Tratado de Versalhes (1919)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tratado de Versalhes
Tratado de Paz entre os aliados e Potências Associadas e a Alemanha
Página frontal da versão em língua inglesa
Assinado 28 de junho de 1919
Local Versalhes, França
Em vigor 10 de janeiro de 1920
Condição Ratificação pela Alemanha e as três principais Potências Associadas
Signatários Flag of Germany (3-2 aspect ratio).svg Reich Alemão

Reino Unido Império Britânico

França França

Flag of Italy (1861-1946).svg Itália

Merchant flag of Japan (1870).svg Japão

US flag 48 stars.svg Estados Unidos

Depositário Governo francês
Línguas Francês e inglês
Texto original (Wikisource)
Wikisource-logo.svg Treaty of Versailles

O Tratado de Versalhes (1919) foi um tratado de paz assinado pelas potências europeias que encerrou oficialmente a Primeira Guerra Mundial. Após seis meses de negociações, em Paris, o tratado foi assinado como uma continuação do armistício de Novembro de 1918, em Compiègne, que tinha posto um fim aos confrontos.[1] O principal ponto do tratado determinava que a Alemanha aceitasse todas as responsabilidades por causar a guerra e que, sob os termos dos artigos 231-247, fizesse reparações a um certo número de nações da Tríplice Entente.

Os termos impostos à Alemanha incluíam a perda de uma parte de seu território para um número de nações fronteiriças, de todas as colônias sobre os oceanos e sobre o continente africano, uma restrição ao tamanho do exército e uma indenização pelos prejuízos causados durante a guerra. A República de Weimar também aceitou reconhecer a independência da Áustria. O ministro alemão do exterior, Hermann Müller, assinou o tratado em 28 de Junho de 1919.[1] O tratado foi ratificado pela Liga das Nações em 10 de Janeiro de 1920. Na Alemanha o tratado causou choque e humilhação na população, o que contribuiu para a queda da República de Weimar em 1933 e a ascensão do Nazismo.

No tratado foi criada uma comissão para determinar a dimensão precisa das reparações que a Alemanha tinha de pagar. Em 1921, este valor foi oficialmente fixado em 33 milhões de dólares. Os encargos a comportar com este pagamento são frequentemente citados como a principal causa do fim da República de Weimar e a subida ao poder de Adolf Hitler, o que inevitavelmente levou à eclosão da Segunda Guerra Mundial apenas 20 anos depois da assinatura do Tratado de Versalhes.

Condições[editar | editar código-fonte]

O tratado tinha criado Liga das Nações, um dos objetivos maiores do presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson. A Liga das Nações pretendia arbitrar disputas internacionais para evitar futuras guerras. Só quatro dos chamados Quatorze Pontos de Wilson foram concretizados, já que Wilson era obrigado a negociar com Clemenceau, Lloyd George e Orlando alguns pontos para conseguir a aprovação para criação da Liga das Nações.[1] A visão mais comum era que a França de Clemenceau era a mais vigorosa na luta por uma represália contra a Alemanha, já que grande parte da guerra tinha sido no solo francês.

Cedências territoriais[editar | editar código-fonte]

Outras cláusulas incluíam a perda das colônias alemãs e dos territórios que o país tinha anexado ou invadido num passado recente-:[1]

O artigo 156 do tratado transferiu as concessões de Shandong, da China para o Japão ao invés de retornar a região à soberania chinesa. O país considerou tal decisão ultrajante o que levou a movimentos como o Movimento de Quatro de Maio, que influenciou a decisão final chinesa de não aderir ao Tratado de Versalhes. A República da China declarou o fim da guerra contra a Alemanha em Setembro de 1919 e assinou um tratado em separado com a mesma em 1921.

Reparações de guerra e cláusulas de culpa[editar | editar código-fonte]

Em seu livro Margaret Olwen MacMillan escreve:[2]

Cquote1.svg No início, França e Bélgica argumentavam que o dano direto deveria receber prioridade em qualquer distribuição de reparações. No norte francês, altamente industrializado, os alemães levaram tudo o que queriam para o uso próprio e destruíram muito do que sobrara. Mesmo batendo em retirada em 1918, as forças alemãs encontraram tempo para destruir as minas de carvão mais importantes da França. Cquote2.svg

O artigo 231 do Tratado (a cláusula da 'culpa de guerra') responsabilizou unicamente a Alemanha por todas as 'perdas e danos' sofridas pela Tríplice Entente durante a guerra obrigando-a a pagar uma reparação por tais atos. O montante total foi decidido entre a Tríplice Entente na Comissão de Reparação. Em Janeiro de 1921 esse número foi oficializado em 269 bilhões de marcos, dos quais 226 bilhões como principal, e mais 12% do valor das exportações anuais alemãs - um valor que muitos economistas consideraram ser excessivo. Mais tarde, naquele ano, a dívida foi reduzida para 132 bilhões, o que ainda era considerado uma soma astronômica para os observadores germânicos.

Os problemas econômicos que tal pagamento trouxe, e a indignação alemã pela sua imposição são normalmente citados como um dos mais significantes factores que levaram ao fim da República de Weimar e ao início da ditadura de Adolf Hitler, que levou à II Guerra Mundial. Alguns historiadores, como Margaret Olwen MacMillan discordam desta afirmação, popularizada por John Maynard Keynes.

A posição dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Os Estados Unidos não ratificaram o tratado. As eleições para o Senado em 1918 deram a vitória ao Partido Republicano (49 contra 47 lugares), que assumiu o controlo do Senado e por duas vezes bloqueou a ratificação (a segunda vez em 19 de março de 1920), favorecendo o isolamento do país opondo-se à Sociedade das Nações. Outros senadores queixaram-se da quantidade excessiva de reparações a que a Alemanha era obrigada. Como resultado, os Estados Unidos nunca aderiram à Sociedade das Nações e negociaram em separado uma paz com a Alemanha: o Tratado de Berlim de 1921, que confirmou a pagamento de indenizações e de outras disposições do Tratado de Versalhes, mas excluiu explicitamente todos os assuntos relacionados com a Sociedade das Nações.

As negociações[editar | editar código-fonte]

Assinatura do Tratado na Sala dos Espelhos do Palácio de Versalhes.
Europe 1920.svg
A Europa em 1920
  1. República Portuguesa
  2. Reino de Espanha
  3. Principado de Andorra
  4. Terceira República Francesa
  5. Reino de Itália
  6. Suíça
  7. Reino da Bélgica
  8. Reino dos Países Baixos
  9. República de Weimar
  10. Reino da Dinamarca e da Islândia
  11. Primeira República Austríaca
  12. República Checoslovaca
  13. Segunda República Polaca
  14. Silésia
  15. Reino da Hungria
  16. Reino da Jugoslávia
  17. Reino da Roménia
  18. Reino da Albânia
  19. Grécia
  20. Reino da Bulgária
  1. Ucrânia
  2. União Soviética
  3. Lituânia Central
  4. República da Letónia
  5. Constantinopla
  6. Turquia
  7. República da Finlândia
  8. Reino da Suécia
  9. Reino da Noruega
  10. Império Britânico
  11. Rif
  12. Reino de Marrocos
  13. Argélia (colónia francesa)
  14. Tunísia (protectorado francês)
  15. Tripolitânia (Líbia Italiana)
  16. Egito
  17. República de San Marino
  18. Vaticano (Reino de Itália)
  19. Cidade Livre de Danzig
  20. Grão-Ducado do Luxemburgo
  21. República Democrática da Geórgia

As negociações entre as potências aliadas começaram em 18 de Janeiro, no Salão dos Relógios no Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, no Quai d'Orsay, em Paris. No início participaram nas negociações 70 delegados representado 27 nações.[3]

Tendo sido derrotados, a Alemanha, a Áustria e a Hungria (estados que sucederam à Áustria-Hungria) foram excluídas das negociações. A República Socialista Federativa Soviética da Rússia também foi excluída porque tinha negociado o Tratado de Brest-Litovsk, que estabelecia uma paz separada com a Alemanha em 1918, graças ao qual a Alemanha ganhou uma grande faixa de terras e de recursos à Rússia.[1]

Até Março de 1919, as extremamente complexas negociações das condições de paz foram conduzidas através de reuniões periódicas do "Conselho dos Dez" (líderes de governo e ministros dos Negócios Estrangeiros), composto pelos cinco grandes vencedores (Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Itália e Japão). Uma vez que este organismo revelou ser demasiado pesado e formal para uma tomada eficaz de decisões, o Japão e os ministros dos Negócios Estrangeiros deixaram as principais reuniões, de modo que apenas os ditos "Quatro Grandes" permaneceram.[4] Após as suas reivindicações territoriais para a região de Fiume (hoje Rijeka) terem sido rejeitadas, o primeiro-ministro da Itália, Vittorio Orlando, deixou as negociações (apenas voltaria para a assinatura em Junho). As condições finais foram determinadas pelos líderes das "três grandes" nações: o primeiro-ministro britânico David Lloyd George, o primeiro-ministro francês Georges Clemenceau, e o presidente dos EUA, Woodrow Wilson.

O Japão tentou no início inserir uma cláusula nos artigos referentes à constituição da Sociedade das Nações contra a discriminação baseada na raça ou na nacionalidade, mas teve de retirar a pretensão devido sobretudo à atitude da Austrália.[5]

Em Versalhes, era difícil chegar a posições comuns porque os conferencistas defendiam objetivos que entravam em conflito entre si. O resultado foi chamado um "compromisso infeliz".[6] Por exemplo, enquanto os líderes americanos e britânicos quiseram chegar a uma paz justa e a um acordo razoável, os interesses da França apelavam a vastíssimas indenizações, já que a maior parte das batalhas e destruição se deram em solo francês, além de a França ter perdido cerca de 1 500 000 combatentes e 400 000 civis.

Estrutura do Tratado[editar | editar código-fonte]

  • Parte I - Pacto da Sociedade das Nações (artigos 1 a 26 e anexo).
  • Parte II - As Fronteiras da Alemanha (artigos 27 a 30).
  • Parte III - Cláusulas para Europa (artigos 31 a 117 e anexos).
  • Parte IV - Direitos e interesses alemães fora da Alemanha (artigos 118 a 158 e anexos).
  • Parte V - Cláusulas militares, navais e aéreas (artigos 159 a 213).
  • Parte VI - Prisioneiros de guerra e cemitérios (artigos 214 a 226).
  • Parte VII - Sanções (artigos 227 a 230).
  • Parte VIII - Reparações (artigos 231 a 247 e anexos).
  • Parte IX - Cláusulas financeiras (artigos 248 a 263).
  • Parte X - Cláusulas económicas (artigos 264 a 312).
  • Parte XI - Navegação aérea (artigos 313 a 320 e anexos).
  • Parte XII - Portos, vias marítimas e vias férreas (artigos 321 a 386).
  • Parte XIII - Organização Internacional do Trabalho (artigos 387 a 399).
  • Procedimentos (artigos 400 a 427 e anexo).
  • Parte XIV - Garantias (artigos 428 a 433).
  • Parte XV - Previsões e diversos (artigos 434 a 440 e anexo).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Emerson Santiago (03 de junho de 2010). Tratado de Versalhes (em português). InfoEscola. Página visitada em 17 de outubro de 2012.
  2. Peacemakers: The Paris Peace Conference of 1919 and Its Attempt to End War (também nomeado Paris 1919: Six Months That Changed the World e Peacemakers: Six Months That Changed the World) por Margaret MacMillan e John Murray
  3. Lentin, Antony. Guilt at Versailles: Lloyd George and the Pre-history of Appeasement. [S.l.]: Routledge, 1985. p. 84. ISBN 9780416411300
  4. Alan Sharp, "The Versailles Settlement: Peacemaking in Paris, 1919", 1991
  5. [1]
  6. Harold Nicolson, Diaries and Letters, 1930-39,250; cit. in Derek Drinkwater: Sir Harold Nicolson and International Relations: The Practitioner as Theorist, p. 139.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • H. Foley, W. Wilson. Woodrow Wilson's Case for the League of Nations. Princeton University Press, Princeton, 1923.
  • W. Stanley Macbean Knight. The History of the Great European War - Its Causes and Effects. Caxton Publishing Co., Londres, 1914-1919, Volumes I - X.
  • Margaret Macmillan. Paris 1919. Random House, Nova Iorque, 2003.
  • Magnoli, Demetrio (2008) História da Paz. São Paulo: Editora Contexto, 448p. ISBN 85-7244-396-7

Ligações externas[editar | editar código-fonte]