Turismo em Igrejinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bonecos Hanz e Hannah no desfile da Oktoberfest de Igrejinha

Igrejinha é uma cidade com diversas opções de turismo. O município é estadualmente conhecido pelo turismo de compras de calçados nas lojas localizadas às margens da rodovia RS-115. A cidade também conta com diversos atrativos naturais como as cascatas dos Italianos e a de Solitária. O complexo ecológico Ecoland atrai muitos turistas. Outro atrativo turístico de Igrejinha é o Monte da Fé, um morro onde foi construída uma cruz de 30 metros de altura. O turismo de aventura vêm crescendo muito na região.[1]

Acesso[editar | editar código-fonte]

Cidade Distância
Porto Alegre 82 km
Canela 41 km
Caxias do Sul 83 km
Gramado 32 km
Osório 75 km
Novo Hamburgo 56 km
Três Coroas 08 km
Taquara 11 km

O principal acesso do município é via RS-115, ligando a Três Coroas, Gramado e Canela ao norte, e, ao sul, com Taquara, Novo Hamburgo (via RS-239) e Porto Alegre (via RS-020). Também há a RS-020, que liga Igrejinha a São Francisco de Paula e novamente a Taquara. Contudo, há outras vias de menor importância e que ligam Igrejinha a seus vizinhos ou até mesmo a suas localidades distantes da cidade.

Distâncias[editar | editar código-fonte]

Localizada na Encosta Inferior do Nordeste gaúcho, mais precisamente no Vale do Paranhana, Igrejinha dista 82 km de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul.

A cidade está as margens da RS-115, a principal rota de acesso a um dos maiores polos turísticos do país, a Serra Gaúcha.[2]

Pontos de Interesse[editar | editar código-fonte]

Atrações culturais[editar | editar código-fonte]

Casa do Imigrante

As principais atrações culturais de Igrejinha são a Biblioteca Pública, mantida pela Fundação Cultural de Igrejinha; a Sociedade União de Cantores de Igrejinha (SUCI), uma sociedade centenária localizada bem no Centro da cidade; a Discoteca Elis Regina, que possui um grande acervo de LPs; o Museu Memória da Oktoberfest, localizado na Vila Germânica do Parque de Eventos Almiro Grings (Parque da Oktoberfest) pode ser visitado mediante agendamento; e a Casa do Imigrante também chamada de Museu Professor Gustavo Koetz, um museu histórico sobre o músico e professor Gustavo Koetz e sobre a colonização alemã no município.

Atrações naturais[editar | editar código-fonte]

Morro da Cruz na localidade de Serra Grande

Igrejinha está situada em uma região montanhosa, com diversos vales, cachoeiras e morros. Os principais atrativos naturais do município são a Cascata de Solitária, localizada na localidade de Solitária; a Cascata dos Italianos, localizada em Linha Caloni; e a Toca dos Bugres, uma caverna localizada em Linha Caloni que serviu de moradia para os índios habitantes da região.[3]

Algumas montanhas também são atrativos turísticos como o Morro dos Alpes, o ponto mais alto do município com 773 metros de altitude; o Morro Alto da Pedra, localizado à 700 metros acima do nível do mar e utilizado para decolagens de asa-delta e de parapente (voo livre); e o Monte da Fé, mais conhecido como morro da cruz, é um morro com cerca de 670 metros de altitude onde foi construída uma cruz com 30 metros de altura. Estes três morros estão localizados na localidade de Serra Grande.[4]

Comércio[editar | editar código-fonte]

Comércio na RS-115 em Igrejinha

Localizada na principal rota de acesso à Região das Hortênsias, a cidade é ponto de parada dos turistas para compras de calçados e artigos de couro, nas lojas localizadas as margens da RS-115. Entre as principais lojas estão a Varejo Piccadilly, a Sapatu's, a McBennet, a BannyPel, a Malhas Daiane, entre outras. Outro ponto de interesse são as visitas guiadas à fábrica do grupo Schincariol. Estas visitas são realizadas mediante agendamento.

Esporte e Lazer[editar | editar código-fonte]

Os principais atrativos de lazer da cidade são o Parque de Eventos Almiro Grings (parque da Oktoberfest), um parque com completa infraestrutura para a realização de eventos de médio e grande porte; o Parque Ecológico Ecoland, um parque privado em meio a natureza com hotel, restaurante, piscinas, lagos, mata nativa, animais silvestres, entre outros.

O turismo esportivo vem crescendo muito em todo o Vale do Paranhana. Em Igrejinha os principais atrativos são o Morro Alto da Pedra, utilizado para decolagens de voo livre;[5] a prática de escaladas e de rapel nas cascatas do município; as trilhas para jipes[6] e motos;[7] o ciclismo, principalmente o mountain bike[8] e as corridas de aventura. Outros atrativos esportivos da cidade são o Complexo Esportivo do SESI, uma grande área com infraestrutura para a prática de diversas modalidades esportivas; e o Estádio Carlos Alberto Schwingler, um estádio com capacidade para 3 mil pessoas pertencente ao Esporte Clube Igrejinha.[9]

Referências arquitetônicas[editar | editar código-fonte]

Igreja Gabriel em Igrejinha

As principais referências arquitetônicas de Igrejinha são a Casa de Pedra (em alemão: Stein Haus), a primeira edificação construída em alvenaria da região da antiga Colônia de Santa Maria do Mundo Novo, atual Vale do Paranhana. Esta casa em estilo colonial português foi construída por Tristão José Monteiro para abrigar a capatazia e o armazém de abastecimento dos primeiros colonos e do pessoal que procedia a medição das terras do vale;[10] atualmente o local abriga o CTG Sentinela da Tradição.

Outra edificação importante do município é a Igreja Gabriel, construída em 1900 em frente à antiga igreja que dera o nome à cidade. Este templo, pertencente a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, possui uma torre com relógios e grandes vitrais em seu altar.

A arquitetura enxaimel também é um atrativo turístico da cidade. Diversas casas podem ser observadas ao se percorrer as estradas pelo interior do município. Na cidade encontramos alguns exemplares da reinterpretação do estilo, como o edifício Heidelberg e a Vila Germânica do Parque da Oktoberfest.[11]

Na Rua da Independência, no Centro está localizada a maior parte dos casarões em estilo eclético do município, além da Sociedade União de Cantores de Igrejinha e da Igreja Gabriel.

Eventos[editar | editar código-fonte]

Desfile da Oktoberfest

Igrejinha é sede de alguns eventos de porte regional, nacional e internacional. O principal evento é a Oktoberfest, um festival da tradições germânicas. Outros são a Femóveis (Feira de Móveis do Vale do Paranhana), a Feira do Livro e o Schin Moto Fest (encontro de motoqueiros com shows de manobras radicais e acrobacias).

Calendário dos eventos em 2008:
Junho: Feira do Livro
Agosto: Femóveis
Setembro: Schin Moto Fest
Outubro: Oktoberfest

Oktoberfest[editar | editar código-fonte]

O principal evento da cidade é a Oktoberfest, um festival das tradições germânicas celebrada originalmente em Munique (em alemão: München), no estado da Baviera (em alemão: Bayern), no sul da Alemanha, e disseminada por vários lugares do mundo. Criada em 1988, a festa cresceu gradativamente, atingindo atualmente a marca de 200 mil visitantes que consomem cerca de 180 mil litros de chope por edição.[12]

Desde a criação da festa, a comunidade local uniu suas forças, através de diversos segmentos e o resultado foi uma parceria que está sempre procurando crescer, para que a própria população participe de seu desenvolvimento social. Esta parceria permite que todo o lucro da festa seja destinado para entidades filantrópicas de todo o estado, sendo que somente em 2005 foram distribuídos mais de 1 milhão de Reais.[13] Por tudo isso a Oktoberfest de Igrejinha é considerada a maior festa comunitária do Brasil.[14] Em julho de 2008 a Oktoberfest de Igrejinha foi reconhecida pela Assembleia Legislativa como patrimônio cultural do estado do Rio Grande do Sul.[15]

As principais atrações da festa são os bailes, shows nacionais, jogos germânicos, desfiles, concurso de Chope em Metro, danças folclóricas, bierwagen, parque de diversões e a Vila Germânica.[16]

Vista panorâmica do Parque da Oktoberfest durante o show de Ivete Sangalo em 2005

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BRUSSIUS, Marina. FLECK, Sigrid Izar. Igrejinha - História que o tempo registra, da Secretaria Municipal de Educação, 1991.
  • ENGELMANN, Erni. A Saga dos Alemães I - Do Hunsrück para Santa Maria do Mundo Novo, 2004.
  • ENGELMANN, Erni. A Saga dos Alemães II - Do Hunsrück para Santa Maria do Mundo Novo, 2005.
  • ENGELMANN, Erni. A Saga dos Alemães III - Do Hunsrück para Santa Maria do Mundo Novo, 2007.
  • REINHEIMER, Dalva Neraci. SMANIOTTO, Elaine. 160 anos da cultura alemã em Igrejinha, da AMIFEST e SME, 2006.
  • SANDER, Berenice Fülber. MOHR, Flávia Corso. Igrejinha - Uma história em construção, da Secretaria Municipal de Educação, 2004.
  • ULMANN, Virgílio Ernesto. ECI - Histórias e glórias de um campeão, 1986.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]