Trichocereus peruvianus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaTocha Peruana
Trichocereus peruvianus

Trichocereus peruvianus
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Caryophyllales
Família: Cactaceae
Género: Echinopsis
Espécie: Echinopsis peruviana
Sinônimos
Trichocereus peruvianus

Tocha Peruana é um cactus diretamente relacionado com São Pedro (Planta). Possui 10 vezes mais mescalina, aproximando-se do peiote.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre cactos, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Estima-se que os cactos de San Pedro (Trichocereus pachanoi) venha sendo usado pelos nativos americanos há muitos séculos em especial pelos índios do Peru, da Venezuela e também pelos Yanomami do Brasil (cujas terras fazem fronteira com a Venezuela). Também conhecido como "O cactos dos quatro Ventos", o San Pedro tem um formato de coluna com quatro ou mais gomos e era utilizado em práticas rituais similares à tradição dos índios mexicanos que consumiam o peiote.

A finalidade da ingestão era a mesma: o contato com os deuses e as visões mágicas proporcionadas pela planta sagrada produzem a cura de doenças físicas e psíquicas.

O uso do cacto Trichocereus pachanoi, popularmente conhecido com San Pedro, no panorama americano do uso de plantas enteógenas está ligada à área do mescalinismo. O uso deste cacto tem fins terapêuticos e adivinhatórios e deve ser estudado no contexto geral dentro dos rituais xamânicos.

O poder terapêutico de uma planta, nas tradições xamânicas andinas, manifesta a qualidade peculiar da planta, seu "poder" ou "virtude", e este poder, que é o caso das plantas sagradas e de certas plantas que gozam de especial prestígio mágico e terapêutico, manifesta a presença de um espírito. Por isso, dentro dessa tradição, "poder", "virtude" e "espírito", são sinônimos.

Cultivo

Os cortes de Bridgesii podem ser cultivados em vasos ou diretamente no solo, ambos devem ter uma boa drenagem, a drenagem é fundamental para o bom desenvolvimento e sobrevivência do cacto, uma mistura de 1/4 de perlita (ou Vermiculita), 1/4 de areia, 1/4 de composto orgânico e 1/4 de terra argilosa é o ideal, mas desde que garantida a drenagem qualquer solo serve. Os cortes não devem ser enterrados, devem ser colocados em pé sobre o nível do solo e amarrado em uma estaca de apoio, este solo deve estar "fofo" para que as raízes tenham facilidade para crescer, regue apenas uma vez e deixe o cacto sem água até que enraíze bem.

Depois de um a dois meses regue uma vez por semana, caso demore para as raízes crescerem suspenda a água até que o enraizamento seja satisfatório. A rega pode ser diária, semanalmente ou mensalmente, de qualquer forma é importante que tenha um período com água e um período de seca durante o ano, quando colocado no jardim se adapta ao regime de chuvas, não se preocupe se chove muito ou se não chove a dois meses, porém o Cacto Bridgesii não suporta frio e umidade juntos (geada por exemplo), em uma região muito fria e úmida é necessário protegê-lo da umidade.

O cacto Bridgesii é muito exigente quanto ao fornecimento de luz, quando a luz não é suficiente ele logo acusa o problema crescendo extremamente rápido, ficando mais fino e mais claro, um lugar sem luz não serve para o cacto se desenvolver. Os cortes de Bridgesii crescem rapidamente, e à medida que crescem as raízes preenchem todo o vaso, este é o momento de transplantar o cacto para um vaso maior.