Tristan und Isolde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está a atravessar um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a dar o seu contributo e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Fulviusbsas (D C) 22 dias atrás. (Recarregar)

Tristan und Isolde
Tristão e Isolda
Tristão e Isolda, por Herbert Draper
Idioma original Alemão
Compositor Richard Wagner
Libretista Richard Wagner
Tipo do enredo Fantástico
Número de atos 3
Ano de estreia 1985
Local de estreia Teatro da Baviera, Munique

Tristan und Isolde (em português, Tristão e Isolda) é uma ópera em três atos com música e libreto do compositor alemão Richard Wagner, baseada na lenda medieval contada por Gottfried von Strassburg. Foi composta entre 1857 e 1859 e estreada em Munique em 10 de junho de 1865, no Teatro da Baviera, sob regência do maestro Hans von Bülow.

Sua composição foi inspirada em Mathilde Wesendonck e Arthur Schopenhauer. Reconhecida internacionalmente como o ápice do repertório operístico de Richard Wagner, Tristan und Isolde destaca-se pelo uso de cromatismo, tonalidade, cor orquestral e suspensão harmônica. Sua partitura é um marco importante da música erudita moderna por apontar para a dissolução da tonalidade, cuja consequência é o atonalismo do século XX.

A ópera manteve um legado entre os compositores ocidentais e serviu de inspiração a músicos como Gustav Mahler, Richard Strauss, Karol Szymanowski, Alban Berg e Arnold Schoenberg. Avaliada retrospectivamente, a performance foi considerada como "o fim da harmonia convencional e a tonalidade."[1]

História[editar | editar código-fonte]

Composição[editar | editar código-fonte]

Facsímile do manuscrito de Tristan und Isolde que mostra os últimos compassos da ópera.

Wagner compôs a ópera durante o período que passou na Suíça, quando se viu obrigado a deixar o seu cargo na Ópera de Dresde em 1849, uma vez que tinham ordenado sua detenção por ter participado da Revolução de Maio. O compositor deixou sua esposa, Minna Planer, em Dresde e fugiu para Zurique. Na cidade suíça conheceu, em 1852, o rico comerciante de seda, Otto Wesendonck, o qual o ajudou economicamente. Mathilde Wesendonck namorou o compositor à época.[2] Ainda que Wagner estava trabalhando em seu épico Der Ring des Nibelungen, sentiu-se intrigado pela lenda medieval de Tristão e Isolda. À medida que a composição da obra ia progredindo em 1857 e 1858, sua complexidade aumentava.[3]

A redescoberta da poesia germânica medieval produziu um grande impacto nos movimentos românticos na Alemanha em meados do século XIX. Há várias versões da tragédia Tristão e Isolda, a primeira remonta-se em meados do século XII, a versão de Gottfried von Strassburg teve uma enorme influência na literatura moderna alemã.[4] Wagner escreveu o libreto baseando-se da história de Gottfried, do qual se inspirou na lenda medieval de Tristão, escrita em francês por Tomás da Inglaterra. Os compositores românticos encontraram nos romances medievais uma fonte de inspiração para argumentos de suas óperas. Muitos críticos, à época, consideraram que a obra de Wagner representava "o zênite da música ocidental"; por outro lado, uma banda musical, liderados por Eduard Hanslick classificou-a como "incompreensível".

Segundo sua obra autobiográfica, Mein Leben, Wagner decidiu dramatizar a lenda de Tristan und Isolde após o pedido de seu amigo Karl Ritter:

Cquote1.svg Esforcei-me, de fato, em dar proeminência às fases mais ligeiras do romance, porém a sua tragédia onipresente me impressionou tão profundamente que me convenceu de que se deve destacar [tudo], independente dos detalhes. Cquote2.svg

Personagens[editar | editar código-fonte]

Tristan und Isolde.
Personagem Voz Estréia em 10 de Junho de 1865
(Hans Von Bülow)
Tristan tenor Ludwig Schnorr von Carolsfeld
Isolde soprano Malvina Schnorr von Carolsfeld
Brangäne mezzo-soprano Anna Possart-Deinet
Kurwenal barítono Anton Mitterwurzer
Mark baixo Ludwig Zottmayer
Melot tenor Karl Samuel Heinrich
pastor tenor Karl Simons
um timoneiro barítono Peter Hartmann
um jovem marinheiro tenor
marinheiros, cavalheiros e escudeiros.

Referências

  1. Millington 1992, p. 301.
  2. Keith Anderson, La Ópera de la A a la Z, NAXOS ISBN 1-84379-034-3
  3. León Plantinga, La Música Romántica (p. 390-315), Akal Música ISBN 84-460-0040-7
  4. Classen 2003.
  5. Wagner 1911, vol. 2, p. 617. View1 en Google Books.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]