Tungíase

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tungíase
Classificação e recursos externos
CID-10 B88.1
CID-9 134.1
DiseasesDB 29589
Star of life caution.svg Aviso médico

A tungíase é uma doença infecciosa da pele, causada pela fêmea ectoparasita do bicho-de-pé (Tunga penetrans). É mais comum em países subdesenvolvidos, tais como as regiões tropicais da África, oeste da Índia, Caribe e as Américas Central e do Sul, sendo rara na Europa e América do Norte.[1]

Transmissão[editar | editar código-fonte]

O bicho-de-pé é frequentemente encontrado em solos quentes, secos e arenosos, além de chiqueiros e currais. A transmissão se dá pelo contato direto com solo contaminado. A fêmea grávida do parasita penetra na epiderme do hospedeiro e começa a sugar o sangue. Os principais hospedeiros são suínos e o homem. Em seguida, começa a produzir ovos, que se desenvolvem e são posteriormente eliminados no solo.

A tungíase dura entre quatro a seis semanas, porém frequentemente ocorre re-infestação nas áreas endêmicas. Um mesmo indivíduo infectado pode apresentar vários parasitas em diferentes estágios de desenvolvimento.

Sintomas[editar | editar código-fonte]

A lesão causada consiste em uma elevação circular e amarelada da pele com um ponto negro central, que é o último segmento abdominal do bicho-de-pé, o qual contém os ovos. As áreas mais afetadas do hospedeiro são os pés, geralmente na planta, ao redor das unhas e nos calcanhares. A irritação no local infectado provoca coceira, dor e secreção purulenta.

Também pode ocorrer infecção secundária, já que os ferimentos servem de porta de entrada para bactérias e fungos. Outras complicações incluem a perda das unhas dos dedos dos pés, deformidades dos dígitos[2] e gangrena.

Profilaxia e tratamento[editar | editar código-fonte]

A utilização de calçados em locais frequentados por animais é o principal método de se evitar a tungíase. O tratamento da doença consiste na remoção do bicho-de-pé com agulha estéril ou bisturi, seguido de desinfecção. É possível destruí-lo com eletrocautério ou eletrocirurgia após anestesia tópica. Em caso de infecção secundária, pode ser necessário o uso de antibióticos locais. O uso da ivermectina mostrou-se eficiente em alguns pacientes.[1]

Referências

  1. a b GATTI, Flávia Romero et al. (2008). Tungíase disseminada tratada com ivermectina Anais Brasileiros de Dermatologia 83(4):339-342.
  2. ARIZA, Liana et al. (2007). Tungíase: doença negligenciada causando patologia grave em uma favela de Fortaleza, Ceará Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 40(1):63-67.
Ícone de esboço Este artigo sobre doenças é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.