Trasíbulo de Siracusa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Trasíbulo, irmão de Gelão I e Hierão I, foi um tirano de Siracusa, governando logo após seus irmãos e por apenas um ano. Ele foi expulso no ano em que Lisânias era arconte de Atenas, e Ápio Cláudio e Tito Quinto Capitolino cônsules romanos.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Gelão, filho de Deinomenes, era um homem de valor, e derrotou os cartagineses, quando estes tentaram invadir a Sicília.[2] [Nota 1] Gelão governou com justiça e foi amado por seus súdidos, e, ao morrer, foi sucedido por seu irmão Hierão. [3] Hierão, porém, era avarento, violento, e não agia de forma nobre; os cidadãos quase se revoltaram, mas se contiveram por causa da reputação de Gelão.[4]

Tirania[editar | editar código-fonte]

Com a morte de Hierão, seu irmão Trasíbulo tornou-se tirano, e excedeu Hierão em perversidade: ele executou vários cidadãos injustamente, exilou outros sob falsas acusações, confiscando suas riquezas.[5]

Deposição[editar | editar código-fonte]

Quando os cidadãos se revoltaram, Trasíbulo reuniu os seus mercenários e os colonos que Hierão havia estabelecido em Catana [6] e se retirou para Achradine e para a Ilha,[Nota 2] que era fortificada, de onde guerreou contra Siracusa.[7]

Os cidadãos pediram ajuda a várias cidades vizinhas,[8] e, após algumas batalhas, aceitaram a rendição de Trasíbulo, que se retirou para Locris,[9] onde viveu privadamente até morrer.[10]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Os siracusanos libertaram as outras cidades da Sicília, removendo os tiranos e reestabelecendo democracias.[11] Siracusa gozou de paz e prosperidade, mantendo sua democracia por quase sessenta anos, até a tirania de Dionísio.[12]

Notas e referências

Notas

  1. De acordo com Diodoro Sículo, esta invasão à Sicília fez parte das Guerras Médicas, como uma aliança entre a Pérsia e Cartago: enquanto as forças de Xerxes I conquistavam a Grécia europeia, as forças de Cartago conquistariam a Magna Grécia.
  2. A Ilha é Ortígia.

Referências

  1. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 67.1 [ael/fr][en]
  2. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 67.2 [ael/fr][en]
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 67.3 [ael/fr][en]
  4. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 67.4 [ael/fr][en]
  5. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 67.5 [ael/fr][en]
  6. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 67.7 [ael/fr][en]
  7. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 67.8 [ael/fr][en]
  8. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 68.1 [ael/fr][en]
  9. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 68.4 [ael/fr][en]
  10. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 68.7 [ael/fr][en]
  11. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 68.5 [ael/fr][en]
  12. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 67.6 [ael/fr][en]
Precedido por
Hierão I
Tirano de Siracusa
Sucedido por
democracia (quase sessenta anos)
seguida de Dionísio I