Tratado de Amizade, Aliança e Assistência Mútua Sino-Soviético

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Selo chinês comemorando a execução do tratado

O Tratado de Amizade, Aliança e Assistência Mútua Sino-Soviético (chinês tradicional: 中蘇友好同盟互助條約, chinês simplificado: 中苏友好同盟互助条约, pinyin: Zhōng-Sū Yǒuhǎo Tóngméng Hùzhù Tiáoyuè), ou simplesmente Tratado Sino-Soviético de Amizade e Aliança, é um tratado de aliança concluído entre a República Popular da China e a União Soviética em 14 de fevereiro de 1950. Se baseava em grande medida sobre o tratado anterior de mesmo nome que havia sido arranjado entre a União Soviética e o governo nacionalista em 1945 e foi o produto de negociações prolongadas entre Liu Shaoqi e Josef Stalin.

Mao Tse-tung viajou à União Soviética a fim de assinar o Tratado[1] , após os respectivos detalhes serem concluídos, e esta foi a única vez que ele viajou para fora da China durante a sua vida. O Tratado lidou com uma série de questões tais como privilégios soviéticos em Xinjiang e na Manchúria[1] e um dos seus pontos mais importantes foi a prestação de um empréstimo de 300 milhões de dólares da União Soviética a República Popular da China, que havia sofrido economicamente e logisticamente por mais de uma década de guerra intensa. O tratado não impediu que as relações entre Pequim e Moscou sofresse uma deterioração drástica no final dos anos 1950 - 1960[1] , na época da ruptura sino-soviética.

Em face da abertura da China ao mercado internacional e da expiração do Tratado, Deng Xiaoping não queria que a China negociasse com os soviéticos a não ser que concordassem com as exigências chinesas. Essas foram: que os soviéticos se retirassem do Afeganistão, removessem suas tropas da Mongólia e das fronteiras sino-soviéticas e parasse de apoiar a invasão vietnamita do Camboja.[2] O tratado expirou em 1979, o que permitiu à China para atacar o Vietnã, um aliado soviético, na Terceira Guerra da Indochina, como uma resposta à invasão vietnamita do Camboja, já que o tratado havia impedido a China de atacar aliados soviéticos.

Referências

  1. a b c Thomas Bärthlein. 1950: Assinado o Tratado de Amizade e Aliança Sino-Soviético.
  2. Joseph Y.S. Cheng "Challenges to China's Russian Policy in Early 21st Century." in: Journal of contemporary Asia, Volume: 34 Issue: 4 (November 1, 2004), p 481

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre relações internacionais, diplomacia ou sobre um diplomata é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.