Tupi Paulista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Tupi Paulista
"Tupi (Cidade Aconchego)"
Bandeira de Tupi Paulista
Brasão de Tupi Paulista
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 28 de agosto
Fundação 28 de agosto de 1941 (73 anos)
Gentílico tupiense
Prefeito(a) Osvaldo José Benetti (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Tupi Paulista
Localização de Tupi Paulista em São Paulo
Tupi Paulista está localizado em: Brasil
Tupi Paulista
Localização de Tupi Paulista no Brasil
21° 22' 51" S 51° 34' 15" O21° 22' 51" S 51° 34' 15" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Presidente Prudente IBGE/2008[1]
Microrregião Dracena IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Dracena, Ouro Verde, Monte Castelo, Junqueirópolis, Nova Guataporanga e São João do Pau D'Alho
Distância até a capital 663 km
Características geográficas
Área 244,646 km² [2]
Distritos Oásis
População 14 262 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 58,3 hab./km²
Altitude 400 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,792 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 136 957,519 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 9 578,79 IBGE/2008[5]
Página oficial

Tupi Paulista é um município brasileiro do estado de São Paulo.

História[editar | editar código-fonte]

A origem do antigo povoado de Tupi, atual Tupi Paulista, situado na zona da Alta Paulista, no espigão entre rio do Peixe e rio Aguapeí, banhado pelos ribeirões dos Marrecos e Nova Palmeira, assemelha-se a de tantos outros povoados da região: a venda de uma gleba de terras para resolver problemas de isolamento e ausência de vias de comunicação com outros centros urbanos.

Em 1941, Lélio de Toledo Pizza e Almeida, proprietário de gleba de matas, fundou uma povoação.

A atração de colonizadores se fez mediante a venda de lotes a preços acessíveis, após os trabalhos de desmatamento e arruamento feitos pelo engenheiro Francisco Cunha. A primeira denominação do loteamento foi “Tupy”, alterada posteriormente para Gracianópolis.

Com o crescimento econômico, surge a necessidade do desenvolvimento político-administrativo e o povoado elevou-se, em 30 de novembro de 1944, à condição de distrito, com terras desmembradas dos municípios de Andradina e Presidente Venceslau e do Distrito de Ribeirão dos Índios, sendo criado o Distrito de Paz de Gracianópolis, do município de Lucélia.

A lavoura de café, principal fonte de riqueza do futuro município, começou a ser cultivada em 1948.

Em 24 de dezembro de 1948 o distrito adquiriu autonomia municipal e, em 30 de dezembro de 1953 alterou o seu nome para Tupi Paulista, que hoje é constituído dos Distritos sede, Guaraciaba d’Oeste e Oásis.

Na década de 60 Tupi Paulista teve sua fase áurea, impulsionada pela produção de café que atingiu a marca de 18 milhőes de pés em produção e com uma população rural estimada em 11.000 habitantes.

Economia[editar | editar código-fonte]

O município é produtor de uvas finas de mesa (itália, rubi, benitaka, etc.) e uvas rústicas de mesa (niagara). Também produz seringueira, café, manga, leite, gado de corte, eucalipto. Atualmente a cultura de cana-de-açucar tem aumentado sua participação em área plantada e em renda.

Há 3 associações de produtores rurais no município. A AVIRTUPI é a associação dos produtores de uva. A AMPROBAP é a associação dos produtores rurais da microbacia do bairro do Barro Preto e os associados produzem diversos produtos. A APRUTUPI é a associação dos produtores que tem como objetivo a prestação de serviços de máquinas agrícolas aos associados.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 21º22'52" sul e a uma longitude 51º34'14" oeste, estando a uma altitude de 400 metros. Sua população estimada em 2010 era de 14.249 habitantes.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Possui um aeroporto (código ICAO: SBTI) dotado de uma pista de 1200 metros em grama. Nesse aeroporto funciona o Aeroclube de Tupi Paulista. No site do aeroclube você pode conhecer mais detalhes e fotos do aeroporto de Tupi Paulista.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Administração[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]