Tubarão-duende

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Ciência.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição.

Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde maio de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaTubarão-duende
Mistukurina owstoni museum victoria.jpg

Mistukurina owstoni museum victoria - head detail.jpg
Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Chondrichthyes
Subclasse: Elasmobranchii
Ordem: Lamniformes
Família: Mitsukurinidae
Género: Mitsukurina
Espécie: M. owstoni
Nome binomial
Mitsukurina owstoni
Jordan, 1898
Distribuição geográfica
Mitsukurina owstoni distmap.png

O tubarão-duende (Mitsukurina owstoni) é uma espécie que habita nas águas profundas, raramente é visto com vida.

Atinge até 5 metros de comprimento. Vive no fundo do mar, e já foi encontrado a 1200 metros de profundidade, no oeste do oceano Pacífico, no oeste do Índico e a leste e oeste do oceano Atlântico.

Alimenta-se de lulas, camarões, polvos e outros moluscos que também habitam no fundo do mar. Característico por possuir um longo nariz em forma de faca incorporada por minúsculas células sensoriais e uma grande boca com dentes em forma de agulha. Os tubarões-duendes são um dos mais antigos tubarões existentes no mundo atual. Há registro desta espécie ao largo das costas das ilhas japonesas, Austrália e do sul africano.

O tubarão-duende é um animal muito raro de ser encontrado. Desde 1898 foram encontrados 36 espécimes. Pensa-se que esta espécie seja uma das mais antigas de tubarão.

Um dos últimos registros foi feito na costa do Rio Grande do Sul, Brasil. O exemplar foi encontrado, morto, por um barco de pesca a 400 metros de profundidade no dia 22 de setembro de 2011 e doado ao Museu Oceanográfico da Fundação Universidade Federal do Rio Grande - FURG.

E o mais recente foi no Golfo do México, em maio de 2014. O fóssil vivo com mais de cinco metros de comprimento foi arrastado junto com camarões numa rede de mais de 600 metros. O órgão americano para oceanos e atmosfera, o NOAA, revelou em seu site que este foi o segundo tubarão-duende registrado no Golfo do México. O primeiro foi capturado em julho de 2000.

Anatomia e Aparência[editar | editar código-fonte]

Uma ilustração inicial de um tubarão-duende

Tubarões duende podem crescer até 5,4 metros e chegar a pesar mais de 200 kg. Eles têm o corpo semi-fusiforme. Ao contrário dos outros tubarões, as barbatanas do tubarão goblin não são apontadas e, em vez disso elas são baixas e arredondadas e ele tem as barbatanas anais e pélvicas significativamente maiores do que as barbatanas dorsais. Sua cauda heterocercal é semelhante à cauda do tubarão debulhador, com o lobo superior mais longo proporcionalmente do que o dos outros tubarões. Além disso, a cauda do tubarão-duende carece de um lobo ventral.

A coloração rosa, único entre eles, é devido aos vasos sanguíneos debaixo de uma pele semi-transparente (que infeta com facilidade), causando a coloração. As barbatanas têm uma aparência azulada. Tubarões duende carecem de uma membrana nictitante. Os dentes da frente são longos e lisos, enquanto os dentes traseiros são adaptados para esmagar seu alimento.

Até 25% do peso do tubarão-duende pode ser o seu fígado. Isto é semelhante a outros tubarões, como o tubarão-frade e o tubarão-cobra, e contribui para o dinamismo do tubarão, que, como todos os tubarões, carecem de uma bexiga natatória.

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Tubarões-duende sentem a presença de presas através de órgãos eletrossensíveis do rosto, ou focinho, devido à ausência de luz nas águas profundas onde ele nada. Uma vez que um tubarão encontra a sua presa, ele de repente projeta suas mandíbulas, enquanto usa um músculo da língua para sugar a vítima para seus afiados dentes da frente. Eles são conhecidos por se alimentar de peixes-pedra, cefalópodes e crustáceos.

Ícone de esboço Este artigo sobre Ciência (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.