Tritão-de-crista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTritão-de-crista
TriturusCristatus.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Amphibia
Ordem: Caudata
Família: Salamandridae
Género: Triturus
Espécie: T. cristatus
Nome binomial
Triturus cristatus
(Laurenti, 1768)
Distribuição geográfica
Triturus cristatus dis.png
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Tritão-de-crista

O tritão-de-crista (Triturus cristatus) é uma espécie de anfíbio caudado pertencente à família Salamandridae, que é capaz de regenerar membros ou cauda perdidos.

Pertence à superespécie Triturus cristatus juntamente com o tritão-de-crista-do-danúbio, o tritão-de-crista-italiano e Triturus karelinii.

Tal como os outros membros da super espécie e do gênero Triturus, 50% dos embriões morre por consequência de uma doença genética conhecida como síndrome do cromossoma-1.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Esta espécie tem como área de distribuição o Norte da Europa, desde a metade Norte de França a Ocidente até aos Montes Urais a Oriente e a norte dos Alpes e do Mar Negro.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Os tritões-de-crista têm o dorso e os flancos castanho-acinzentado escuro, e estão cobertos com manchas de cor mais escura de maneira que parecem praticamente pretos. A barriga é amarela ou alaranjada e está pintalgado de preto, tendo cada indivíduo um padrão único. Os machos são facilmente distinguíveis das fêmeas pela presença de uma crista serrada nas suas costas durante a época de reprodução. A crista corre pelas costas todas, interrompendo-se antes do princípio da cauda. A cauda possui também uma crista não dentada tanto ao longo do cimo como por baixo da cauda. Os machos possuem também uma faixa prateada de cada lado da cauda. As fêmeas não têm crista, mas têm uma linha amarela-alaranjada na parte de baixo da cauda.[1]

Ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

Após a eclosão dos embriões, as larvas permanecem na água até à metamorfose. Passando a metamorfose, os juvenis são já capazes de respirar fora de água. Pouco se sabe da vida desta espécie fora de água, mas é normal encontrarem-se indivíduos debaixo de pedras, ramos de árvore caídos ou outros detritos naturais ou antropogênicos, desde que haja alguma umidade. Alguns estudos sugerem que fora da época de reprodução, animais adultos geralmente não se afastam mais do que algumas centenas de metros dos charcos de onde nasceram e para onde irão para se reproduzir.[2]

Referências

  1. bbc.co.uk factfile 478 Acesso a 2007-11-30
  2. Jehle, R., and J. W. Arntzen. 2000. Post-breeding migrations of newts (Triturus cristatus and T. marmoratus) with contrasting ecological requirements. Journal of Zoology 251:297-306.
  • Arntzen, J.W. et al. 2004. Triturus cristatus. In: IUCN 2007. 2007 IUCN Red List of Threatened Species. <www.iucnredlist.org>. Acessado em 13 de setembro de 2008.
Ícone de esboço Este artigo sobre anfíbios caudados, integrado no Projeto Anfíbios e Répteis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.