Trifão de Constantinopla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
São Trifão
Ícone de Trifão
Nascimento século IX
Morte 933
Veneração por Igreja Ortodoxa
Festa litúrgica 19 de abril[1] [2]
Gloriole.svg Portal dos Santos

Trifão (em grego: Τρύφων; transl.: Trýphon) ou Trífono (em grego: Τρύφωνος; transl.: Trýphonos; m. 933) foi o patriarca de Constantinopla entre 928 e 931. Inicialmente um monge da Ásia Menor, foi elevado ao posto pelo imperador bizantino Romano I Lecapeno (r. 920–940) em 928, sob promessa de que renunciaria quando Teofilacto, o filho do imperador, alcançasse a idade necessária. Em 931, contudo, foi vítima de um complô arquitetado pelos partidários imperiais e acabou sendo forçado a renunciar. Morreu dois anos depois em seu mosteiro. É considerado um santo pela Igreja Ortodoxa e sua celebração ocorre em 19 de abril.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Originário da Ásia Menor, desde jovem era um monge. Em dezembro de 928,[3] foi elevado ao patriarcado pelo imperador bizantino Romano I Lecapeno (r. 920–940) sob a condição de que iria renunciar em favor do filho do imperador, Teofilacto, quando o garoto completasse a idade requerida para ser consagrado. Convencido de que o acordo seria cumprido, o imperador ajudou-o em seus trabalhos na Igreja, contribuindo com esmolas e donativos para mosteiros e asilos.[4] Teofilacto fez 16 anos em 931 e Romano, impaciente, pediu que deixasse o cargo para que o garoto pudesse assumir. Ele se recusou a entregar o cargo a um jovem inexperiente, o que deixou o imperador furioso, com ganas de prendê-lo e matá-lo, algo que não fez porquê era muito querido pelo povo por suas virtudes.[5] [6]

Nesse momento, Romano utilizou-se dos conselhos astutos do metropolita protótrono Teófilo de Cesareia. O traiçoeiro bispo foi ao encontro de Trifão e disse-lhe que o imperador, na tentativa de removê-lo do trono patriarcal, difama-o alegando que não sabe escrever. Desse modo, Teófilo o aconselha que convoque um sínodo no qual, num papel em branco, escreverá seu nome e classe sacerdotal e enviará ao monarca, provando a todos que trata-se de uma falácia. O sínodo foi imediatamente convocado e quando os bispos estavam reunidos Trifão teria dito:[7]

Ó sagrados ministros companheiros, aqueles que desejam expulsar-me do trono injustamente inventam de várias formas para encontrar uma boa razão para banir-me e encontraram nada. Posteriormente, eles trouxeram esta acusação contra mim: eles dizem que eu não posso escrever. Então agora, diante dos olhos de todos vocês, eu vou escrever estas letras para meus acusadores verem e saberem, e portanto abandonarem suas injustas perseguições a mim.[7]

Após proferir tais palavras, Trifão pegou uma folha nova e, na presença de todos, escreveu da seguinte forma: "Trifão, pela Misericórdia de Deus, Arcebispo de Constantinopla, a Nova Roma, e Patriarca Ecumênico." Após escrevê-lo, ele enviou a mensagem ao imperador nas mãos do protótrono.[7] Quando o papel foi apresentado ao imperador, Romano ordenou que fosse escrito sobre sua assinatura: "Eu, por esse meio, resigno a posição de patriarca, pois me considero indigno para este ofício."; de acordo com João Escilitzes, teria sido o protótrono a escrever esta carta de resignação. O documento foi apresentado ao sínodo, e o patriarca foi removido da Igreja.[7] Ele retirou-se para seu próprio mosteiro,[6] na Ásia Menor, onde viveu como monge até morrer em 933. Seu corpo foi levado para Constantinopla, sendo enterrado com os demais patriarcas.[4] [5]

De firme fé e amor pela Igreja, Trifão foi lembrado em vida por sua piedade e santidade,[4] resignação, falta de malícia e total submissão a vontade divina. Foi aclamado como um santo e é celebrado em 19 de abril pela Igreja Ortodoxa.[6] [5]

Referências

  1. April 19/May 2 (em inglês) Orthodox Calendar. Página visitada em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2014.
  2. Anônimo 1834, p. 138
  3. Escilitzes 2010, p. 217
  4. a b c Trifon (em grego) Site do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla. Página visitada em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2014.
  5. a b c Sainted Tryphonos, Patriarch of Constantinople (em inglês) Holy Trinity Russian Orthodox Church. Página visitada em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 7 de abril de 2014.
  6. a b c St Tryphon the Patriarch of Constantinople (em inglês) Orthodox Church in America. Página visitada em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2014.
  7. a b c d Escilitzes 2010, p. 219

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Anônimo. Catalogue général des saints, saintes, martyrs, confesseurs, bienheureux, vénérables. [S.l.]: Méquignon, 1834.
  • Escilitzes, João. In: John Wortley. John Skylitzes: A Synopsis of Byzantine History, 811–1057: Translation and Notes. [S.l.]: Cambridge University Press, 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Trifão de Constantinopla
(deposto)

(928 - 931)
Precedido por: Cruz ortodoxa.png
Lista dos patriarcas ecumênicos de Constantinopla
Sucedido por:
Estevão II 91.º Teofilacto