Trippel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Belgian Tripel
Exemplar de Belgian Tripel
Informações
Álcool(ABV) 7.5 – 9.-5%
Cor (SRM) 4.5 – 7
Amargor(IBU) 20 – 40
OG 1.075 – 1.085
FG 1.008 – 1.014
Serviço
Temperatura 8-12°C
Copo goblet


Trippel é um termo utilizado nos Países baixos para designar um tipo de cerveja loira de elevado teor alcoólico. A mais popular cerveja deste género é produzida em Westmalle, Bélgica.[1] O termo foi empregue pela primeira vez em 1956 pela cervejaria trapista em Westmalle como nomeação da mais forte cerveja dessa categoria, apesar de existir até então o termo Trippel e o estilo de cerveja a ele associado anteriormente.[2] O estilo Westmalle Tripel foi amplamente reproduzido por outras cervejarias da Bélgica[3] , tendo, em 1987 surgido mais uma cervejaria trapista na Holanda, a Koningshoeven, que também teve como propósito expandir a gama de cervejas deste estilo com a La Trappe Tripel.[4] O termo é frequentemente utilizado por uma séria de fabricantes de cervejas seculares para caracterizar uma cerveja forte e de cor pálida do estilo Westmalle Tripel.[5]

História[editar | editar código-fonte]

A cervejaria trapista de Westmalle havia produzido uma nova cerveja em 1934 , denominada de super cerveja. Distinta como sendo uma cerveja loira significativamente forte, a super cerveja era bastante semelhante com uma cerveja esporadicamente produzida pelos monges desde 1931. Em 1956 , a receita teria sofrido uma modificação, passando a ser conhecida por Tripel. Esta é atualmente considerada a primeiro cerveja a ter adquirido este mesmo nome.[6] O termo Tripel aponta à mais forte cerveja entre um determinado número do mesmo estilo. Contanto, as cervejas trapistas foram divididas em três categorias: Enkel (básica), Dubbel (dupla), e tripel (tripla). Uma das razões que impulsionaram à origem da Tripel foi Vandevelde Act em 1919 , em que uma lei belga havia revogado até 1983 , o fornecimento e venda de bebidas alcoólicas ditas de "espirituosas", particularmente o gin . Contudo essa lei não pronunciaria nem o vinho, nem a cerveja, o que fundamentou a produção e comercialização de cervejas com um maior teor alcoólico.[7]

Referências

  1. Beer Styles - Tripel. Visitado em 18 de agosto de 2012.
  2. Down on your knees to bless monks' top ale. Visitado em 18 de agosto de 2012.
  3. The Great Beers of Belgium, Michael Jackson, MMC, 1997, página 226
  4. The Taste of Beer, Roger Protz, Weidenfeld & Nicolson, 1998, página 140.
  5. Belgian Ale, Pierre Rajotte, Brewers publications, 1992, páginas 31-34
  6. Jef van den Steen, Trapista - Het Bier en de Monniken ISBN 90-5826-214-6, página 43
  7. Geert van Lierde et al., In het Spoor van de Trappisten ISBN 90-261-0704-8