Transtorno de personalidade sádica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Transtorno de personalidade sádica
Classificação e recursos externos
Star of life caution.svg Aviso médico

Transtorno de personalidade sádica foi um diagnóstico de transtorno de personalidade envolvendo sadismo que apareceu apenas em um apêndice da terceira edição revista da publicação da APA, a Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (o DSM-III-R).[1] As versões mais recentes do DSM (DSM-IV, DSM-IV-TR e DSM-5) não mais incluí esse transtorno, juntamente com o Transtorno de personalidade masoquista,[2] assim não sendo mais mais considerados uma categoria diagnóstica válida. No entanto, alguns ainda estudam o transtorno.[3]

Critérios do DSM-III-R[editar | editar código-fonte]

A) Um padrão invasivo de comportamento cruel, humilhante e agressivo, a partir da idade adulta, como indicado pela ocorrência repetida de pelo menos quatro dos seguintes:[2] :138 - 141
  1. Usade crueldade física ou violência com a finalidade de estabelecer o domínio em um relacionamento (não apenas para alcançar algum objetivo não-interpessoal, como golpear alguém a fim de roubá-lo)
  2. Humilha ou avilta pessoas na presença de outros
  3. Trata ou disciplina alguém sob seu controle de maneira áspera (por exemplo, uma criança, um estudante, prisioneiro, ou paciente)
  4. Diverte-se ou tem prazer em ver o sofrimento psicológico ou físico de outros (incluindo animais)
  5. Mente com o propósito de prejudicar ou infligir dor a outros (não apenas para alcançar algum outro objetivo)
  6. Consegue que outras pessoas façam o quer por meio de intimidação ou mesmo terror
  7. Restringe a autonomia das pessoas com quem estreita relação (por exemplo, não deixar o cônjuge sair de casa desacompanhado ou permitir que a filha adolescente assistir suas funções sociais)
  8. É fascinado por violência, armas, artes marciais, lesões ou tortura
B) O comportamento de A não fora dirigido para uma só pessoa (por exemplo, cônjuge, a uma criança) e não foi apenas para efeitos de excitação sexual (como no sadismo sexual).[4]

Referências

  1. Hucker, Stephen J. Sadistic Personality Disorder
  2. a b Daniel L. Segal; Frederick L. Coolidge; Erlene Rosowsky (2006). Personality Disorders and Older Adults: Diagnosis, Assessment, and Treatment. John Wiley & Sons. pp. 137 –1 38. ISBN 978-0-470-03768-3.
  3. W.C. Myers, R.C. Burket & D.S. Husted. "Sadistic personality disorder and comorbid mental illness in adolescent psychiatric inpatients", Journal of the American Academy of Psychiatry and the Law 34 (2006): 61-71.
  4. Oxford Textbook of Psychopathology