Treviso (Santa Catarina)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Treviso
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 8 de julho de 1995
Fundação 8 de julho de 1995 (18 anos)
Gentílico trevisano
Prefeito(a) João Reus Rossi
(2013–2016)
Localização
Localização de Treviso
Localização de Treviso em Santa Catarina
Treviso está localizado em: Brasil
Treviso
Localização de Treviso no Brasil
28° 30' 57" S 49° 27' 28" O28° 30' 57" S 49° 27' 28" O
Unidade federativa  Santa Catarina
Mesorregião Sul Catarinense IBGE/2008 [1]
Microrregião Criciúma IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Lauro Müller, Urussanga, Siderópolis e Bom Jardim da Serra.
Distância até a capital 225 km
Características geográficas
Área 157,667 km² [2]
População 3 556 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 22,55 hab./km²
Altitude 147 m
Clima subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,774 alto PNUD/2010[4]
PIB R$ 94 508,900 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 25 935,48 IBGE/2008[5]
Página oficial

Treviso é um município brasileiro do estado de Santa Catarina.

História[editar | editar código-fonte]

A área atual do município, com o nome de Núcleo Treviso, começou a ser colonizada a partir de 18 de julho de 1891, com a chegada do imigrante italiano Arcangelo Bianchin, de 24 anos de idade, que resolveu iniciar, mesmo sozinho, a ocupação do território, apoiado por funcionários da Companhia Metropolitana, a empresa proprietária da Colônia Nova Veneza, sendo um dos cinco núcleos da Colonizadora, um território de 33 mil hectares, comprado do governo da União pela empresa norte-americana Angelo Fiorita & Co., em junho de 1890, e mais tarde adquirida pela Companhia Metropolitana de Imigração, de propriedade de Carlos Augusto de Miranda Jordão, em fevereiro de 1891. O Núcleo de Nova Treviso abrangia 429 lotes e era formado por diversas Seções, chamadas Mãe Luzia Margem Direita (alguns lotes), Mãe Luzia Margem Esquerda (alguns lotes), e todos os lotes das Seções Rio Pio, Rio Morosini, Rio Manin e Rio Ferrero. A Colônia Nova Veneza começou a surgir quando foi iniciada a demarcação dos lotes, sob a administração do diretor da colonizadora, o siciliano Michele Napoli, e a coordenação do agrimensor Federico Antonio Selva, que nominou todos os núcleos e seções e delimitou os lotes, homenageando diretores da colonizadora e regiões do Vêneto, para atrair os imigrantes, confeccionando ainda um mapa histórico, que mostra todos os lotes de todos os Núcleos a serem ocupados nas colônias, além das estradas, rios, fronteiras, demarcações das sedes dos Núcleos, com os barracões que receberiam os imigrantes até que se estabalecessem condignamente. O recrutamento dos futuros colonos, na Itália, foi realizado na região norte, no Vêneto, em cidades como Veneza, Belluno, Treviso, Bérgamo, Cremona, Ferrara e Údine. O país estava bastante afetado por uma grande crise econômica, o que facilitou a imigração para o Novo Mundo, mais exatamente o sul do Estado de Santa Catarina. Instalados no Núcleo, a partir daí denominado de Nova Treviso, esses imigrantes se dedicaram à pequena agricultura, a fim de pagarem o valor do lote, de 600$000 réis (seiscentos mil reis), acrescido de 14$500 réis destinado a compra de ferramenta para o trabalho no campo. Após Angelo Bianchin e a data-marco de 18 de julho de 1891 para os primórdios da colonização do futuro município de Treviso, segue-se a chegada de mais um imigrante solitário, Lorenzo Ferrari, em 18 de setembro, em uma diferença de 2 meses a Arcangelo, uma 3ª em 1° de novembro, com 186 imigrantes das famílias (em ordem alfabética) Beccari, Bergamini, Bernardini, Bonazza, Borga, Brambilla, Bregantin, Cacciatori, Cagliaro, Cavaglieri, Farma, Ferraro, Fraguglia, Furegato, Gianisella, Maffioletti, Magenis, Marangoni, Marcolin, Mazzoli, Moccelin, Moretti, Nardio, Nicolasi, Pellati, Pozzato, Pregnolato, Righetti, Rizzati, Ruzza, Stivanin e Valmini. Depois desta numeroso grupo, se estabeleceria mais famílias, em nova leva, a 18 de dezembro, em Rio Ferrero e uma leva mais numerosa, a partir de 19 e 20 de dezembro de 1891, (embora uma tradição oral tornasse em Véspera de Natal esta chegada, o que cronologicamente é um equívoco). A partir daí, outros imigrantes chegam, em números e datas esporádicas, desde 1892 até 1898. A tradição costuma dizer que a data do início da colonização é 24 de dezembro de 1891, a Véspera de Na\tal, embora as famílias tenham chegado, na realidade, entre 19 e 20 de dezembro de 1891, mas na realidade é a data do maior contingente que chega ao Núcleo, em torno de 300 imigrantes, mas o início de tudo se dá com a coragem solitária e especial de Arcangelo Bianchin, realmente o pioneiro, a partir de 18 de julho de 1891 (BORTOLOTTO, 1991; DAVID, 2011).

Na região, em 1822, havia sido descoberto carvão mineral em Santa Catarina, na serra do Rio do Rastro e em 1876 Felisberto Caldeira Brant, o Visconde de Barbacena, iniciava a mineração no estado. Na década de 1940 se instala na vizinha Belluno (hoje Siderópolis), a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), extraindo carvão a céu aberto através da Marion, uma gigantesca escavadora importada dos EUA. Em 1901, o Núcleo de Nova Treviso passou a integrar o município de Urussanga e em 1926, foi elevado a condição de Distrito de paz de Treviso, através do Projeto de Lei n. 103. Desmembrado de Urussanga em 19 de dezembro de 1958, foi criado o município de Siderópolis e Treviso passou a ser seu Distrito. Em abril de 1994 criou-se uma Comissão de Emancipação, para que o Distrito se tornasse um município, independente de Siderópolis, assim constituída: Presidente: Volnei José Piacentini Vice-presidente: Norvaldo Possoli 1. Secretário: Ronaldo David 2. Secretário: José Antonio Rossi 1. Tesoureiro: Nei Buogo 2. Tesoureiro: Irineu Losso Conselho Fiscal: Inésio de Lorenzi, João Manoel de Quadra, Marcos Antonio Cesconetto Suplentes do Conselho Fiscal: Leomar Luis Cesconetto, Valcir José Pagani, José Roberto dos Santos. Antes deste processo, na concretização do processo de emancipação, tiveram parte integrante também os trevisanos Ivo Antonio Fenili e João Réus Rossi, que declinaram da Comissão provisória para permitirem a entrada de mais companheiros na atividade emancipacionista. Todo o projeto de emancipação, seu texto conclusivo e entregue à Assembleia Legislativa do Estado foi confeccionado pelo 1° Secretário Ronaldo David. Após o Plebiscito de 19 de março de 1995, a lei n.9.864, de 8 de julho de 1995, era criado o município de Treviso, sendo sua emancipação concretizada pelo então governador José Augusto Hülse em evento oficial na Igreja Matriz Santo Alexandre.

Prefeitos municipais: Jaimir Comin e Dorival Fortuna - 1997 - 2000; Jaimir Comin e João Batista Nava - 2001 - 2004; Lucia de Lurdes Cimolin da Silva e Valério Moretti - 2005 - 2008; João (Juca) Réus Rossi e Valentim Antonio Cimolim - 2009 - 2012; João (Juca) Réus Rossi e Valério Moretti - 2013 - 2016 (governo atual).

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 28º30'56" sul e a uma longitude 49º27'27" oeste, estando a uma altitude de 147 metros. Hoje, Treviso conta com uma população de aproximadamente 3.600 habitantes, sendo a maioria descendentes de italianos. Possui uma área de 157,667 km². Faz limite com Bom Jardim da Serra pela serra, com Lauro Müller ao norte, Urussanga à leste e Siderópolis ao sul.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia de Treviso é baseada na extração de carvão, que é responsável pela maioria dos empregos e é o único setor industrial da cidade. Há também a agricultura, com o cultivo de milho, mandioca, fumo, feijão e banana, e também a produção de carnes, frangos e suínos. A agricultura de subsistência é muito praticada, devido a maioria da população estar localizada na zona rural.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Por ficar localizada no costão da serra, Treviso dispõe de belíssimas paisagens naturais, onde podem ser praticado o turismo ecológico e os esportes radicais. Ainda há a tradicional Festa do Colono, realizada todo ano com shows nacionais e comidas típicas da cultura italiana.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 15 de fevereiro de 2014.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

BORTOLOTTO, Zulmar H. História de Nova Veneza. Nova Veneza: Prefeitura Municipal, 1991. DAVID, Ronaldo. Os primeiros imigrantes italianos do Núcleo de Nova Treviso da Colônia Nova Veneza. In: Academia Criciumense de Letras-ACLe. Revista Acadêmica n. 13, Criciúma/SC, p. 73-88, 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Santa Catarina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.