão de dexametasona como um biomarcador de TPB. Os resultados são ambíguos e parecem ter maior validade para pacientes com comorbidades com transtorno de estresse pós-traumático.[93]
  • Observa-se em pacientes borderlines muitos sintomas do hipotireoidismo: cerca de um terço dos pacientes têm uma tirotropina reativa com hormônio liberador debilitada.[94] Também são frequentemente encontrados anticorpos de tireóide.
  • Sintomas neurológicos leves.
  • Irregularidades no sono.[95]
  • Reações anormais às drogas:
  1. Procaína e anestésicos opióides: isto porque, em parte, há um aumento da irritabilidade límbica no TPB. A administração de procaína estimula estruturas límbicas tais como a amígdala e o córtex cingulado, causando mais irritabilidade no humor dos pacientes TPB.[96]
  2. Os períodos de impregnação de algumas drogas são muito mais elevados e também parecem necessitar de doses maiores.
  3. O alprazolam pode piorar notavelmente a falta de controle da conduta do paciente.
  4. A amitriptilina parece aumentar as ameaças de suicídio, tendências agressivas e ideações paranóides[97] , especialmente em crianças e adolescentes que começam a desenvolver o TPB.
  1. Problemas no transporte de serotonina plaquetária[100] e na atividade da monoaminaoxidase (MAO)[101] .
  2. A paroxetina, um antidepressivo inibidor seletivo da recaptação da serotonina, tem uma capacidade de ligação inferior a esta enzima.[102]
  3. Nível baixo de melatonina.[103]
  4. Baixo nível de transporte de íons, especialmente o lítio.[104]
  • Anormalidades na tomografia axial computadorizada da cabeça.
  • Segundo alguns especialistas, é encontrado geralmente baixos níveis de vitamina B12 em pacientes borderlines.[105]

Critérios do DSM-IV-TR[editar | editar código-fonte]

A última versão do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders ou Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais (DSM-IV-TR) - o guia americano amplamente usado por médicos à procura de um diagnóstico de doenças mentais – define o TPL (código do DSM-IV-TR: 301.83) como: “um padrão invasivo de instabilidade dos relacionamentos interpessoais, auto-imagem e afetos e acentuada impulsividade, que começa no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos”. Um diagnóstico de TPL requer cinco dos nove critérios listados no DSM e que os mesmos estejam presentes por um significante período de tempo. Os critérios são[36] :

Critérios diagnósticos segundo o DSM-IV:
Sintomas afectivos
1. Instabilidade afetiva acentuada devida reatividade intensa do humor (por exemplo: episódios de disforia, irritabilidade, ou ansiedade geralmente durante algumas horas e raramente, no máximo, alguns dias).
2. Ira, ódio ou raiva inapropriados, intensos e de difícil controle (por exemplo: apresenta frequentes demonstrações de irritação, raiva constante, sentimento de vinganças, lutas corporais recorrentes.)
3. Sentimentos crônicos de vazio e tédio.
Sintomas impulsivos
4. Conduta recorrente de tentativas ou ameaças de suicídio e comportamentos de automutilação.
5. Um padrão de relacionamentos interpessoais instáveis e intensos, caracterizado por extremos de idealização e desvalorização, ou amor e ódio, bom ou mau etc.
6. Impulsividade em pelo menos duas áreas potencialmente prejudiciais à própria pessoa (por exemplo, exageros em: gastos financeiros, sexo, drogas, álcool, direção imprudente, comer, cleptomania ou outros tipos de compulsões.) Nota: não incluir comportamento suicida ou auto-mutilante estabelecido no critério 4.
Sintomas interpessoais
7. Esforços frenéticos para evitar um abandono/rejeição real ou imaginado. Nota: não incluir comportamento suicida ou auto-mutilante estabelecido no critério 4.
8. Instabilidade na identidade: auto-imagem, preferência sexual, gostos e valores persistentemente instáveis.
Sintomas cognitivos
9. Ideação paranoide transitória relacionada ao estresse, ou severos sintomas dissociativos.

Diagnósticos comparáveis[editar | editar código-fonte]

A Classificação Internacional de Doenças - Volume 10 (CID-10), da Organização Mundial da Saúde, tem um diagnóstico comparável chamado Transtorno de Personalidade Emocionalmente Instável – Tipo Borderline (F60.31). Nele (além do critério geral de transtorno de personalidade) se requer perturbações e incertezas sobre a auto-imagem, metas, preferências internas (incluindo sexualidade), oscilações de humor, tendência em se envolver em relações intensas e instáveis frequentemente levando a crises emocionais, excessivos esforços para se evitar abandono, pensamentos e ameaças recorrentes ou atos de auto lesão e suicídio; e sentimentos crônicos de vazio.

A Sociedade Chinesa de Psiquiatria tem outro diagnóstico comparável chamado Transtorno de Personalidade Impulsiva. Um paciente diagnosticado com TPI deve demonstrar "explosões afetivas" e "demonstrável comportamento impulsivo", mais três de oito sintomas. Este diagnóstico é descrito como um híbrido dos subtipos impulsivo e borderline do Transtorno de Personalidade Emocionalmente Instável do CID-10, e também incorpora seis dos nove critérios do DSM-IV-TR.[106]

Transtornos afetivos[editar | editar código-fonte]

O transtorno de personalidade borderline geralmente co-ocorre com transtornos de humor. Algumas características do TPB podem até coincidir com os mesmos distúrbios, dificultando a avaliação de diagnóstico diferencial.[107] [108] [109]

Ambos diagnósticos envolvem sintomas comumentes conhecidos como oscilações emocionais. Na doença bipolar do humor, o termo refere-se a episódios cíclicos de depressão e euforia que duram dias inteiros, semanas ou até mesmo meses, em geral. No bipolar, não aparecem sintomas como medo do abandono e rejeição, demonstrado através de raiva intensa e sentimentos de ciúmes patológico, rancor e vingança contra a outra pessoa, além do pensamento extremista e o mecanismo de cisão que é típica no TPB. No TBP, o humor é muito reativo, dependendo sempre das circunstâncias externas, tendo durações curtas (em segundos ou horas), enquanto que o bipolar possui um humor independente do ambiente externo, tendo durações maiores que o borderline (em um dia, semanas ou mais).

Uma situação borderline típica é marcada por instabilidade e reatividade emocional excessiva que é muitas vezes referida por desregulação emocional. O comportamento ocorre em resposta a extressores externos, intrapsíquicos e psicossociais, podendo aparecer e desaparecer, de repente e dramaticamente, durando segundos, minutos ou horas.

A depressão uni ou bipolar é mais generalizada, com perturbação do sono, apetite, assim como uma marcada ausência de resposta emocional, ao tempo que o estado de ânimo de uma personalidade borderline com co-ocorrência de uma distimia permanece com destacada reatividade e sem transtornos agudos do sono.[110]

Há um debate sobre a relação entre transtorno bipolar e TPB. Alguns especialistas argumentam que este último representa uma forma subliminar de transtorno afetivo[111] [112] , enquanto outros defendem a distinção entre as doenças, embora refira-se que muitas vezes ocorram simultaneamente.[113] [114]


Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

A Psicoterapia é o tratamento primário para transtorno de personalidade bordeline.[115] Tratamentos devem se basear nas necessidades do indivíduo, ao invés de no diagnostico geral de TPB. Medicamentos como antidepressivos são úteis para tratar transtornos comórbidos, tais como depressão e ansiedade[116] e alguns dos sintomas como clivagem, impulsividade e comportamento imprudente mostraram melhora com uso de antipsicóticos atípicos.[117] Hospitalizações de curto prazo não foram mais eficazes do que cuidados comunitários para melhorar os resultados ou como prevenção de comportamento suicida a longo prazo, naqueles com TPB.[118]

Medicamentos podem ser usados para tratar comorbidades e sintomas-alvo, mas a psicoterapia é importantíssima para um tratamento eficaz.[119]

Psicoterapia[editar | editar código-fonte]

Terapia de longo prazo é atualmente o tratamento mais indicado para TPB.[120] Existem cinco tratamentos deste tipo disponíveis: Tratamento baseado em mentalização, Psicoterapia focada em transferência, Terapia comportamental dialética (TCD), tratamento geral psiquiátrico e terapia do esquema.[12] Enquanto a TCD é a terapia que mais foi estudada, pesquisas empíricas e estudos de caso demonstram que todos esses tratamentos são eficazes para tratar TPB, exceto a terapia do esquema.[12] No longo prazo qualquer terapia, incluindo a terapia do esquema, é melhor do que nenhum tratamento, especialmente na redução da compulsão por se automutilar.[120]

As terapias baseadas em mentalização e focadas em transferência são baseadas em princípios psicodinâmicos enquanto a terapia comportamental dialética se baseia em princípios cognitivos-comportamentais e na atenção plena.[120] O tratamento geral psiquiátrico combina os princípios fundamentais de cada um destes tratamentos é considerado mais fácil de aprender e menos intensivo.[12] Testes aleatórios controlados demonstraram que os mais eficazes são a terapia comportamental dialética e baseada em mentalização, sendo que elas compartilham muitas semelhanças.[121] [122] Pesquisadores estão interessados em desenvolver versões mais curtas dessas terapias para aumentar sua disponibilidade, reduzir o impacto financeiro para os pacientes e diminuir a carga de recursos que quem provê o tratamento deve alocar.[120] [122]

De uma perspectiva psicodinâmica, um problema especial da psicoterapia com pessoas com TPB é a intensa projeção. Ela requer que o terapeuta seja flexível ao considerar atribuições negativas pelo paciente ao invés de rapidamente interpretar a projeção.[123]

Alguns outros exemplos de terapias indicadas as pessoas com TPB incluem:

  • Terapia comportamental dialética: Estabelecida nos anos 1990, a terapia comportamental dialética se tornou uma forma de tratamento do TPB, originada principalmente como uma intervenção para pacientes com comportamento suicida. Essa forma de psicoterapia deriva da terapia cognitivo-comportamental e enfatiza a troca e negociação entre o terapeuta e o cliente, entre o racional e o emocional, e entre a aceitação e a mudança. O tratamento tem como alvo os problemas com a automutilação. O aprendizado de novas habilidades é um componente principal, incluindo consciência, eficácia interpessoal, cooperação adaptativa com decepções e crises; e na correta identificação e regulação de reações emocionais.
  • Terapia do esquema: Outra forma de terapia que também se estabeleceu nos anos 1990 e tem como base uma aproximação integrativa derivada de técnicas cognitivas-comportamentais juntamente com relações objetais e técnicas da gestalt. Esta terapia se direciona aos mais profundos aspectos da emoção, personalidade e esquemas (modos fundamentais de relacionamento com o mundo). A terapia também foca o relacionamento com o terapeuta (incluindo um processo de quase paternidade), vida diária fora da terapia, e experiências traumáticas na infância.
  • Terapia cognitivo-comportamental: A TCC é o tratamento psicológico mais usado em doenças mentais, mas parece ter menos sucesso no TPB, devido parcialmente às dificuldades no desenvolvimento de uma relação terapêutica e aderência à terapia. Um estudo recente descobriu que resultados com essa terapia aparecem, em média, depois de 16 sessões ao longo de um ano.
  • Terapia matrimonial ou familiar: Terapia matrimonial pode ajudar na estabilização da relação matrimonial e na redução dos conflitos matrimoniais que podem piorar os sintomas do TPB. Terapia familiar pode ajudar a educar os membros da família acerca do TPB, melhorar a comunicação familiar, e prover suporte aos membros da família ao lidar com a doença de seus amados.

Um dos maiores problemas com as psicoterapias são os elevados números de abandono do tratamento pelos portadores de TPB.

Medicamentos[editar | editar código-fonte]

Uma revisão de 2010 da Colaboração Cochrane evidenciou que nenhuma medicação demonstrou ser promissora para "os sintomas principais de TPB como sentimento de vazio crônico, perturbações de identidade e abandono." Entretanto, os autores descobriram que alguns medicamentos podem afetar sintomas isolados associados ao TPB ou as suas comorbidades.[124]

Dos antipsicóticos típicos estudados no TPB, o haloperidol pode reduzir a raiva e o flupentixol pode reduzir as chances de comportamento suicida. Entre os antipsicóticos atípicos, a aripiprazol pode reduzir problemas interpessoais, impulsividade, raiva, sintomas psicóticos paranóides, depressão, ansiedade e patologias psiquiátricas gerais. A Olanzapina pode diminuir a instabilidade afetiva, raiva, sintomas psicóticos paranóides e ansiedade mas um placebo teve um impacto mais positivo na ideação suicida do que a olanzapina. Os efeitos da ziprasidona não foram significativos.[124]

Dos estabilizadores do humor estudados, valproato semisódio pode aliviar a depressão, problemas interpessoais e raiva. Lamotrigina pode reduzir impulsividade e raiva; topiramato pode aliviar problemas interpessoais, impulsividade, ansiedade, raiva e patologias psiquiátricas gerais. O efeito da carbamazepina não foram significativos. antidepressivos, a amitriptilina pode reduzir a depressão, mas mianserina, fluoxetina, fluvoxamina e sulfato de fenilzina não tiveram efeito. Os ácidos graxos ômega 3 podem melhorar a taxa de suicídios e a depressão. Em 2010, experimentos com esses medicamentos não tinha sido replicados e os efeitos de seu uso a longo prazo não foi avaliado.[124]

Por causa das fracas evidências e do potencial para efeitos colaterais sérios pelo uso dessas medicações, os parâmetros clínicos para tratamento e gerenciamento de TPB do Instituto NICE do Reino Unido, publicado em 2009, recomenda: "Medicamentos não devem ser usados especificamente para transtorno de personalidade borderline ou para os sintomas individuais ou comportamentos associados ao transtorno." Entretanto, "medicamentos podem ser considerados no tratamento geral de comorbidades." Eles sugerem uma "revisão no tratamento de pessoas com transtorno de personalidade borderline que não foram diagnosticadas com uma comorbidade mental ou doença física e que atualmente são tratadas através da prescrição de medicamentos, com o objetivo de reduzir e parar o tratamento com drogas desnecessário."[125]

Serviços[editar | editar código-fonte]

Existe uma diferença significativa entre o número daqueles que se beneficiariam do tratamento e do número daqueles que são tratados. O assim chamado "gap do tratamento" é uma função da desinclinação dos afligidos em se submeter ao tratamento, o número de diagnósticos inferior ao real pelos profissionais de saúde e a limitada disponibilização e acesso a tratamentos em estado da arte.[126] Não obstante, indivíduos com TPB responderam por cerca de 20 porcento das hospitalizações psiquiátricas em uma pesquisa.[127] A maioria dos indivíduos com TPB que estão em tratamento continua usando o tratamento ambulatorial por muitos anos, mas o número daqueles que usam as formas de tratamento mais restritivas e custosas, como internações, diminui com o tempo.[128] A experiência dos prestadores de serviço varia.[129] Mensurar o risco de suicídio pode ser um desafio para os profissionais e os pacientes tendem a subestimar a letalidade de comportamentos autodestrutivos. Pessoas com TPB tipicamente tem um risco cronicamente elevado de suicídio, muito acima do da população em geral, além de um histórico de múltiplas tentativas quando em crise.[130] Aproximadamente metade dos indivíduos que cometem suicídio atendem ao critério para um transtorno de personalidade. Transtorno de personalidade borderline permanece como o transtorno de personalidade mais comumente associado com o suicídio.[131]

Prognóstigo[editar | editar código-fonte]

Com tratamento, a maioria das pessoas com TPB pode encontrar alívio dos sintomas mais angustiantes e alcançar remissão, definida como uma pausa consistentes nos sintomas por pelo menos dois anos.[132] [133] Um estudo longitudinal que acompanhava os sintomas de pessoas com TPB descobriram que 34.5% atingiam a remissão depois de dois anos do início do estudo. Dentro de quatro anos, 49.4% atingiram a remissão e, dentro de seis anos, 68.6% haviam atingido a remissão. No final do estudo, 73.5% dos participantes estavam em remissão.[132] Além disso, daqueles que atingiram a recuperação dos sintomas, só 5.9% tiveram recaídas. Um estudo posterior descobriu que dez anos depois da data inicial (durante a hospitalização), 86% dos pacientes tem sustentada e estável recuperação dos sintomas.[134]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A prelavência do TPB foi inicialmente estimada em 1 a 2 por cento da população em geral[133] [135] e ocorrem três vezes mais frequentemente em mulheres do que em homens.[136] [137] No entanto, a prevalência de TPB em um estudo de 2008 verificou-se ser de 5,9% da população geral, ocorrendo em 5,6% dos homens e 6,2% das mulheres.[89] A diferença nas taxas entre homens e mulheres neste estudo não considerada estatisticamente diferente.[89]

Transtorno de personalidade borderline é estimado contribuir em 20 por cento das internações psiquiátricas e ocorrem entre 10 por cento dos pacientes ambulatoriais.[6]

História[editar | editar código-fonte]

A coexistência de intenso humor divergente dentro de um indivíduo foi reconhecido por Homero, Hipócrates e Areteu, o último descrevendo a presença hesitante de raiva impulsiva, melancolia e mania dentro de uma única pessoa. O conceito foi revivido pelo médico suíço Théophile Bonet em 1684, que usando o termo folie maniaco-mélancolique,[138] [139] descreveu o fenômeno dos humores instáveis ​​que se seguiam em curso imprevisível. Outros escritores observaram o mesmo padrão, incluindo o psiquiatra norte-americano C. Hughes em 1884 e J. C. Rosse em 1890, que chamou o transtorno "insanidade limítrofe".[140] Em 1921, Kraepelin identificou uma "personalidade excitável" que se aproxima bastante das características borderline descritas no conceito atual de TPB.[141]

O primeiro trabalho psicanalítico significativo a usar o termo borderline/fronteira foi escrito por Adolf Stern em 1938.[142] Ele descreveu um grupo de pacientes portadores do que ele pensava ser uma forma leve de esquizofrenia, na fronteira entre a neurose e a psicose.

Os anos 1960 e 1970 viram uma mudança de pensamento sobre a condição borderline ser esquizofrenia e passou a ser considerada como um transtorno afetivo limítrofe (transtorno de humor), à margem do transtorno bipolar, ciclotimia e distimia. O DSM-II, sublinhando a intensidade e a variabilidade dos humores, chamou de "personalidade ciclotímica" (personalidade afetiva).[3] Enquanto o termo "fronteira" estava evoluindo para se referir a uma categoria distinta de desordem, psicanalistas, como Otto Kernberg o estavam usando para se referir a um amplo espectro de questões, descrevendo um nível intermediário de organização da personalidade[141] entre a neurose e psicose.[143]

Depois que critérios padronizados foram desenvolvidos[144] para distingui-lo de transtornos de humor de outros transtornos do Eixo I, o TPB tornou-se um diagnóstico de transtorno de personalidade em 1980, com a publicação do DSM-III.[133] O diagnóstico foi distinguido da esquizofrenia sub-sindrômica que foi chamada de "transtorno de personalidade esquizotípica".[143] O Eixo II do DSM-IV do Trabalho da Associação Americana de Psiquiatria finalmente decidiu sobre o nome "transtorno de personalidade borderline", que ainda está em uso pelo DSM-IV hoje.[145] No entanto, o termo "limite" tem sido descrito como exclusivamente insuficiente para descrever os sintomas característicos desse transtorno.[146]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Em português
Outros idiomas

Referências

  1. Borderline, Amborder, Departamento de Psiquiatria da Unifesp
  2. a b American Psychiatric Association 2013
  3. a b c d e American Psychiatric Association 2000[falta página]>
  4. Alfredo Cataldo Neto. Psiquiatria para estudantes de medicina. EDIPUCRS; 2003. ISBN 978-85-7430-370-3. p. 573.
  5. Linehan 1993
  6. a b BPD Fact Sheet National Educational Alliance for Borderline Personality Disorder (2013).
  7. a b American Psychiatric Association 2013
  8. Linehan et al. 2006, pp. 757–66
  9. Borderline Personality Disorder: Proposal to include a supplementary name in the DSM-IV text revision Borderline Personality Today.
  10. a b c Borderline personality disorder Mayo Clinic. Visitado em 15 May 2008.
  11. Bogod, Elizabeth. "Borderline Personality Disorder Label Creates Stigma". Página visitada em 2013.
  12. a b c d e f g h i j k l m Gunderson, John G.. (26 May 2011). "Borderline Personality Disorder". The New England Journal of Medicine 364 (21): 2037–2042. DOI:10.1056/NEJMcp1007358. PMID 21612472.
  13. Linehan 1993
  14. a b Manning 2011
  15. a b c d Linehan 1993
  16. a b Linehan 1993
  17. Stiglmayr CE, Grathwol T, Linehan MM, Ihorst G, Fahrenberg J, Bohus M. (May 2005). "Aversive tension in patients with borderline personality disorder: a computer-based controlled field study". Acta Psychiatr Scand 111 (5): 372–9. DOI:10.1111/j.1600-0447.2004.00466.x. PMID 15819731.
  18. a b c d e Brown MZ, Comtois KA, Linehan MM. (February 2002). "Reasons for suicide attempts and nonsuicidal self-injury in women with borderline personality disorder". J Abnorm Psychol 111 (1): 198–202. DOI:10.1037/0021-843X.111.1.198. PMID 11866174.
  19. a b c Zanarini MC, Frankenburg FR, DeLuca CJ, Hennen J, Khera GS, Gunderson JG. (1998). "The pain of being borderline: dysphoric states specific to borderline personality disorder". Harv Rev Psychiatry 6 (4): 201–7. DOI:10.3109/10673229809000330. PMID 10370445.
  20. Koenigsberg HW, Harvey PD, Mitropoulou V, et al.. (May 2002). "Characterizing affective instability in borderline personality disorder". Am J Psychiatry 159 (5): 784–8. DOI:10.1176/appi.ajp.159.5.784. PMID 11986132.
  21. National Education Alliance for Borderline Personality Disorder. A BPD Brief. Visitado em 2013.
  22. a b c d e Manning 2011
  23. Hawton K, Townsend E, Arensman E, et al.. (2000). "Psychosocial versus pharmacological treatments for deliberate self harm". Cochrane Database of Systematic Reviews (2): CD001764. DOI:10.1002/14651858.CD001764. PMID 10796818.
  24. Gunderson, John G.; Links, Paul S.. Borderline Personality Disorder: A Clinical Guide. 2nd. ed. [S.l.]: American Psychiatric Publishing, Inc, 2008. p. 9. ISBN 978-1585623358.
  25. Kreisman J, Strauss H. Sometimes I Act Crazy. Living With Borderline Personality Disorder. [S.l.]: Wiley & Sons, 2004. p. 206.
  26. Paris J. Treatment of Borderline Personality Disorder. A Guide to Evidence-Based Practice. [S.l.]: The Guilford Press, 2008. 21–22 pp.
  27. Soloff P.H., Lis J.A., Kelly T. et al.. (1994). "Self-mutilation and suicidal behavior in borderline personality disorder". Journal of Personality Disorders 8 (4): 257–67. DOI:10.1521/pedi.1994.8.4.257.
  28. Gardner D.L., Cowdry R.W.. (1985). "Suicidal and parasuicidal behavior in borderline personality disorder". Psychiatric Clinics of North America 8 (2): 389–403. PMID 3895199.
  29. Horesh N, Sever J, Apter A. (Jul–August 2003). "A comparison of life events between suicidal adolescents with major depression and borderline personality disorder". Compr Psychiatry 44 (4): 277–83. DOI:10.1016/S0010-440X(03)00091-9. PMID 12923705.
  30. a b Arntz A. (September 2005). "Introduction to special issue: cognition and emotion in borderline personality disorder". Behav Ther Exp Psychiatry 36 (3): 167–72. DOI:10.1016/j.jbtep.2005.06.001. PMID 16018875.
  31. What Is BPD: Symptoms. Visitado em January 2013.
  32. Robinson, David J.. Disordered Personalities. [S.l.]: Rapid Psychler Press, 2005. 255–310 pp. ISBN 1-894328-09-4.
  33. Levy KN, Meehan KB, Weber M, Reynoso J, Clarkin JF. (2005). "Attachment and borderline personality disorder: implications for psychotherapy". Psychopathology 38 (2): 64–74. DOI:10.1159/000084813. PMID 15802944.
  34. a b Daley SE, Burge D, Hammen C. (August 2000). "Borderline personality disorder symptoms as predictors of 4-year romantic relationship dysfunction in young women: addressing issues of specificity". J Abnorm Psychol 109 (3): 451–60. DOI:10.1037/0021-843X.109.3.451. PMID 11016115.
  35. Zanarini MC, Frankenburg FR, Reich DB, Silk KR, Hudson JI, McSweeney LB. (June 2007). "The subsyndromal phenomenology of borderline personality disorder: a 10-year follow-up study". Am J Psychiatry 164 (6): 929–35. DOI:10.1176/appi.ajp.164.6.929. PMID 17541053.
  36. a b Borderline Personality Disorder DSM-IV Criteria BPD Today. Visitado em 21 September 2007.
  37. Potter NN. (April 2006). "What is manipulative behavior, anyway?". J. Pers. Disord. 20 (2): 139–56; discussion 181–5. DOI:10.1521/pedi.2006.20.2.139. PMID 16643118.
  38. a b c Manning 2011
  39. a b c d Manning 2011
  40. (1993) "The phenomenological and conceptual interface between borderline personality disorder and PTSD". Am J Psychiatry 150 (1): 19–27. PMID 8417576.
  41. a b Kluft, Richard P.. Incest-Related Syndromes of Adult Psychopathology. [S.l.]: American Psychiatric Pub, Inc., 1990. 83, 89 pp. ISBN 0-88048-160-9.
  42. (1997) "Pathways to the development of borderline personality disorder". J. Pers. Disord. 11 (1): 93–104. DOI:10.1521/pedi.1997.11.1.93. PMID 9113824.
  43. a b Grohol, John M. (30 Jan 2013). Borderline Personality Disorder psychcentral.com.
  44. et al.. (2000) "A twin study of personality disorders". Compr Psychiatry 41 (6): 416–25. DOI:10.1053/comp.2000.16560. PMID 11086146.
  45. Torgersen, S. (March 2000). "Genetics of patients with borderline personality disorder". Psychiatr. Clin. North Am. 23 (1): 1–9. DOI:10.1016/S0193-953X(05)70139-8. PMID 10729927.
  46. (December 2004) "Trauma, genes, and the neurobiology of personality disorders". Annals of the New York Academy of Sciences 1032: 104–16. DOI:10.1196/annals.1314.008. PMID 15677398. Bibcode2004NYASA1032..104G.
  47. a b c Possible Genetic Causes Of Borderline Personality Disorder Identified sciencedaily.com (20 Dec 2008).
  48. a b c O'Neil, Aisling. (January 18, 2012). "Brain structure and function in borderline personality disorder". Brain Structure and Function. DOI:10.1007/s00429-012-0379-4.
  49. a b c Chapman & Gratz 2007
  50. Szeszko PR, Robinson D, Alvir JM, et al.. (October 1999). "Orbital frontal and amygdala volume reductions in obsessive-compulsive disorder". Arch. Gen. Psychiatry 56 (10): 913–9. DOI:10.1001/archpsyc.56.10.913. PMID 10530633.
  51. Herpertz SC, Dietrich TM, Wenning B, et al.. (August 2001). "Evidence of abnormal amygdala functioning in borderline personality disorder: a functional MRI study". Biol. Psychiatry 50 (4): 292–8. DOI:10.1016/S0006-3223(01)01075-7. PMID 11522264.
  52. a b Schmahl CG, Elzinga BM, Vermetten E, Sanislow C, McGlashan TH, Bremner JD. (July 2003). "Neural correlates of memories of abandonment in women with and without borderline personality disorder". Biol. Psychiatry 54 (2): 142–51. DOI:10.1016/S0006-3223(02)01720-1. PMID 12873804.
  53. Chapman & Gratz 2007
  54. Grossman R, Yehuda R, Siever L. (June 1997). "The dexamethasone suppression test and glucocorticoid receptors in borderline personality disorder". Annals of the New York Academy of Sciences 821: 459–64. DOI:10.1111/j.1749-6632.1997.tb48305.x. PMID 9238229. Bibcode1997NYASA.821..459G.
  55. a b Chapman & Gratz 2007
  56. van Heeringen K, Audenaert K, Van de Wiele L, Verstraete A. (November 2000). "Cortisol in violent suicidal behaviour: association with personality and monoaminergic activity". J Affect Disord 60 (3): 181–9. DOI:10.1016/S0165-0327(99)00180-9. PMID 11074106.
  57. DeSoto, M. Catherine. In: M. Catherine. Psychoneuroendocrinology Research Trends. [S.l.]: Nova Science Publishers, 2007. 149–60 pp. ISBN 978-1-60021-665-7.
  58. DeSoto MC, Geary DC, Hoard MK, Sheldon MS, Cooper L. (August 2003). "Estrogen fluctuations, oral contraceptives and borderline personality". Psychoneuroendocrinology 28 (6): 751–66. DOI:10.1016/S0306-4530(02)00068-9. PMID 12812862.
  59. Zanarini MC, Gunderson JG, Marino MF, Schwartz EO, Frankenburg FR. (Jan–February 1989). "Childhood experiences of borderline patients". Comprehensive Psychiatry 30 (1): 18–25. DOI:10.1016/0010-440X(89)90114-4. PMID 2924564.
  60. Brown GR, Anderson B. (January 1991). "Psychiatric morbidity in adult inpatients with childhood histories of sexual and physical abuse". Am J Psychiatry 148 (1): 55–61. PMID 1984707.
  61. Herman, Judith Lewis; Judith Herman MD. Trauma and recovery. New York: BasicBooks, 1992. ISBN 0-465-08730-2.
  62. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas AxisOne.2FAxisTwo
  63. Zanarini M.C., Frankenburg F.R.. (1997). "Pathways to the development of borderline personality disorder". Journal of Personality Disorders 11 (1): 93–104. DOI:10.1521/pedi.1997.11.1.93. PMID 9113824.
  64. a b c Zanarini MC, Frankenburg FR, Reich DB, et al.. (2000). "Biparental failure in the childhood experiences of borderline patients". J Personal Disord 14 (3): 264–73. DOI:10.1521/pedi.2000.14.3.264. PMID 11019749.
  65. Dozier, Mary; Stovall-McClough, K. Chase; Albus, Kathleen E.. In: Mary. Handbook of attachment. New York: Guilford Press, 1999. 497–519 pp.
  66. name="Harris-1998">Harris, Judith Rich. In: Judith Rich. The Nurture Assumption.. [S.l.: s.n.].
  67. a b (September 2005) "Thought suppression mediates the relationship between negative affect and borderline personality disorder symptoms". Behav Res Ther 43 (9): 1173–85. DOI:10.1016/j.brat.2004.08.006. PMID 16005704.
  68. Chapman & Gratz 2007
  69. Anthony C. Ruocco, Sathya Amirthavasagam, Lois W. Choi-Kain, Shelley F. McMain. Neural Correlates of Negative Emotionality in Borderline Personality Disorder: An Activation-Likelihood-Estimation Meta-Analysis" Biological Psychiatry 2013; 73 (2) 153 DOI:10.1016/j.biopsych.2012.07.014
  70. Kernberg, Otto F.. Borderline conditions and pathological narcissism. Northvale, N.J.: J. Aronson. ISBN 0-87668-762-1. [falta página]
  71. a b c d Ayduk O, Zayas V, Downey G, Cole AB, Shoda Y, Mischel W. (February 2008). "Rejection Sensitivity and Executive Control: Joint predictors of Borderline Personality features". J Res Pers 42 (1): 151–168. DOI:10.1016/j.jrp.2007.04.002. PMID 18496604.
  72. (2012) "Impaired working memory and normal sustained attention in borderline personality disorder". Acta Neuropsychiatrica 24 (6): 349–55. DOI:10.1111/j.1601-5215.2011.00630.x.
  73. Bradley R, Jenei J, Westen D. (January 2005). "Etiology of borderline personality disorder: disentangling the contributions of intercorrelated antedents". J. Nerv. Ment. Dis. 193 (1): 24–31. DOI:10.1097/01.nmd.0000149215.88020.7c. PMID 15674131.
  74. (September 2006) "Borderline personality disorder features: the role of self-discrepancies and self-complexity". Psychol Psychother 79 (Pt 3): 309–21. DOI:10.1348/147608305X70072. PMID 16945194.
  75. (February 2009) "Relationships between thought suppression and symptoms of borderline personality disorder". J. Pers. Disord. 23 (1): 48–61. DOI:10.1521/pedi.2009.23.1.48. PMID 19267661.
  76. a b c Personality Disorders: Tests and Diagnosis Mayo Clinic. Visitado em 13 June 2013.
  77. a b American Psychiatric Association 2013
  78. American Psychiatric Association 2013
  79. a b Manning 2011
  80. Emotionally unstable personality disorder – International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems 10th Revision (ICD-10) – World Health Organization
  81. a b Hoffman PD, Buteau E, Hooley JM, Fruzzetti AE, Bruce ML. (2003). "Family members' knowledge about borderline personality disorder: correspondence with their levels of depression, burden, distress, and expressed emotion". Fam Process 42 (4): 469–78. DOI:10.1111/j.1545-5300.2003.00469.x. PMID 14979218.
  82. Allen DM, Farmer RG. (1996). "Family relationships of adults with borderline personality disorder". Compr Psychiatry 37 (1): 43–51. DOI:10.1016/S0010-440X(96)90050-4. PMID 8770526.
  83. Linehan 1993
  84. a b Netherton, S.D.; Holmes, D.; Walker, C.E.. In: S.D.. Child and Adolescent Psychological Disorders: Comprehensive Textbook. New York, NY: Oxford University Press, 1999. [falta página]
  85. Miller AL, Muehlenkamp JJ, Jacobson CM. (July 2008). "Fact or fiction: diagnosing borderline personality disorder in adolescents". Clin Psychol Rev 28 (6): 969–81. DOI:10.1016/j.cpr.2008.02.004. PMID 18358579.
  86. Linehan 1993
  87. a b c d e f g h Zanarini MC, Frankenburg FR, Dubo ED, et al.. (December 1998). "Axis I comorbidity of borderline personality disorder". Am J Psychiatry 155 (12): 1733–9. PMID 9842784.
  88. a b Ferrer M, Andión O, Matalí J, et al.. (December 2010). "Comorbid attention-deficit/hyperactivity disorder in borderline patients defines an impulsive subtype of borderline personality disorder". J. Pers. Disord. 24 (6): 812–22. DOI:10.1521/pedi.2010.24.6.812. PMID 21158602.
  89. a b c d e f Grant BF, Chou SP, Goldstein RB, et al.. (April 2008). "Prevalence, correlates, disability, and comorbidity of DSM-IV borderline personality disorder: results from the Wave 2 National Epidemiologic Survey on Alcohol and Related Conditions". J Clin Psychiatry 69 (4): 533–45. DOI:10.4088/JCP.v69n0404. PMID 18426259.
  90. Gregory, Robert J. (November 1, 2006). Clinical Challenges in Co-occurring Borderline Personality and Substance Use Disorders Psychiatric Times.
  91. (2008) "Borderline personality disorder and autism spectrum disorder in females: A cross-sectional study". Clinical Neuropsychiatry 5 (1): 22–30.
  92. Millon, Theodore. In: Theodore. Personality Disorders in Modern Life. Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, 2004. p. 4. ISBN 0-471-23734-5.
  93. Driessen M. y otros Stability of the dexamethasone suppression test in borderline personality disorder with and without comorbid PTSD: a one-year follow-up study. J Clin Psychol. 2007 Sep;63(9):843-50 PMID 17674401
  94. Geracioti TD Jr, Kling MA, Post RM, Gold PW, Antithyroid antibody-linked symptoms in borderline personality disorder, Endocrine. 2003 Jul;21(2):153-8 PMID 12897379
  95. Riemann, D: Increased delta power and discrepancies in objective and subjective sleep measurements in borderline personality disorder, J Psychiatr Res. 2005 Sep;39(5):489-98 PMID 15992558
  96. Goodman,M y Siever,L: Current Psychological and Psychopharmacologic Treatmentsof Borderline PersonalityDisorder[1]
  97. Dr Leeland heller, "the borderline experience
  98. Muir, WJ: Auditory P300 in borderline personality disorder and schizophrenia, Arch Gen Psychiatry. 1987 Jul;44(7):645-50 PMID 3606330
  99. St Clair DM. y otros: Auditory P300 does not differentiate borderline personality disorder from schizotypal personality disorder, Biol Psychiatry. 1989 Dec;26(8):766-74 PMID 2590690
  100. Mann JJ,The relationship of platelet 5-HT2 receptor indices to major depressive disorder, personality traits, and suicidal behavior. Biol Psychiatry. 1994 Mar 1;35(5):295-308 PMID 8011798
  101. Van Kempen GM, Platelet serotonin, monoamine oxidase activity, and [3H]paroxetine binding related to impulsive suicide attempts and borderline personality disorder', Biol Psychiatry. 1998 May 15;43(10):740-6 PMID 9606528
  102. Nair, NP: Impaired platelet [3H]paroxetine binding in female patients with borderline personality disorder, 2005 Nov;182(3):447-51 PMID 16052363
  103. van Kempen GM, y otros: Suicidality, circadian activity rhythms and platelet serotonergic measures in patients with recurrent suicidal behaviour, Acta Psychiatr Scand. 1996 Jan;93(1):27-34
  104. Altman, EG y otros: EEG sleep, lithium transport, dexamethasone suppression, and monoamine oxidase activity in borderline personality disorder, Psychiatry Res. 1988 Jul;25(1):19-30 PMID 3217463
  105. [www.biologicalunhappiness.com/BPDiscSp.htm biologicalunhappiness]
  106. Zhong, J.; F. Leung (2007-01-05). "Should borderline personality disorder be included in the fourth edition of the Chinese classification of mental disorders?" Chin Med J (English) 120 (1): 77-82. Accedida el 2007-09-21.
  107. Bolton, S.; J.G. Gunderson (September 1996). "Distinguishing borderline personality disorder from bipolar disorder: differential diagnosis and implications". Am J Psychiatry 153 (9): 1202-7. Accedido el 2007-09-21.
  108. (2001). "Treatment of Patients With Borderline Personality Disorder". APA Practice Guidelines. Retrieved on 2007-09-21.
  109. "Differential Diagnosis of Borderline Personality Disorder". BPD Today. Accedido el 2007-09-21.
  110. Goodwin, F.K.; K.R. Jamison (1990). Manic-Depressive Illness. New York: Oxford University Press, pp. 108-110. ISBN 0-19-503934-3.
  111. Akiskal, H.S.; B.I. Yerevanian, G.C. Davis, et al. (1985). "The nosologic status of borderline personality: Clinical and polysomnographic study". Am J Psychiatry (142): 192-8
  112. Gunderson, J.G.; G.R. Elliott (1985). "The interface between borderline personality disorder and affective disorder". Am J Psychiatry. (142):277-288.
  113. McGlashan, T.H. (1983). "The borderline syndrome: Is it a variant of schizophrenia or affective disorder?" Arch Gen Psychiatry. (40): 1319-23.
  114. Pope, H.G. Jr.; J.M. Jonas, J.I. Hudson, et al. (1983). "The validity of DSM-III borderline personality disorder: A phenomenologic, family history, treatment response, and long term follow up study". Arch Gen Psychiatry (40): 23-30.
  115. Leichsenring F, Leibing E, Kruse J, New AS, Leweke F. (January 2011). "Borderline personality disorder". Lancet 377 (9759): 74–84. DOI:10.1016/S0140-6736(10)61422-5. PMID 21195251.
  116. CG78 Borderline personality disorder (BPD): NICE guideline Nice.org.uk (28 January 2009). Visitado em 12 August 2009.
  117. Atypical antipsychotics and borderline personality disorder webmd.com (8 March 2013). Visitado em 18 August 2014.
  118. Paris J. (June 2004). "Is hospitalization useful for suicidal patients with borderline personality disorder?". J. Pers. Disord. 18 (3): 240–7. DOI:10.1521/pedi.18.3.240.35443. PMID 15237044.
  119. Carvalho, André F; Stracke, Cristiane B; Souza, Fábio G. de Matos e. Tratamento farmacológico do transtorno de personalidade limítrofe: revisão crítica da literatura e desenvolvimento de algoritmos / Pharmacological treatment of borderline personality disorder: critical review of the literature and development of algorithms. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul;26(2):176-189, maio-ago. 2004. ilus, tab. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-81082004000200007
  120. a b c d Zanarini MC. (November 2009). "Psychotherapy of borderline personality disorder". Acta Psychiatr Scand 120 (5): 373–7. DOI:10.1111/j.1600-0447.2009.01448.x. PMID 19807718.
  121. Linehan MM, Comtois KA, Murray AM, et al.. (July 2006). "Two-year randomized controlled trial and follow-up of dialectical behavior therapy vs therapy by experts for suicidal behaviors and borderline personality disorder". Arch. Gen. Psychiatry 63 (7): 757–66. DOI:10.1001/archpsyc.63.7.757. PMID 16818865.
  122. a b Paris J. (February 2010). "Effectiveness of different psychotherapy approaches in the treatment of borderline personality disorder". Curr Psychiatry Rep 12 (1): 56–60. DOI:10.1007/s11920-009-0083-0. PMID 20425311.
  123. Mark J. Blechner (July 1994) "Projective identification, countertransference, and the 'maybe-me'". Contemporary Psychoanalysis 30 (3): 619–30.
  124. a b c Binks CA, Fenton M, McCarthy L, Lee T, Adams CE, Duggan C. (2006). "Pharmacological interventions for people with borderline personality disorder". Cochrane Database of Systematic Reviews (1): CD005653. DOI:10.1002/14651858.CD005653. PMID 16437535.
  125. The UK National Institute for Health and Clinical Excellence (NICE) 2009 clinical guideline for the treatment and management of BPD. Visitado em 6 September 2011.
  126. Johnson, R. Skip. "Treatment of Borderline Personality Disorder", BPDFamily.com, 26 July 2014. Página visitada em 5 August 2014.
  127. Zanarini MC, Frankenburg FR, Khera GS, Bleichmar J. (2001). "Treatment histories of borderline inpatients". Compr Psychiatry. 42 (2): 144–50. DOI:10.1053/comp.2001.19749. PMID 11244151.
  128. Zanarini MC, Frankenburg FR, Hennen J, Silk KR. (January 2004). "Mental health service utilization by borderline personality disorder patients and Axis II comparison subjects followed prospectively for 6 years". J Clin Psychiatry 65 (1): 28–36. DOI:10.4088/JCP.v65n0105. PMID 14744165.
  129. Fallon P. (August 2003). "Travelling through the system: the lived experience of people with borderline personality disorder in contact with psychiatric services". J Psychiatr Ment Health Nurs 10 (4): 393–401. DOI:10.1046/j.1365-2850.2003.00617.x. PMID 12887630.
  130. Assessing Suicide Risk in Patients With Borderline Personality Disorder Psychiatric Times (July 1, 2004).
  131. Lieb K, Zanarini MC, Schmahl C, Linehan MM, Bohus M. (2004). "Borderline personality disorder". Lancet 364 (9432): 453–61. DOI:10.1016/S0140-6736(04)16770-6. PMID 15288745.
  132. a b Zanarini MC, Frankenburg FR, Hennen J, Silk KR. (February 2003). "The longitudinal course of borderline psychopathology: 6-year prospective follow-up of the phenomenology of borderline personality disorder". Am J Psychiatry 160 (2): 274–83. DOI:10.1176/appi.ajp.160.2.274. PMID 12562573.
  133. a b c Oldham (July 2004). Borderline Personality Disorder: An Overview Psychiatric Times.
  134. Zanarini MC, Frankenburg FR, Reich DB, Fitzmaurice G. (June 2010). "Time to attainment of recovery from borderline personality disorder and stability of recovery: A 10-year prospective follow-up study". Am J Psychiatry 167 (6): 663–7. DOI:10.1176/appi.ajp.2009.09081130. PMID 20395399.
  135. (1990) "Estimating the Prevalence of Borderline Personality Disorder in the Community". Journal of Personality Disorders 4 (3): 257. DOI:10.1521/pedi.1990.4.3.257.
  136. Skodol AE, Bender DS. (2003). "Why are women diagnosed borderline more than men?". Psychiatr Q 74 (4): 349–60. DOI:10.1023/A:1026087410516. PMID 14686459.
  137. Korzekwa MI, Dell PF, Links PS, Thabane L, Webb SP. (2008). "Estimating the prevalence of borderline personality disorder in psychiatric outpatients using a two-phase procedure". Compr Psychiatry 49 (4): 380–6. DOI:10.1016/j.comppsych.2008.01.007. PMID 18555059.
  138. Millon, Grossman & Meagher 2004, p. 172
  139. Ghedin, Walter Hugo Dr.. Las enfermedades mentales. Ediciones LEA; ISBN 978-987-634-499-9. p. 193.
  140. C. Hughes. (1884). "Borderline psychiatric records – prodronal symptoms of physical impairments". Alienists & Neurology 5: 85–90.
  141. a b Millon 1996, pp. 645–690
  142. Stern, Adolf. (1938). "Psychoanalytic investigation of and therapy in the borderline group of neuroses". Psychoanalytic Quarterly 7: 467–489.
  143. a b Aronson TA. (August 1985). "Historical perspectives on the borderline concept: a review and critique". Psychiatry 48 (3): 209–22. PMID 3898174.
  144. Gunderson JG, Kolb JE, Austin V. (July 1981). "The diagnostic interview for borderline patients". Am J Psychiatry. 138 (7): 896–903. PMID 7258348.
  145. Millon 1996, p. viii
  146. Stone MH. In: Zanarini MC. Borderline personality disorder. Boca Raton, FL: Taylor & Francis, 2005. 1–18 pp. ISBN 0-8247-2928-5.