Tratado sobre a Tolerância

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Tratado sobre a tolerância é uma obra que François Marie Arouet, dit Voltaire escreveu no Castelo de Ferney-Voltaire e publicou em 1763[1] depois da morte de Jean Calas, injustamente acusado e executado a 10 de Março de 1762 pela morte do seu filho, que se havia convertido ao catolicismo [nota 1] .

Nessa obra Voltaire convida à tolerância entre os religiosos, atacando directamente o fatalismo religioso - e mais particularmente o dos jesuítas onde havia estudado quando jovem - e onde apresenta um requisitório contra as superstições ligadas aos religiosos (ler Nota 1 ).

Jean Calas pertencia a uma família protestante huguenote, com excepção da empregada, católica, e do seu filho, uma vez convertido. Depois do suicídio do seu filho, Jean Calas foi acusado de homicídio voluntário. A família é presa, e o pai, a pedido da população e segundo ordem de oito juizes, é condenado à pena de morte mesmo na ausência de provas. De notar o contexto histórico durante o qual se realiza o processo então profundamente marcado pela guerra das religiões francesas dos séculos anteriores.

Depois da execução de Jean Calas, que sempre gritou a sua inocência, o processo é aberto de novo em Paris e a família Calais reabilitada.

Notas

  1. Conçu initialement pour réparer l’erreur judiciaire à l’origine de l’affaire Calas, cet ouvrage acquiert progressivement une portée universelle, devenant un plaidoyer en faveur de la tolérance. Lire la suite sur : http://www.etudes-litteraires.com/voltaire-tolerance.php#ixzz1X6mq1EdL

Referências

  1. Traité sur la Tolérance - Setembro 20110