Tratado de Bucareste (1916)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Tratado de Bucareste foi um tratado internacional assinado entre a Tríplice Entente e o Reino da Romênia em Bucareste, capital deste último, em 17 de agosto de 1916, como parte da Primeira Guerra Mundial.[1]

Precedentes[editar | editar código-fonte]

Em 1915, o tenente-coronel Christopher Thompson, um falante fluente de francês, foi enviado para Bucareste como o agregado militar britânico Horatio Kitchener para conseguir a entrada da Romênia na guerra. No entanto, na chegada, logo notou que a Romênia estava mal preparada em termos de armamentos, visto que o país estaria diante de uma guerra em três frentes contra: contra o Império Austro-húngaro, contra o Império Otomano e contra a Bulgária. Assim, a Romênia representava mais uma responsabilidade do que uma vantagem para os Aliados. Apesar das deficiências romenas, estas passaram a segundo plano e uma convenção militar foi assinada com a Romênia em 13 de agosto de 1916 .[2] Thompson assumiu a missão militar britânica.

Tratado[editar | editar código-fonte]

O tratado consistia em duas partes: um tratado político e uma convenção militar .[1]

No tratado político, a Entente reconhecia o direito da Romênia para incorporar a Transilvânia, Crisana e Maramures, Bucovina e Banat a serem tratados de forma igual com seus aliados nas conferências de paz.

A convenção militar romena foi criada para atacar o Império Austro-Húngaro, ao sul, enquanto a Rússia iniciou uma ofensiva na Frente Oriental para apoiar a invasão romena da Transilvânia. O comandante-em-chefe da Rússia concordo em enviar duas divisões de infantaria e uma de cavalaria para proteger a retaguarda de Dobruja romena de um possível ataque búlgaro.[3]

Franceses e ingleses, por sua vez, prometeram lançar uma ofensiva na frente de Salônica para provocar uma retirada búlgara.[1]

Cessões territorias[editar | editar código-fonte]

Em compensação, quando a guerra terminou, a Romênia vai receber as seguintes áreas:

Referências

  1. a b c Constantin Kiriţescu, "Istoria războiului pentru întregirea României: 1916-1919", 1922, pág. 179
  2. Masefield, Sir Peter G: To Ride the Storm: The Story of the Airship R.101, pages 16-17 (1982, William Kimber, London) ISBN 0 7183 0068 8
  3. Kiriţescu, pág. 180