U2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
U2
U2 montage (black and white).jpg
Integrantes do U2
Topo: Bono Vox e The Edge
Abaixo: Adam Clayton e Larry Mullen Jr.
Informação geral
Origem Dublin, Leinster
País  Irlanda
Gênero(s) Rock, rock alternativo, pós-punk
Período em atividade 1976–presente
Gravadora(s) Island, Interscope, Mercury
Afiliação(ões) Passengers
The Dalton Brothers
Automatic Baby
Página oficial u2.com
Integrantes
Bono Vox
Adam Clayton
The Edge
Larry Mullen Jr.
Ex-integrantes
Dik Evans
Ivan McCormick

U2 é uma banda de rock irlandesa formada no ano de 1976. O grupo é composto por Bono (vocal e guitarra), The Edge (guitarra, teclado e backing vocal), Adam Clayton (baixo) e Larry Mullen Jr. (bateria e percussão). O som do U2, inicialmente enraizado no pós-punk, eventualmente cresceu para incorporar influências de muitos gêneros da música popular. Ao longo das mudanças do grupo, eles sempre têm mantido um som construído sobre instrumentos melódicos, com destaque para as texturas e acordes do guitarrista de The Edge e dos vocais expressivos de Bono. Suas letras, muitas vezes embelezadas com imagens espirituais, têm foco em temas pessoais e preocupações sócio-políticas.

O U2 foi formado no Mount Temple Comprehensive School quando os membros eram ainda adolescentes e com conhecimento musical limitado. Após quatro anos, eles assinaram com a gravadora Island Records e lançaram seu álbum de estreia, Boy (1980). Em meados da década de 1980, tornaram-se uma banda de sucesso internacional. Foram mais bem sucedidos com suas performances ao vivo do que com a venda dos álbuns, até lançarem o álbum The Joshua Tree (1987),[1] que, segundo a Rolling Stone, elevou a banda à estatura de "heróis para super-estrelas".[2] Reagindo à estagnação musical no final da década de 1980, à crítica de sua séria imagem e de sua transformação musical, o grupo se reinventou com o álbum Achtung Baby (1991), e o acompanhamento da turnê Zoo TV Tour. A banda integrou influências de dance music, música industrial e rock alternativo em seu estilo musical e performances, abraçando uma imagem mais irônica e auto-depreciativa. A experimentação continuou durante o resto da década de 1990 com níveis mistos de sucesso. O U2 recuperou a seu favor os fãs e os elogios dos críticos musicais logo após o lançamento de All That You Can't Leave Behind (2000) e How to Dismantle an Atomic Bomb (2004), que estabeleceu um som tradicional mais convencional para a banda. Em 2009 a 2011, a U2 360° Tour foi a turnê mais bem sucedida e de maior vendas de bilheteria da história.

O grupo lançou 12 álbuns de estúdio e está na lista dos artistas com maior venda de álbuns do mundo, tendo vendido mais de 150 milhões de discos mundialmente. Ganharam 22 Prêmios Grammy, mais do que qualquer outra banda. Em 2005 o grupo foi introduzido no Rock and Roll Hall of Fame. A Rolling Stone classificou o U2 na posição de número 22 na lista dos "100 Maiores Artistas de Todos os Tempos", classificando-o a "Maior Banda do Mundo".[3] Por toda sua carreira, como banda e como indivíduos, fizeram campanhas pelos direitos humanos e causas filantrópicas, incluindo a Anistia Internacional, as campanhas ONE/DATA, Product Red e The Edge no Music Rising (2005).

História[editar | editar código-fonte]

Formação e primeiros anos (1976–1979)[editar | editar código-fonte]

"Não podia acreditar, fiquei sem o que dizer. Nós não estávamos em idade de sairmos para se divertir, mas eu acho que ninguém conseguiu dormir naquela noite... Realmente, era apenas uma grande confirmação de ganhar essa competição, mesmo que eu não tivesse tido uma boa ideia; realmente gostei da concorrência. Mas para ganhar naquele momento, era extremamente importante para a moral e a crença de todos os envolvidos no projeto".

— The Edge, ao vencer a competição da CBS.[4]

A banda foi formada em 25 de setembro de 1976.[5] Larry Mullen Jr., com quatorze anos de idade, postou um anúncio na escola Mount Temple Comprehensive High, em busca de músicos para uma nova banda; tendo a resposta de seis pessoas. Mullen ficou encarregado da bateria, com Paul "Bono" Hewson nos vocais; David "The Edge" Evans e seu irmão mais velho Dik Evans na guitarra; Adam Clayton, um amigo dos irmãos Evans no baixo; e inicialmente Ivan McCormick e Peter Martin, dois outros amigos de Mullen.[6] Mullen disse mais tarde como mandou no The Larry Mullen's Band por cerca de 10 minutos, e em seguida, Bono entrou e destruiu qualquer chance que ele tinha de estar no comando".[7] Logo depois, o grupo denominou o nome do grupo de Feedback, porque era um dos poucos termos técnicos que eles conheciam.[8] Martin não retornou após o primeiro ensaio, e McCormick deixou o grupo dentro de algumas semanas. A maioria do material inicial do grupo era composto por covers, que a banda admitiu não ser seu ponto forte.[9] Algumas das primeiras influências sobre a banda foram surgindo no gênero punk rock, tais como The Jam, The Clash, The Buzzcocks e The Sex Pistols. A popularidade do punk rock convenceu o grupo que o conhecimento musical não era um pré-requisito para ser bem sucedido.[10]

Apresentação da banda tocando no Madison Square Garden, em novembro de 2005.

Em março de 1977, a banda mudou seu nome para The Hype.[7] [11] Dik Evans, que era o irmão mais velho e também por já estar na faculdade, estava se tornando um integrante excluído em relação à banda. O resto do grupo seguia um pensamento de uma banda com quatro integrantes, sendo mais tarde, resultando na saída de Dik em março de 1978. Durante um concerto de despedida no salão da Igreja Presbiteriana, em Howth, contou com o grupo tocando covers, com Dik cerimonialmente saindo do palco. Os quatro membros restantes da banda completaram o concerto tocando o material original como "U2".[12] Steve Averill, um músico punk rock e amigo da família de Clayton, sugeriu seis nomes em potencial, a partir do qual, a banda optou por "U2", devido à sua ambiguidade, possibilidade de interpretações, e também porque era um nome que no mínimo, não gostavam de The Hype.[13]

No Dia de São Patrício, 17 de março de 1978, o U2 venceu em um show de talentos, em Limerick, Irlanda. O prêmio consistia em quinhentos euros, e tempo de gravar um demo em estúdio, que seria ouvido pela CBS da Irlanda, uma gravadora. Esta vitória foi um marco importante e de afirmação para a banda principiante.[12] O U2 gravou sua primeira fita demo no Keystone Studio, em Dublin, em maio de 1978.[14] A revista Hot Press foi influente na formação do futuro da banda; em maio, Paul McGuinness, que já havia sido introduzido à banda pela publicação do jornalista Bill Graham, concordou em ser o empresário da banda.[15] O primeiro lançamento da banda, somente na Irlanda, foi um EP intitulado Three, sendo lançado em setembro de 1979, e foi um sucesso nas paradas musicais irlandesa.[16] Em dezembro de 1979, a banda realizou em Londres, os seus primeiros shows fora da Irlanda, embora eles não tivéssem a capacidade de ganhar a atenção do público e dos críticos musicais.[17] Em fevereiro de 1980, foi lançado o seu primeiro single, "Another Day", pela gravadora CBS. Entretanto, o single foi direcionado somente para o mercado irlandês.[18]

Boy, October e War (1980–1983)[editar | editar código-fonte]

A gravadora Island Records assinou com a banda em março de 1980, e em maio a banda lançou o seu segundo single, "11 O'Clock Tick Tock", e primeiro single lançado internacionalmente.[19] O álbum de estreia da banda, Boy (1980), foi lançado em outubro. Produzido por Steve Lillywhite, recebeu críticas positivas.[20] Embora as letras sem objetivo de Bono parecessem improvisadas, eles expressaram um tema comum: os sonhos e frustrações da adolescência.[21] O álbum incluía o primeiro single de sucesso da banda nos Estados Unidos, "I Will Follow". O lançamento de Boy foi seguida pela turnê Boy Tour, a primeira turnê do U2 pelo continente europeu e nos Estados Unidos.[22] Apesar de ter sido rude, os concertos demonstraram o potencial da banda, com os críticos dizendo que Bono era "carismático" e um grande homem apaixonado.[23]

"Sunday Bloody Sunday" (1983)
"Sunday Bloody Sunday" traz uma batida militar, uma guitarra crua e, liricamente, uma emoção triste carregada pela luta do Domingo Sangrento, na Irlanda.

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.

O segundo álbum da banda, October, foi lançado em 1981, contendo amplos temas espirituais. Durante as sessões de gravação, Bono e The Edge consideraram a possibilidade em deixar a banda devido a percepção de conflitos religiosos.[24] Bono, The Edge e Mullen tinham se juntado em um grupo cristão em Dublin, chamado Shalom Fellowship, que os levando-os a questionar a relação entre a fé cristã e o estilo de vida no rock n' roll.[25] Bono e The Edge tiraram tempo entre as turnês e decidiram deixar o grupo cristão, em favor de continuar com a banda. A gravação foi ainda mais complicada com o roubo de uma maleta contendo as letras para várias canções de trabalho dos bastidores durante a apresentação da banda, em uma boate em Portland, Oregon.[26] O álbum recebeu críticas mistas e pouco tocadas nas rádios. O baixo número de vendas fora do Reino Unido colocou muita pressão sobre o seu contrato com a gravadora Island Records, centrado na melhoria da banda.[27]

Resolvendo as suas dúvidas do período de October (1981), a banda lançou War, em 1983.[28] Um álbum onde a banda transformou o "pacifismo em uma cruzada",[29] a franqueza na inflexibilidade no modo de tocar da guitarra em War, foi intencionalmente contraditório com o synthpop da época.[30] O álbum incluía o single "Sunday Bloody Sunday", uma canção com um contexto político, onde Bono líricamente tentou contrastar os acontecimentos do Domingo Sangrento (1972) com o Domingo de Páscoa.[31] A revista Rolling Stone descreveu que a música mostrava que a banda tinha capacidade de compôr canções profundas e significativas. War foi o primeiro álbum do U2 a apresentar a fotografia de Anton Corbijn, que permanece até atualmente como um dos fotógrafos do U2, tendo uma grande influência sobre sua visão e imagem política.[32] O primeiro sucesso comercial da banda, War, estreou na posição de número 1 no Reino Unido, e seu primeiro single "New Year's Day", foi o primeiro sucesso da banda fora da Irlanda ou do Reino Unido.[33]

Apresentação de Bono na Noruega durante a turnê War Tour, em 1983.

Na subsequente War Tour, a banda realizou concertos lotados no continente europeu e nos Estados Unidos. A visão de Bono acenando uma bandeira branca durante as performances de "Sunday Bloody Sunday" tornou-se uma imagem ícone da turnê.[34] O U2 gravou o álbum ao vivo nesta turnê, Under a Blood Red Sky (1983), assim como o filme-concerto Live at Red Rocks: Under a Blood Red Sky (1983), sendo que ambos foram tocados por um longo período de tempo nas rádios e na MTV, ampliando a audiência da banda e mostrando suas proezas como um ato de viver.[35] Seu contrato com a gravadora Island Records estava chegando ao fim, e em 1984, a banda assinou uma renovação de contrato mais lucrativa. Eles negociaram o retorno de seus direitos autorais (de modo que eles possuíssem os direitos de suas próprias canções), um aumento em sua taxa de direitos, e uma melhoria geral em termos, à custa de um maior pagamento inicial.[36]

The Unforgettable Fire e Live Aid (1984–1985)[editar | editar código-fonte]

"Sabíamos que o mundo estava pronto para receber os herdeiros de The Who. Tudo o que tínhamos a fazer era continuar fazendo o que estávamos fazendo e, gostaríamos de nos tornar a maior banda desde Led Zeppelin, sem dúvida. Mas algo simplesmente não parecia estar certo. Sentimos que tínhamos uma maior poder do que qualquer outra banda grande, nós tínhamos algo único a oferecer".

— Bono, na nova direção de The Unforgettable Fire.[37]

The Unforgettable Fire foi lançado em 1984. A música ambiente e o abstrato, que era na época, a mudança mais marcante na direção da banda.[38] O grupo temia que, após o evidente rock do álbum War e de sua turnê, eles estivessem em risco de tornar-se outro incômodo, como se representassem um slogan de bandas de rock arena.[39] Assim, procuraram a experimentação,[40] como Adam Clayton lembra: "Nós estávamos procurando por algo um pouco mais sério, mais artístico".[37] The Edge admirava o ambiente e as "obras estranhas" de Brian Eno, que, junto com seu engenheiro de áudio, Daniel Lanois, eventualmente concordou em produzir o álbum.[41]

Em parte gravado no Slane Castle, The Unforgettable Fire foi lançado em 1984, no momento em que a mudança mais marcante da banda.[38] The Unforgettable Fire tem um som rico e orquestrado. Sob a direção de Lanois, Mullen tornou-se mais flexível na percussão, no funk e mais sutil; Clayton tornou-se mais subliminar no baixo; as seções rítmicas já não atrapalhavam, porém, fluía em apoio das canções.[42] Complementando a atmosfera sonora, as letras do álbum estavam abertas a muitas interpretações, oferecendo o que a banda chamou de "sensação de grande visão".[38] Devido a uma agenda lotada de gravações, Bono achava que as canções "Bad" e "Pride (In the Name of Love)", como se fossem um esboço/rascunho que não havia terminado.[43] "Pride (In the Name of Love)", era baseado em Martin Luther King Jr., sendo o primeiro single do álbum e tornando-se o maior sucesso da banda até então; inclusive sendo a sua primeira a entrar no top 40 dos Estados Unidos.[44]

"The Unforgettable Fire" (1984)
"The Unforgettable Fire" tem um som rico e sinfônico, construída a partir de uma instrumentação ambiental e um rítmo conduzido.[45]

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.

Grande parte da turnê The Unforgettable Fire Tour mudou-se para arenas internas, em que a banda começou a ganhar a sua longa batalha para construir seu público.[46] As complexas texturas das novas canções gravadas do álbum, como "The Unforgettable Fire" e "Bad", foram difíceis de traduzir para performances ao vivo.[38] Uma solução foram os sequenciadores programados, já que a banda havia sido relutante em utilizar; mas que agora, eram usados na maioria das performances do grupo.[38] As canções do álbum tinham sido criticadas por serem "incompletas", "vagas" e "sem tema", porém, foi o melhor recebido pela crítica quando tocado ao vivo no palco.[47]

O U2 participou do Live Aid (1985), um concerto para o alívio da fome na Etiópia no Estádio de Wembley, em julho de 1985.[48] A performance da banda perante a 82 mil pessoas foi um ponto fundamental na carreira do U2.[49] Durante uma apresentação de 14 minutos da música "Bad", Bono pulou do palco para abraçar e dançar com uma fã, tendo uma audiência de milhões de telespectadores, observando o que Bono poderia fazer com o público.[50] Em 1985, a revista Rolling Stone chamou o U2 de a "banda da década de 1980", dizendo que, para um crescente número de fãs de rock n' roll, o U2 tornou-se um dos grupos mais importantes, se não, a mais importante".[36]

The Joshua Tree e Rattle and Hum (1986–1989)[editar | editar código-fonte]

"A beleza selvagem, a riqueza cultural, o vago espírito e violência feroz da América, são explorados para o efeito atraente em praticamente todos os aspectos de The Joshua Tree — no título e na capa, o blues e os empréstimos evidentes do país na música... De fato, Bono diz que o 'desarmamento da mitologia americana' é uma parte importante do objetivo de The Joshua Tree."

— Anthony DeCurtis.[51]

Para seu quinto álbum, The Joshua Tree (1987),[52] a banda queria construir as texturas de The Unforgettable Fire (1984), mas ao vez de sair a experimentação do foco, eles procuraram um som mais duro na batida, dentro da limitação das estruturas musicais convencionais.[53] Consciente de que "o U2 não tinha tradição" e que seu conhecimento musical no seu início era limitado, o grupo aprofundou-se na raiz da música americana e da música irlandesa.[54] Amizades com Bob Dylan, Van Morrison e Keith Richards motivou a banda explorar o blues, música folclórica e música gospel, focando as habilidades de composições e letras de Bono.[55] Para seu quinto álbum, The Joshua Tree,[56] a banda queria construir as mesmas texturas de The Unforgettable Fire, mas buscavam um som mais difícil de atingir, usando as limitações das estruturas das canções.[57] Em 1986 a banda interrompeu suas sessões de gravação do álbum para servir como manchete na ação da Anistia Internacional da turnê A Conspiracy of Hope Tour. Ao invés de ser somente uma distração, a turnê acrescentou uma intensidade extra e foco para seu novo material.[58] Em 1986, Bono viajou para El Salvador e Nicarágua, vendo em primeira mão, o sofrimento dos camponeses intimidados em conflitos internos que foram sujeitos à política da intervenção americana. A experiência tornou-se uma influência importante no novo estilo musical.[59]

A árvore retratada no encarte do álbum The Joshua Tree. Adam Clayton disse: "O deserto era imensamente inspirador para nós, como uma imagem mental para este registro".[60]

The Joshua Tree foi lançado em março de 1987. O álbum sobrepõe a antipatia americana contra a profunda fascinação do grupo com o país, seus amplos espaços, liberdade e ideais.[61] A banda queria uma música com um sentido de localização e uma qualidade cinematográfica; queria a música do registro e as letras extraídas em imagens criadas por escritores americanos, cujos trabalhos a banda vinha lendo.[62] The Joshua Tree tornou-se um dos álbuns mais vendidos da história das paradas britânicas, liderando a Billboard 200 nos Estados Unidos por nove semanas consecutivas.[63] O primeiro dos singles, "With or Without You"[39] e "I Still Haven't Found What I'm Looking For", rapidamente tornaram-se o hit de número 1 do grupo, nos Estados Unidos. Eles tornaram-se a 4ª banda de rock a ser destaque na capa da revista Time,[64] que declarou o U2 como a "bilheteria mais quente do rock".[65] O álbum ganhou seus primeiros dois Prêmios Grammy,[66] trazendo à banda um novo nível de sucesso. Muitas publicações, incluindo a Rolling Stone, têm citado-os como um dos maiores do rock.[67] A The Joshua Tree Tour foi à primeira turnê em que a banda fez concertos em estádios, ao lado de arenas menores.[68]

O documentário Rattle and Hum com imagens gravadas da turnê de The Joshua Tree, e que acompanha o álbum duplo de mesmo nome, inclui nove faixas de estúdio e seis performances ao vivo do U2. Lançado em outubro de 1988, o álbum e o filme foram concebidos como um tributo à música americana,[69] incluindo gravações no Sun Studios em Memphis e performances com Bob Dylan e B. B. King. Rattle and Hum teve uma performance modesta na bilheteria e recebeu críticas mistas de ambos os filmes e críticos musicais;[70] um editor da Rolling Stone falou da excitação do álbum; outros, descrevendo-a como "bombástica e equivocada".[71] O diretor do filme, Phil Joanou, o descreveu como "um olhar pretensioso do U2".[72] A maioria do novo material do álbum foi tocado em 1989, na turnê Lovetown Tour, fazendo shows na Austrália, Japão e Europa, porque a banda queria evitar a reação norte-americana. Além disso, eles cresceram insatisfeitos com suas performances ao vivo; Mullen disse: "Fomos os maiores, mas não fomos os melhores".[73] Com uma sensação de estagnação musical, Bono disse aos fãs em uma das últimas datas da turnê que era "o fim de algo para o U2", e que eles tinham que "ir embora [...] e tudo apenas como um sonho novamente".[74]

Achtung Baby, Zoo TV e Zooropa (1990–1993)[editar | editar código-fonte]

"A moda das palavras neste disco foram: inútil, descartável, obscura, sexy, industrial (muito bom), sério, educado, doce, justo, rock e linear (muito ruim). Era bom se uma canção levava você em uma viagem ou se fez você pensar que seu riff estava quebrado, ruim se fizesse você lembrar dos estúdios de gravação ou do U2...".

Brian Eno, durante a gravação de Achtung Baby.[75]

Incomodado com a crítica de Rattle and Hum (1988), a banda procurou transformar-se musicalmente.[76] Buscando inspiração na véspera da reunificação alemã, que começou a trabalhar em Achtung Baby no Hansa Studios em Berlim, em outubro de 1990, com os produtores Daniel Lanois e Brian Eno.[77] As sessões foram repletas de conflitos, como a banda argumentou sobre a sua direção musical e a qualidade de seu material. Enquanto Clayton e Mullen preferiram um som semelhante ao trabalho anterior do U2, Bono e The Edge foram inspirados pela música industrial e música eletrônica europeia, e defendeu uma mudança no estilo musical. Semanas de tensão e de progresso lento, chegaram a considerar romper a banda, mas eles fizeram um grande avanço com a redação improvisada da canção "One".[78] Eles voltaram para Dublin em 1991, onde a moral melhorou e a maioria do álbum foi concluída.

A Zoo TV Tour foi um intenso evento de multimídia, com um palco que usou dezenas de telas de vídeo.

Em novembro de 1991, o U2 lançou Achtung Baby. O álbum representou a mudança calculada na direção musical e temática para o grupo; a mudança foi um de seus mais dramáticos desde The Unforgettable Fire.[79] Em termos sonoros, o álbum obtém influências do rock alternativo, dance music e música industrial da época, com a banda referindo-se à sua partida musical como "quatro homens derrubando The Joshua Tree".[80] Tematicamente, foi um registro mais introspectivo e pessoal; era mais sombria, entretanto, às vezes, mais irreverente do que os trabalhos anteriores da banda. Comercialmente e criticamente, tem sido um dos maiores sucessos da banda. Ele produziu cinco singles de sucesso nas paradas, incluindo "The Fly", "Mysterious Ways" e "One", sendo uma parte crucial do início da reinvenção da banda na década de 1990.[81] Tal como The Joshua Tree (1987), muitas publicações citaram o álbum como um dos maiores do rock.[67]

Como Achtung Baby (1991), a Zoo TV Tour de 1992 e 1993, foi uma ruptura inequívoca com o passado da banda. Em contraste com as configurações de estágio austero de eventuais turnês anteriores do U2, a Zoo TV foi um evento elaborado em multimídias. É satirizado o caráter universal da televisão e sua indefinição de notícias, entretenimento, e das televendas, tentando incutir uma "sobrecarga sensorial" em sua audiência.[80] [82] [83] Foi caracterizada por grandes telas de vídeos, que mostravam os efeitos visuais, videoclipes aleatórios da cultura pop e frases de textos piscando.[84] Considerando que a banda era conhecida por suas sérias performances ao vivo na década de 1980, os concertos da Zoo TV Tour foram intencionalmente ironizadas e auto-depreciativas;[80] no palco, Bono realizava vários personagens, incluindo "The Fly",[85] Mirror Ball Man, e MacPhisto.[86] Trotes por telefones foram feitos para o ex-presidente George W. Bush, às Nações Unidas e outros. Ao vivo por ligação via satélite, mostrava a controvérsia causada na guerra de Sarajevo.[87]

"The Fly" (1991)
"The Fly" apresenta características de batidas de hip hop, vocais distorcidos, e uma difícil influência industrial que se diferenciava do som típico do U2.[88]

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.

Durante uma pausa da turnê Zoo TV em meados de 1993, o álbum Zooropa deu sequência a muitos dos temas de Achtung Baby e da própria turnê. Inicialmente concebido como um EP, a banda expandiu Zooropa inteiramente em um álbum LP. Foi uma partida ainda maior a partir de seus estilos anteriores, incorporando influência dance e outros efeitos eletrônicos.[89] Johnny Cash participou nos vocais da canção "The Wanderer". A maioria das canções foram tocadas pelo menos uma vez durante as etapas da turnê em 1993, visitando a Europa, Austrália, Nova Zelândia e Japão; metade das faixas do álbum tornaram-se comuns no setlist.[90] Embora o sucesso comercial de Zooropa tivesse ganhado o "Melhor Álbum Alternativo", a banda considera o álbum como uma mistura de sentimentos, porque eles sentiam que era mais um interlúdio.

Passengers, Pop e Popmart Tour (1994–1999)[editar | editar código-fonte]

"Não é o suficiente para escrever uma grande letra. Não é o suficiente para ter uma boa ideia. Muitas coisas têm que vir junto, e então, você tem que ter a capacidade de disciplina e de amparo. Devemos dar esse álbum a um remix, voltar ao que estava inicialmente previsto".

— Bono, no álbum Pop.[91]

Em 1995, o U2 lançou um álbum experimental chamado Original Soundtracks 1. Brian Eno, produtor de três álbuns anteriores do U2, contribuiu como um parceiro integral, incluindo a escrita e gravação. Por esta razão e devido à natureza altamente experimental do disco, a banda optou por lançá-la sob o apelido de Passengers para distingui-lo dos álbuns convencionais do grupo. Mullen disse sobre o álbum: "Há uma linha fina entre a música interessante e autoindulgência. Atravessamos-lo no registro de Passengers".[92] Foi comercialmente desperdiçada pelos padrões do U2, recebendo várias críticas negativas. No entanto, o single "Miss Sarajevo" com Luciano Pavarotti, Bono o cita como uma de suas canções favoritas do grupo,[93] sendo bem sucedida.

Em 1997, a banda lançou o álbum Pop, sendo a continuação de sua experimentação; loop, programação, sequenciamento, ritmo e amostragem, fornecem ao álbum pesados ritmos de funky dance.[94] Lançado em março, o álbum estreou no número 1 em 35 países e atraiu principalmente comentários positivos.[95] A Rolling Stone, por exemplo, declarou que o U2 tinha desafiado as probabilidades e fizeram algumas das maiores músicas de suas vidas.[96] Outros achavam que o álbum foi uma grande decepção e as vendas eram baixas em comparação com os álbuns anteriores.[97] A banda apressou-se em terminar o álbum a tempo para a turnê iminente pré-agendado, e Bono admitiu que o álbum "não comunicou a forma com que foi intencionada".[98]

A etapa da Popmart Tour contou com um arco de ouro, um limão gigante, e até o momento, a maior tela LED do mundo.

A turnê subsequente, Popmart Tour, foi iniciada em abril de 1997. Como a Zoo TV, ela ironizou a cultura pop e tinha a intenção de enviar uma mensagem sarcástica os que acusaram o U2 de comercialismo. O estágio incluiu um arco de ouro amarelo de cem pés (30 metros) de altura (uma reminiscência do logotipo da McDonald's), a 150 pés (46 metros) de comprimento da tela de vídeo e 40 pés (12 metros) de altura do mirrorball lemon (limão gigante). O U2 não conseguiu um big shtick, entretanto, para satisfazer muitos que estavam aparentemente confusos com a imagem do novo "estilo cafona" da banda e conjuntos elaborados.[99] O adiamento da data de lançamento de Pop (1997), a fim de completar o álbum significou o tempo de ensaio para a turnê, foi severamente reduzida, e o sofrimento em performances de shows precoces.[100] Um destaque da turnê foi o concerto em Sarajevo, onde a banda foi o primeiro principal grupo a realizar ali após a Guerra da Bósnia.[101] Mullen descreveu o show, dizendo: "Uma experiência que eu nunca irei esquecer para o resto da minha vida, e seu tivesse de passar vinte anos na banda apenas para tocar neste show, e tenho feito isso, eu acho que terias valido a pena".[102] Bono disse: "Um dos mais difíceis e uma das mais doces noites da minha vida".[103] Um mês após a conclusão da turnê Popmart, o U2 apareceu no episódio 200, "Empate de Titãs", do seriado animado Os Simpsons, no qual Homer Simpson interrompeu a banda no palco durante um show da Popmart Tour.[104]

Leave Behind e Atomic Bomb (2000–2006)[editar | editar código-fonte]

Apresentação da banda durante a Elevation Tour em 2001.

Após a recepção comparativamente pobre de Pop (1997), a banda declarou que eles "reaplicariam ao trabalho... de uma das melhores bandas do mundo",[105] e desde então, têm perseguido por um som de rock mais convencional misturado por suas influências de suas explorações musicais na década de 1990.[106] O álbum All That You Can't Leave Behind foi lançado em outubro de 2000, e foi produzido por Brian Eno e Daniel Lanois. Para muitos que não foram conquistados pelas músicas do grupo nos anos 1990, considerou-se um retorno à graça;[107] A Rolling Stone disse a "terceira obra-prima" do U2, ao lado de The Joshua Tree (1987) e Achtung Baby (1991).[108] O álbum estreou na posição de número 1 em 22 países[109] e seu single de sucesso mundial, "Beautiful Day", ganhou três Prêmios Grammy. Os outros singles do álbum também ganharam três Grammy Awards.

Para a Elevation Tour, o U2 realizou um ambiente em escala reduzida, retornando para arenas, depois de dez anos de produções em estádios. Um palco em forma de coração e uma rampa permitindo uma maior proximidade ao público. Após os ataques de 11 de setembro, o novo álbum ganhou uma ressonância adicionada,[67] [110] e, em outubro, o grupo realizou um concerto no Madison Square Garden, em Nova Iorque. Bono e The Edge disseram mais tarde que esses shows em Nova Iorque estavam entre suas performances mais memoráveis e emocionais.[111] No início de 2002, a banda realizou um show durante o intervalo do Super Bowl XXXVI,[112] onde homenagearam as vítimas dos ataques de 11 de setembro de 2001,[113] que, de acordo com a Sports Illustrated, foi o melhor show de intervalo da história do Super Bowl.[114]

"Walk On" (2000)
"Walk On", canção dedicada à líder democrática Aung San Suu Kyi, como forma de mostrar a luta pela liberdade durante seu projeto ativista na Birmânia.

"Vertigo" (2004)
"Vertigo", com seu riff agressivo, tornou-se um sucesso mundial e foi utilizado em uma promoção cruzada com a Apple.

Problemas para escutar estes arquivos? Veja introdução à mídia.

O álbum de estúdio seguinte, How to Dismantle an Atomic Bomb, foi lançado em novembro de 2004. A banda estava procurando um som de rock mais difícil de tocar do que All That You Can't Leave Behind (2000). Tematicamente, Bono afirmou que "muitas das canções, são hinos de ingenuidade, uma rejeição à sabedoria".[115] O primeiro single, "Vertigo", foi apresentado na televisão em um comercial exibido internacionalmente pelo iPod da Apple, por um iPod especial do U2 e pela caixa especial The Complete U2 (2004), que foram lançadas como parte da promoção com a Apple. O álbum estreou no número 1 nos Estados Unidos, onde as vendas da primeira semana foi o dobro das vendas de All That You Can't Leave Behind, estabelecendo um recorde para a banda.[116] Afirmando-o como um dos concorrentes dos três melhores álbuns do U2, Bono disse: "Não há canções fracas. Mas, como um álbum, o todo não é maior que a soma de suas partes, e isso me irrita".[115] A Vertigo Tour contou com um setlist que variaram mais do que em datas de qualquer turnê da banda desde Lovetown Tour, e incluiu músicas não tocadas desde 1980. Como a Elevation Tour, a Vertigo Tour foi um sucesso comercial.[117] O álbum e seus singles ganharam Prêmios Grammy em todas as oito categorias em que o grupo foi nomeado. Em 2005, Bruce Springsteen iniciou o Rock and Roll Hall of Fame.[118] O filme 3D do concerto-filme, U2 3D, foi rodado em nove concertos durante a América Latina e na etapa australiana da Vertigo Tour, sendo lançado em 23 de janeiro de 2008.

Panorama do palco da Vertigo Tour em Adelaide, na Austrália.

Em agosto de 2006, a banda incorporou seu negócio editorial nos Países Baixos após o nivelamento da isenção dos artistas irlandeses no imposto de duzentos e cinquenta mil euros.[119] The Edge afirmou que as empresas, muitas vezes, buscavam minimizar os seus encargos fiscais.[120] O movimento foi criticado pelo parlamento irlandês.[120] [121] A banda disse que a crítica era injusta, afirmando que a aproximidade de 95% de suas atividades teve lugar fora da Irlanda, que fossem tributadas a nível mundial devido a isso, e que estavam "todos os investidores pessoais e empregadores no país".[122] Em março de 2008, o U2 assinou um contrato de 12 anos com a Live Nation, no valor de cem milhões de dólares,[123] o que inclui o controle da Live Nation sobre a mercadoria da banda, patrocínio e seu site oficial.[124]

No Line e U2 360° Tour (2007–2011)[editar | editar código-fonte]

A estrutura do palco da U2 360° Tour, o maior já construído, permitiu uma configuração de assentos de 360 graus.

A gravação para o décimo segundo álbum de estúdio do U2, No Line on the Horizon (2009), começou com o produtor Rick Rubin em 2006, mas as sessões foram de curta duração e o material foi arquivado. Em junho de 2007, a banda começou as novas sessões com Brian Eno e Daniel Lanois, que contribuíram não só como produtores, mas pela primeira vez com o U2, como compositores também.[125] A gravação continuou até dezembro de 2008 nos Estados Unidos, Reino Unido, Irlanda e Fez, no Marrocos, onde a banda explorou a música norte africana. Pretendia ser um trabalho mais experimental do que seus dois álbuns anteriores,[126] sendo lançado em fevereiro de 2009, recebendo críticas positivas, incluindo a sua primeira revisão de cinco estrelas da Rolling Stone. Os críticos, no entanto, observaram que não era tão experimental como o esperado. O álbum estreou no número 1 em mais de 30 países,[127] mas as vendas do álbum foram relativamente baixas para os padrões da banda e não continha um single de sucesso.[128]

O grupo começou a U2 360° Tour em 2009. A turnê contou com a maior estrutura de palco em concertos, apelidado de "Garra", e um de seus 360º de configuração de teste/audiência que os fãs eram permitidos cercar todos os lados do palco.[129] A turnê visitou os estádios da Europa e Estados Unidos em 2009. No final do ano, a Rolling Stone disse que o U2 era um dos oito "Artistas da Década".[130] A turnê da banda os classificou na segunda posição em total de concertos da década, atrás de The Rolling Stones, embora a banda tivésse um lucro significantemente superior em relação aos Stones. Eles foram a única banda do "top 25" da década de 2000, a vender por fora cada show que eles tocaram.[131] O U2 retomou a U2 360º Tour em 2010, com as etapas na Europa, Austrália e Nova Zelândia. No entanto, sua aparência em manchete agendada ao Festival de Glastonbury 2010 e sua etapa norte-americana naquele ano, foram adiadas após uma lesão séria que Bono sofreu.[132] [133] [134] Estas aparições foram reprogramadas para 2011, após a etapa sul-africana e América do Sul e do Festival de Glastonbury 2011.[135] A turnê foi concluída em julho de 2011, com uma renda bruta de mais de 736 milhões de dólares, e um atendimento total de 7.268.430 espectadores, ambos os valores, recorde para uma única turnê.[136] A revista Forbes estima que a banda ganhou 78 milhões de dólares, entre maio de 2011 e maio de 2012, tornando-se o quarto artista musical mais bem pagos.[137]

13º álbum de estúdio (2012–presente)[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2012, o presidente do selo Mercury Records, Jason Iley, anunciou que o décimo terceiro álbum de estúdio do U2 seria lançado em 2013,[138] [139] entretanto, sendo previsto para ser lançado em junho de 2014, com gravações no Hanover Quay Studios, em Dublin, e no Electric Lady Studios, em Nova York.[140] [141] Em novembro de 2013, o empresário de longa data da banda, Paul McGuinness, desceu de seu posto como parte de um acordo com a Live Nation, para adquirir sua empresa de gestão, Principle Management. McGuinness, que trabalhou por 35 anos com o grupo, foi sucedido por Guy Oseary.[142] [143]

Membros[editar | editar código-fonte]

Estilo musical[editar | editar código-fonte]

Instrumentação[editar | editar código-fonte]

Realização de um concerto da banda em 2009. The Edge descreveu o U2 como um grupo fundamentalmente ao vivo.

Desde a sua criação, o U2 tem desenvolvido e mantido um som distintamente reconhecível, com ênfase e instrumentais melódicos e expressivos, maior em relação aos vocais.[154] Esta abordagem tem suas raízes, em parte, a influência precoce do produtor de discos Steve Lillywhite, em um momento em que a banda não era conhecida pela seriedade musical.[155] The Edge tem usado constantemente um eco rítmico e uma marca no delay[156] para elaborar seu trabalho na guitarra, junto com uma influência irlandesa nos pedais tocados contra suas melodias sincopadas[157] que, em última análise, produz um som bem definido, um som de carrilhão. Bono tem estimulado o seu falsete de voz operística[158] e tem mostrado uma tendência notável para a lírica social, política e assuntos pessoais, mantendo uma escala grandiosa em sua composição. Além disso, The Edge descreveu o U2 como uma banda fundamentalmente ao vivo.[157]

Apesar destas consistências amplas, o grupo introduziu elementos novos em seu repertório musical, com cada álbum novo. O som inicial do U2 foi influenciado por bandas como Television e Joy Division, sendo descrito como "contendo uma sensação de alegria", que resultou de The Edge "acordes radiantes" e um "vocal ardente" de Bono.[159] O som do U2 começou com raízes do pós-punk, instrumentais minimalistas e menos complicada de ser ouvida em Boy (1980) e October (1981), evoluindo em War (1983) para incluir aspectos do rock, do funk, ritmo dance, para tornar-se mais versátil e agressivo.[160] Boy e War foram rotulados como "forte e agressivo" pela revista Rolling Stone,[39] influenciado em grande parte, pela produção de Lillywhite. The Unforgettable Fire (1984), que começou com The Edge tocando mais nos teclados do que na guitarra, bem como o acompanhamento de The Joshua Tree (1987), tinha Brian Eno e Daniel Lanois à frente da produção. Com sua influência, ambos os álbuns conseguiram uma textura variada.[39] As canções de The Joshua Tree e Rattle and Hum (1988), colocou mais ênfase no ritmo inspirado de Lanois à medida que a mistura distinta de estilos e variados da música gospel e blues, resultou no fascínio crescente da banda com a cultura americana, pessoas e lugares. Na década de 1990, a banda reinventou-se quando eles começaram a utilizar sintetizadores, distorções, batida eletrônica e derivados do rock alternativo, música industrial, dance e hip hop em Achtung Baby,[161] Zooropa (1993) e Pop (1997).[162] Na década de 2000, havia uma banda com um som mais despojado, com um ritmo mais tradicional e o uso de sintetizadores e efeitos.[163]

Letras e temas[editar | editar código-fonte]

"Coexist" ou "Coexistir", foi uma logo criada pelo artista polonês Piotr Mlodozeniec, formada pelos três símbolos das religiões abraâmicas: A letra "C" representando a lua crescente, símbolo do Islamismo (1); o "X" representando a Estrela de Davi, símbolo do Judaísmo (2) e; o "T" representando a cruz, símbolo do Cristianismo (3). Apresentação no México em 2006.

O cenário social e político, muitas vezes embelezadas com imagens cristãs e espirituais,[164] são aspectos importantes do conteúdo lírico da banda. Canções como "Sunday Bloody Sunday", "Silver and Gold" e "Mothers of the Disappeared" foram motivados por acontecimentos atuais do tempo. O primeiro, foi escrito sobre o Conflito na Irlanda do Norte,[165] enquanto que a terceira, diz respeito à luta de um grupo de mulheres cujos filhos foram mortos ou desaparecidos pelo governo durante a Guerra Civil de El Salvador.[166] A canção "Running to Stand Still" de The Joshua Tree, foi inspirado pelo vício em heroína que estava varrendo Dublin — a letra "I see seven towers, but I only see one way out" ("Eu vejo sete torres, mas vejo apenas uma saída"), refere-se à Ballymun Tower, do Norte de Dublin, e as imagens durante toda a canção, personifica as lutas do vício.[167]

Os conflitos pessoais e turbulências foram inspirados nas canções "Mofo", "Tomorrow" e "Kite". Um desejo emocional ou súplica, frequentemente aparece como um tema lírico,[154] em canções como "Yahweh",[168] "Peace on Earth", e "Please". Grande parte da composição e músicas do U2 também é motivado por contemplações de perda e angústia, juntamente com esperança e resiliência, temas que são centrais em The Joshua Tree.[39] Algumas dessas ideias líricas foram ampliadas por Bono e das experiências pessoais da banda durante a sua juventude na Irlanda, bem como a campanhas e ativismos mais tarde, em suas vidas. A banda têm usado turnês, tais como Zoo TV e Popmart, para demonstrar as tendências sociais, tais como meios de sobrecarga e do consumismo, respectivamente.[162]

Embora a banda e seus fãs muitas vezes afirmarem a natureza política de suas músicas, as letras e as canções do U2 têm sido criticadas como apolíticos, por causa de sua imprecisão e "imagens distorcidas", e a falta de qualquer referência específica a pessoas reais ou personagens.[169]

Influências[editar | editar código-fonte]

A banda cita The Who,[170] The Clash,[171] Television, Ramones,[172] The Beatles,[173] Joy Division,[174] Siouxsie and the Banshees,[175] Elvis Presley,[176] e Patti Smith[177] como influências. Van Morrison foi citado por Bono como uma influência[178] e sua influência sobre o U2 é apontado no Rock and Roll Hall of Fame.[179] Outros músicos e bandas como Coldplay,[180] [181] Snow Patrol,[182] [183] The Fray,[184] [185] OneRepublic,[186] [187] The Academy Is...,[188] The Killers,[189] 30 Seconds to Mars,[190] Switchfoot,[191] Sanctus Real,[192] Your Vegas,[193] e Angels and Airwaves,[194] citam o U2 como influência.

A banda também trabalhou e/ou tinha relações influentes com artistas como Johnny Cash, Green Day, Leonard Cohen, Bruce Springsteen, B. B. King, Lou Reed, Luciano Pavarotti,[195] Bob Dylan, Elvis Costello, Wim Wenders, R.E.M., Salman Rushdie e Anton Corbijn.

Campanhas e ativismo[editar | editar código-fonte]

Bush and Bono.jpg
U2 with Brazil president Rousseff in 2011.jpg
Bono com o ex-presidente dos Estados Unidos George W. Bush em fevereiro de 2006, na National Prayer Breakfast (acima); U2 com a presidente do Brasil Dilma Rousseff, na cidade de Brasília, em abril de 2011 (abaixo).

Desde o início da década de 1980, os membros do U2 — como uma banda e individualmente — têm colaborado com outros músicos, artistas, celebridades e políticos para tratar de questões relativas à pobreza, doença e injustiça social.

Em 1984, Bono e Adam Clayton participaram do Band Aid, com intuito de arrecadar dinheiro para a fome na Etiópia em 1984–1985. Esta iniciativa produziu um single de sucesso, "Do They Know It's Christmas?", que seria a primeira entre várias colaborações entre o U2 e Bob Geldof. Em julho de 1985, a banda tocou no Live Aid, um acompanhamento aos esforços do Band Aid. Bono e sua esposa, Ali, a convite da World Vision, mais tarde, visitou a Etiópia, onde testemunhou a fome em primeira mão. Bono diria mais tarde que estabeleceu as bases para sua campanha da África e alguns de seus compositores.[196]

Em 1986, o grupo participou da turnê A Conspiracy of Hope com apoio sobre a Anistia Internacional e no Self Aid para o desemprego na Irlanda. No mesmo ano, Bono e Ali Hewson também visitaram a Nicarágua e El Salvador, a convite do Movimento Santuário, e viu os efeitos da Guerra Civil de El Salvador. Estes eventos de 1986 influenciou grandemente o álbum The Joshua Tree, que estava sendo gravado no momento.[58] [197]

Em 1992, a banda participou do concerto Stop Sellafield com o Greenpeace durante a turnê Zoo TV.[198] Os eventos em Sarajevo durante a Guerra da Bósnia, inspirou a música "Miss Sarajevo", que estreou em setembro de 1995 com Pavarotti e amigos em show, e que, Bono e The Edge realizaram pelo War Child.[199] Uma promessa feita em 1993 foi mantida quando a banda tocou em Sarajevo como parte da turnê Popmart, em 1997.[200] Em 1998, eles tocaram em Belfast, dias antes da votação sobre o Acordo da Sexta-Feira Santa, trazendo os líderes políticos da Irlanda do Norte, como David Trimble e John Hume ao palco, para promover o acordo.[201] Mais tarde naquele ano, todos os rendimentos a partir do lançamento do single "Sweetest Thing", seria no sentido de apoiar o Projeto Internacional Infantil de Chernobyl.

Em 2001, a banda dedicou "Walk On" para a líder pró-democrática birmanesa Aung San Suu Kyi.[202] No final de 2003, Bono e The Edge participaram do HIV/AIDS na África do Sul, na série de concertos 46664, hospedado por Nelson Mandela.[203] A banda tocou em 2005 no concerto do Live 8 em Londres. A banda e Paul McGuinness foram premiados com a Anistia Internacional com o Prêmio Embaixador da Consciência para o seu trabalho na promoção dos direitos humanos.[204]

Desde 2000, Bono inclui a campanha Jubilee 2000 com Bob Geldorf, Muhammad Ali e outros para promover a anulação da dívida de terceiro mundo durante o Grande Jubileu. Em janeiro de 2002, Bono co-fundou a ONG multinacional, DATA, com o objetivo de melhorar o estado social, político e financeiro da África. Ele continuou suas campanhas para a dívida e o alívio do HIV/AIDS em junho de 2002, fazendo visitas de alto nível para a África.[205] [206]

Logotipo da ONE, ONG fundada em 2004, co-fundada por Bono.

A Product Red, uma marca com fins lucrativos para arrecadar fundos para o Fundo Global, foi fundada, em parte, por Bono. A ONE, originalmente em contrapartida ao Make Poverty History, foi moldada por seus esforços e visão.[207]

No final de 2005, após o Furacão Katrina e o Furacão Rita, The Edge ajudou a introduzir o Music Rising, uma iniciativa para levantar fundos para os músicos que perderam seus instrumentos musicais na tempestade na parte que banha a Costa do Golfo.[208] Em 2006, o U2 colaborou com a banda pop punk Green Day para gravar um remake da canção "The Saints Are Coming", da banda escocesa The Skids, para beneficiar o Music Rising.[209]

O U2 e o ativismo social de Bono não ficaram sem críticas, no entanto, vários autores e ativistas que publicam em revistas politicamente esquerdistas, como a CounterPunch, criticaram o apoio de Bono às figuras políticas, como Paul Wolfowitz,[210] bem como o seu "paternalismo essencial".[211] Outras fontes de notícias em geral, têm questionado mais a eficácia da campanha de Bono para aliviar a dívida e prestar assistência a África.[212] Ativistas de impostos e desenvolvimentos também criticaram a mudança da banda da Irlanda para a Holanda com o intuito de reduzir a sua dívida fiscal.[213]

No início de 2014, em parceria com a organização não governamental, (Red), também co-fundada por Bono, e com o Bank of America, a banda lançou a canção "Invisible". Divulgada inicialmente no intervalo do Super Bowl XLVIII, o trabalho foi disponibilizado gratuitamente para download por 36 horas no iTunes Store. Para cada download realizado, o Bank of America se comprometeu a doar um dólar para o combate o Fundo Global de Luta contra Aids, Tuberculose e Malária.[214] Após o período para downloads, a iniciativa arrecadou cerca de 3 milhões de dólares.[215]

Outros projetos[editar | editar código-fonte]

Os membros do U2 têm realizado uma série de projetos paralelos, às vezes em colaboração com alguns dos seus companheiros de banda. Em 1985, Bono gravou a canção "In a Lifetime", com a banda irlandesa Clannad. The Edge lançou um álbum solo para a trilha sonora do filme Captive (1986),[216] que incluiu a participação vocal por Sinéad O'Connor, que antecede o seu próprio álbum de estreia por um ano. Bono e The Edge escreveram a canção "She's a Mystery to Me" para Roy Orbison, que foi destaque em seu álbum, Mystery Girl (1989).[217] Em 1990, Bono e The Edge forneceram a trilha sonora para o Royal Shakespeare Company London, na versão teatral de A Clockwork Orange (apenas uma faixa já foi lançada, como B-side do single de "The Fly"). Nesse mesmo ano, Mullen co-escreveu e produziu uma canção para a Seleção Irlandesa de Futebol na Copa de 1990, chamado "Put 'Em Under Pressure", que liderou as paradas musicais da Irlanda. Juntamente com The Edge, Bono escreveu a música "GoldenEye" para o filme do espião James Bond, GoldenEye (1995), que foi executado pela Tina Turner.[218] Clayton e Mullen retrabalharam na faixa-título do filme Mission: Impossible (1996).[219] Bono participou no vocal para a canção de Mick Jagger, "Joy", no seu álbum solo, Goddess in the Doorway (2001).[220] Bono também gravou uma reposição, quase um termo falado da versão do músico Leonard Cohen da canção "Hallelujah" para o álbum de tributo Tower of Song (1995). Além disso, em 1998, Bono colaborou com Kirk Franklin e Crystal Lewis (junto com os artistas R. Kelly e Mary J. Blige) para uma música gospel de sucesso, chamado "Lean on Me".

Além de colaborações musicais, a banda trabalhou com vários autores. O escritor americano William S. Burroughs teve uma aparição do videoclipe da canção "Last Night on Earth" pouco antes de falecer.[221] Seu poema "A Thanksgiving Prayer" foi usada como imagens de vídeo durante a turnê da banda, Zoo TV. Outros colaboradores incluem William Gibson e Allen Ginsberg.[222] No início de 2000, a banda gravou três canções para a trilha sonora do filme The Million Dollar Hotel, incluindo "The Ground Beneath Her Feet", que foi co-escrito por Salman Rushdie e motivados por seu livro de mesmo nome.[223]

Em 2007, Bono apareceu no filme Across the Universe (2007) e cantando as canções dos The Beatles. Em 2011, Bono e The Edge também escreveram e compuseram canções para a trilha sonora de Spider-Man: Turn Off the Dark (2011). Além disso, The Edge criou a música-tema para a 1ª e 2ª temporada da série animada The Batman.[224] Durante as gravações do 13º álbum de estúdio, a banda gravou as canções "Ordinary Love" e "Breathe" (versão do filme), como parte da trilha sonora do filme Mandela: Long Walk to Freedom (2013),[225] depois de receber um convite do produtor cinematográfico Harvey Weinstein.[226] [227]

Legado[editar | editar código-fonte]

A Rolling Stone classificou The Edge e Bono entre os maiores guitarristas e cantores, respectivamente.

O U2 vendeu mais de 150 milhões de discos, inserindo-os entre os artistas que mais venderam discos de todos os tempos,[228] com 51,5 milhões de unidades certificadas pela RIAA, sendo o 21º recordista de vendas de discos nos Estados Unidos.[229] O quinto álbum de estúdio, The Joshua Tree (1987), está classificado como um dos álbuns mais vendidos nos Estados Unidos, depois de ter vendido mais de dez milhões de cópias,[230] e está também entre os álbuns mais vendidos do mundo, com vendas de 25 milhões de cópias.[231]

A revista Rolling Stone classificou a banda como o 22º da lista dos "100 Maiores Artistas de Todos os Tempos",[3] enquanto que o ranking de Bono está na 32ª posição, de melhor cantor[147] e de 38º para The Edge, como melhor guitarrista.[232] Em 2010, oito das canções do U2 apareceram na Rolling Stone, em sua lista atualizada das "500 Melhores Canções de Todos os Tempos", com "One" como o ranking mais alto, na 36ª posição.[233] Cinco, dos doze álbuns de estúdio do grupo, foram classificados na lista de 2003, nos "500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos" pela Rolling StoneThe Joshua Tree liderando o ranking mais alto, na 26ª posição.[67] Em uma pesquisa da revista Q nomeou o grupo como o de maior gesto dos últimos 25 anos em 2011.[234] Em 2010, a VH1 classificou a banda na posição de número 19 na lista dos "100 Maiores Artistas Todos os Tempos".[235] Cinco dos 12 álbuns de estúdio do U2 estão presentes no ranking dos "500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos" pela revista Rolling StoneThe Joshua Tree na posição de número 27;[67] Achtung Baby na posição de número 63;[236] War na posição de número 223;[237] All That You Can't Leave Behind na posição de número 280;[238] e Boy na posição de número 417.[239] Refletindo sobre a popularidade da banda e o impacto mundial, Jeff Pollack, da The Huffington Post, disse: "Como The Who, antes deles, o U2 escreveu canções sobre coisas que foram importantes e ressoou com seu público".[240]

A banda recebeu seu primeiro Prêmio Grammy com The Joshua Tree em 1988, ganhando 22 no total, de 34 indicações, mais do que qualquer outra banda.[66] [241] Estes incluem o de "Melhor Performance de Rock por um Duo ou Grupo com Vocais", "Álbum do Ano", "Gravação do Ano" e "Melhor Álbum de Rock". A Indústria Fonográfica Britânica, concedeu ao U2, sete Brit Awards, cinco dos quais estão de "Melhor Grupo Internacional". Na Irlanda, o U2 já ganhou 14 Meteor Music Awards desde que a premiação começou, em 2001. Outros prêmios incluem American Music Awards, quatro MTV Video Music Awards, onze Q Awards, dois Prêmios Juno, três NME Awards e dois Prêmios Globo de Ouro. A banda foi introduzido no Rock and Roll Hall of Fame no início de 2005.[118] Em 2006, todos os quatro membros da banda receberam prêmios ASCAP por escrever as canções, "I Still Haven't Found What I'm Looking For" e "Vertigo".[242] [243]

Apresentações[editar | editar código-fonte]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Desempenho do U2 durante a vinda ao Brasil, na Vertigo Tour, no Estádio Morumbi, em 21 de fevereiro de 2006.

Em 1998, a banda realizou seu primeiro show no Brasil durante a turnê Popmart Tour, executando três concertos. O primeiro concerto foi realizado no Autódromo de Jacarepaguá, na cidade do Rio de Janeiro, com estimativa de 110.000 pessoas, em 28 de janeiro de 1998.[244] Enquanto o segundo e último show da banda, foi apresentada no estádio Morumbi, localizado na cidade de São Paulo, em 30 e 31 de janeiro, respectivamente.[245] [246] Cerca de 250 mil pessoas acompanharam os shows. Em 2001, o U2 esteve no Brasil para um show fechado no Projac, para divulgação do álbum All That You Can't Leave Behind (2000), que teve partes exibidas pela Rede Globo.

Em 2006, já pela turnê Vertigo Tour, o grupo retorna depois de cinco anos sem ir ao Brasil. A banda realizou dois concertos no estádio Morumbi, em São Paulo, nos dias 20 e 21 de fevereiro.[247] [248] A venda de ingressos para os shows brasileiros foi marcada pela desorganização dos promotores. No primeiro dia de venda de ingressos, somente para o primeiro dia de show, milhares de fãs gastaram até 12 horas na fila, mas poucos conseguiram comprar os bilhetes, e parte dos ingressos foi comprada por cambistas, que alugavam idosos, gestantes e pessoas com crianças de colo para entrar na fila preferencial. Os dois shows tiveram média de público de mais de 70 mil pessoas. O primeiro dos shows foi transmitido pela Rede Globo. Além dos shows, a passagem da banda pelo Brasil, incluiu uma visita de Bono ao ex-presidente Lula, em doação de uma guitarra ao programa fome zero; e a participação dos integrantes da banda no Carnaval de Salvador, no camarote e trio elétrico Expresso 2222, do ex-ministro da Cultura, Gilberto Gil.

"Liguem seus isqueiros, seus celulares, vamos homenagear essas crianças e suas famílias".

— O pedido de Bono, enquanto o nome da uma dúzia de vítimas aparecia no telão 360º.[249]

Em 2011, durante a U2 360° Tour, a banda apresentou-se nos dias 9, 10 e 13 de abril de 2011, novamente, no estádio Morumbi. Com um público de mais de 90 mil pessoas, Bono fez um discurso em homenagem às 12 crianças vítimas do Massacre de Realengo (2011), na Escola Municipal Tasso de Silveira, no Rio de Janeiro. Durante a finalização do primeiro show do U2, na canção "Moment of Surrender", uma lista dos nomes das crianças vítimas do massacre apareciam na tela LED.[250]

A banda de indie rock Muse, que desde setembro de 2009 vem sendo uma das principais bandas de abertura da turnê, foi responsável também, pela abertura dos três concertos no Brasil.[251]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Apresentação da banda no Estádio Cidade de Coimbra, durante a U2 360° Tour, em outubro de 2010.

Em 1982, Portugal recebeu a primeira visita da banda irlandesa, no Festival realizado em Vilar de Mouros. O Festival de Vilar de Mouros durou nove dias, sendo os U2 uma das referências de todos os festivais de Vilar de Mouros.[252] [253]

Mais de uma década depois de tocar em Portugal, a banda retorna durante a turnê Zoo TV em 1993, no Estádio José Alvalade. Foi um grande marco para a banda e para os fãs, pois a digressão Zoo TV explorou ao máximo a tecnologia da época. O Estádio de Alvalade registrou uma das suas maiores enchentes, cerca de 65 mil pessoas; um número só conseguido no concerto dos The Rolling Stones.[254] [255] Na digressão seguinte, da Popmart Tour, em divulgação do álbum Pop (1997), o U2 realizou um concerto no mesmo estádio, em 11 de setembro de 1997, tocando para mais de 60 mil pessoas.[256] [257] Em 2005, durante a Vertigo Tour, sendo a sua quarta visita ao país, a banda toca pela terceira vez no Estádio Alvalade, realizando o concerto em 14 de agosto de 2005,[258] encerrando a segunda etapa da turnê pela Europa.[259] A última apresentação do grupo em Portugal na década de 2010, foi durante a U2 360° Tour, na divulgação do álbum No Line on the Horizon (2009). Desta vez, a banda realizou os dois concertos no Estádio Cidade de Coimbra, nos dias 2 e 3 de outubro de 2010,[260] [261] com a abertura da banda indie rock americana Interpol, com cerca de 42 mil espectadores somente no primeiro show.[262]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio

Referências

  1. Paul McGuinness. Classic Albums: The Joshua Tree [Documentário televisivo]. Rajon Vision.
  2. Rolling Stone (1994), p. xx
  3. a b Martin, Chris. (15 de abril de 2004). "The Immortals: The Fifty Greatest Artists of All Time: U2" (946).
  4. McCormick 2006, pp. 46–47
  5. McCormick 2006, p. 27
  6. Chatterton 2001, p. 130
  7. a b "Biografia do U2". MTV (10 de agosto de 2010). Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  8. McCormick 2006, p. 30
  9. McCormick 2006, pp. 35, 40
  10. McCormick 2008, p. 37
  11. de la Parra 2003, p. 6
  12. a b McCormick 2006, pp. 46–48
  13. McCormick 2006, p. 44
  14. Wall 2005, p. 45
  15. McCormick 2006, pp. 53–56
  16. de la Parra 2003, p. 8
  17. de la Parra 2003, p. 10
  18. Stokes 1996, p. 142, McCormick 2006, p. 88
  19. Stokes 1996, p. 142
  20. Lynch, Declan. (11 de outubro de 1980). "Boy". Hot Press.; Marley, Paul. (25 de outubro de 1980). "Boy's Own Weepies". NME.; Browning, Boo. "U2: Aiming for Number 1", 27 de fevereiro de 1981.
  21. Henke, James. (19 de fevereiro de 1981). "U2: Here Comes the "Next Big Thing"". Rolling Stone (337).
  22. de la Parra 2003, pp. 16–17
  23. Voice of Influential U2 Frontman. BBC News. BBC (23 de dezembro de 2006). Página visitada em 14 de dezembro de 2011.
  24. McCormick, Neil (2008). Album notes for October by U2 [Remastered deluxe edition CD booklet]. Island Records (B0010948-02).; McGee (2008), p
  25. Flanagan 1996, pp. 46–48
  26. U2 lyrics returned after 23 years. BBC News. BBC (22 de outubro de 2004). Página visitada em 14 de dezembro de 2011.
  27. McCormick 2006, p. 120
  28. Stokes 1996, p. 36
  29. Reynolds (2006), p. 367
  30. Graham 2004, p. 14
  31. McCormick 2006, p. 135
  32. McCormick 2006, p. 127
  33. "New Year's Day" reached number ten on the UK charts and received extensive radio coverage in the US, almost breaking that country's Top 50. McCormick 2006, p. 139, Songfacts: New Year's Day by U2. Songfacts.com. Página visitada em 14 de dezembro de 011.
  34. Block, Adam. (1 de maio de 1989). "Bono Bites Back". Mother Jones.
  35. Cave, Damien, et al.. (24 de junho de 2004). "U2's Gamble at Red Rocks". Rolling Stone (951).
  36. a b Connelly, Christopher. (14 de março de 1985). "Keeping the Faith". Rolling Stone (443).
  37. a b McCormick 2006, p. 147
  38. a b c d e de la Parra 2003, pp. 52–55
  39. a b c d e Pond, Steve. (09 de abril de 1987). "Review: The Joshua Tree". Rolling Stone (497).
  40. Graham 2004, p. 21
  41. Island Records boss Chris Blackwell initially tried to discourage them from their choice of producers, believing that just when the band were about to achieve the highest levels of success, Eno would "bury them under a layer of avant-garde nonsense". McCormick 2006, p. 151
  42. Stokes 1996, pp. 50–51
  43. McCormick 2006, p. 151
  44. Graham, (2004), pp. 23–24
  45. Stokes 1996, p. 55
  46. de la Parra 2003, pp. 62–63
  47. Rolling Stone, which was critical of the album version of "Bad", described its live performance as a 'show stopper'. Henke, James. (18 de julho de 1985). "Review: Wide Awake in America". Rolling Stone (452–453).
  48. Kaufman, Gil (29 de junho de 2005). Live Aid: A Look Back At A Concert That Actually Changed The World. MTV. MTV Networks. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  49. McCormick 2006, p. 164
  50. de la Parra 2003, pp. 72–73
  51. Rolling Stone (1994), pp. 68–69
  52. so named as a "tribute" to, rather than a "metaphor" for, America (McCormick 2006, p. 186)
  53. DeCurtis, Anthony (26 de março de 1987). "U2 Releases The Joshua Tree". Rolling Stone (496). Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  54. McCormick 2006, pp. 169, 177
  55. McCormick 2006, p. 179
  56. so named as a "tribute" to, rather than a "metaphor" for, America McCormick 2006, p. 186
  57. DeCurtis, Anthony (26 de março de 1987). "U2 Releases The Joshua Tree". Rolling Stone (496).
  58. a b McCormick 2006, p. 174
  59. Dalton, Stephen. (08 de setembro de 2003). "How the West Was Won".
  60. Stokes 1996, p. 72
  61. McCormick 2006, p. 186
  62. Graham 2004, pp. 27–30
  63. King, Philip, and Nuala O'Connor (directors). Classic Albums: U2 – The Joshua Tree [Television documentary]. Isis Productions. ,McCormick 2006, p. 186
  64. The Beatles, The Band, and The Who were the first three.
  65. (27 de abril de 1987) "TIME Magazine Cover: U2 - 27 de abril de 1987". Time.
  66. a b Past Winners Search — Artist: U2. GRAMMY.com. The Recording Academy. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  67. a b c d e Wenner, Jann S. (ed.). (2012). "The 500 Greatest Albums of All Time - The Joshua Tree". Rolling Stone (Special Collectors Issue).
  68. de la Parra 2003, pp. 102–103, 111
  69. Stokes 1996, p. 78, Graham 2004, pp. 36–38
  70. Rattle and Hum review. Allmusic.com. Página visitada em 03 de novembro de 2006; Christgau, Robert. "Rattle and Hum. robertchristgau.com. Página visitada em 03 de novembro de 2006.
  71. Rolling Stone (1994), p. xxiii
  72. Rolling Stone (1994), p. xxiv
  73. Fricke, David. (01 de outubro de 1992). "U2 Finds What It's Looking For". Rolling Stone (640): 40+.
  74. McCormick 2006, p. 213
  75. Eno, Brian (28-11-1991). "Bringing Up Baby". Rolling Stone (618).
  76. Flanagan 1996, pp. 4–6
  77. Flanagan 1996, p. 7
  78. Flanagan 1996, pp. 6–11
  79. Flanagan 1996, pp. 4–6, Graham 2004, p. 43
  80. a b c Dalton, Stephen. (novembro de 2004). "Achtung Stations". Uncut (90).
  81. Graham 2004, p. 44
  82. Tyaransen, Olaf. (04-12-2002). "Closer to the Edge". Hot Press.
  83. de la Parra 2003, pp. 139–141, Flanagan 1996, pp. 12, 13, 58–61, Stokes 1996, pp. 110–111
  84. McGee (2008), p. 143
  85. Light, Alan. (04 de março de 1993). "Behind the Fly". Rolling Stone (651): 42+. Wenner Media LLC.
  86. Deevoy, Adrian. (Setembro de 1993). "I Had Too Much to Dream Last Night". Q.
  87. de la Parra 2003, pp. 153, 166
  88. Flanagan 1996, p. 30, Graham 2004, p. 49, Stokes 1996, p. 102
  89. Graham 2004, p. 51
  90. de la Parra 2003, pp. 166–172
  91. McCormick 2006, p. 269
  92. Sullivan, Jim. "Eno, U2 Make An 'Original'", 07-11-1995.
  93. McCormick 2006, pp. 261–262
  94. Graham 2004, pp. 62–63
  95. (1 de março de 1997) "Pop: Kitsch of Distinction".; Smith, Andrew. "Pop", 23 de março de 1997.
  96. Hoskyns, Barney. (20 de março de 1997). "Review: Pop". Rolling Stone (756).
  97. Mueller, Andrew. (Maio de 2004). "U2's "Pop" Reconsidered" 1 (3).; Dentler, Matt. "U2 makes album world is waiting for", 30 de outubro de 2000.; Breimeier, Russ. The Best of 1990–2000 – U2. Christianity Today. The Fish. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  98. U2 Set to Re-Record Pop. Contactmusic.com. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  99. Carter, Geoff. (27 de abril de 1997). "U2 live: Play-by-play of the concert". The Las Vegas Sun.; Anderson, Kyle (04 de outubro de 2006). U2, Brute?. Spin. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  100. de la Parra 2003, pp. 193–202
  101. de la Parra 2003, pp. 211–212
  102. "Jo Whiley interview with U2". The Jo Whiley Show. BBC Radio 1, Londres. Novembro de 1998.
  103. Mueller, Andrew. "U2 in Sarajevo: Part 2 – The Rattle and Hum", 26 de setembro de 1997.
  104. "U2 And Homer Share Stage In "Simpsons" 200th Episode", MTV, 14 de agosto de 1997. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  105. Tyrangiel, Josh. (23 de fevereiro de 2002). "Bono's Mission".
  106. McCormick 2006, pp. 289, 296
  107. Time to Get the Leathers Out. Guardian.co.uk (27 de outubro de 2000). Página visitada em 31 de outubro de 2006.
  108. Hunter, James (9 de novembro de 2000). "Review: All That You Can't Leave Behind". Rolling Stone (853).
  109. "The Rock Radio: U2 biography". Therockradio.com. Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  110. McCormick 2006, pp. 308–309
  111. VH1: All Access: U2 [Television documentary]. , McCormick 2006, p. 309
  112. de la Parra 2003, p. 268
  113. Redação SNAP! (3 de fevereiro de 2012). ESPECIAL SUPER BOWL: Top 10 – Maiores Shows do Super Bowl. SNAP!. Página visitada em 13 de julho de 2013.
  114. Top 10 Super Bowl Halftime shows. Sports Illustrated. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  115. a b Wenner, Jann S.. (03 de novembro de 2005). "Bono on the Records". Rolling Stone (986).
  116. (21 de março de 2009) "U2 Lands Seventh No. 1; Kelly Clarkson Up Next". Billboard 121 (11).
  117. Waddell, Ray (13 de dezembro de 2005). U2's Vertigo Leads Year's Top Tours. Billboard. Página visitada em 31 de outubro de 2006.
  118. a b "U2 stars enter rock Hall of Fame", BBC News, BBC, 15 de março de 2005. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  119. McConnell, Daniel (06 de agosto de 2006). U2 move their rock empire out of Ireland. The Independent. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  120. a b O'Brien, Fergal. "Bono, Preacher on Poverty, Tarnishes Halo With Irish Tax Move", Bloomberg, 15 de outubro de 2006. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  121. Hyde, Marina. "They live like aristocrats. Now they think like them", The Guardian, 09 de dezembro de 2006. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  122. U2 reject tax avoidance claims. Belfast Telegraph (26 de fevereiro de 2009). Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  123. Live Nation agrees to 12-year pact with U2 Reuters. Página visitada em 17 de dezembro de 2011
  124. Thelwell, Emma (31 de março de 2008). U2 ties knot with Live Nation deal. The Daily Telegraph. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  125. Boyd, Brian (27 de fevereiro de 2009). The background: making No Line on the Horizon. The Irish Times. Arquivado do original em 23 de outubro de 2009. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  126. Hiatt, Brian (05 de abril de 2009). Taking care of business. Irish Independent. Arquivado do original em 23 de outubro de 2009. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  127. "New U2 album is No. 1 in 30 countries", 11 de março de 2009. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  128. Michaels, Sean. "U2's Bono disappointed with latest album sales", 26 de outubro de 2009. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  129. Paul McGuiness on U2's World Tour. Hot Press (04 de março de 2009). Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  130. "The Voices: Artists of the Decade". Rolling Stone (1094–1095). 24 de dezembro de 2009 – 7 de janeiro de 2010.
  131. Top Touring Artists of the Decade. Billboard. Página visitada em 19 de dezembro de 2009.
  132. Kreps, Daniel. (23 de novembro de 2009). "U2 to headline 2010 Glastonbury Festival; 25 de junho".
  133. U2 announce return to the stage in homemade video. Rolling Stone (13 de julho de 2010). Arquivado do original em 13 de julho de 2010. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  134. BBC Glastonbury Festival - 2011 - U2. BBC Online. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  135. Waddell, Ray (06 de março de 2009). U2 to 'Kiss the Future' on Global Stadium Tour. Billboard. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  136. Waddell, Ray (29 de julho de 2011). U2 Set to Wrap Biggest Concert Tour Ever. Billboard.com. Página visitada em 17 dedezembro de 2011.
  137. "The World's Highest-Paid Musicians 2012". Forbes (28 de novembro de 2012). Página visitada em 09 de dezembro de 2012.
  138. New U2 Album in 2013, Mercury Records Says. Atu2.com (13 de julho de 2012). Página visitada em 08 se setembro de 2012.
  139. "Arcade Fire, U2, Metallica confirm 2013 album releases: Mercury Records say it could be one of their best years for music. Gigwise (13 de julho de 2012). Página visitada em 10 de novembro de 2012.
  140. Edel O'Connell. "U2 back in town with wall-to-wall support at studio". Irish Independent (11 de novembro de 2011). Página visitada em 10 de abril de 2014.
  141. "U2 to release new album in early 2014" (em inglês). Metro (14 de outubro de 2013). Página visitada em 3 de novembro de 2013.
  142. Lewis, Randy. "U2 manager Paul McGuinness turning reins over to Guy Oseary". Los Angeles Times (15 de novembro de 2013). Tribune Company. Página visitada em 10 de abril de 2014.
  143. Ray Waddell. "Billboard's 2014 Industry Icon: Paul McGuinness on 35 Years Guiding 'The Biggest Band in the World' (Q&A)" Billboard (17 de janeiro de 2014). Página visitada em 10 de abril de 2014.
  144. Mellgren, D. (24 de fevereiro de 2006). Bono Among Nobel Peace Prize Nominees. Associated Press. Página visitada em 9 de dezembro de 2012.
  145. [Autor Desconhecido] (23 de dezembro de 2006). Honorary knighthood for U2's Bono. BBC News. "do arquivo original". Página visitada em 9 de dezembro de 2012
  146. Gibbs, N. (26 de dezembro de 2005). "The Good Samaritans". Time, 166. Página visitada em 9 de dezembro de 2012.
  147. a b (27 de novembro de 2008) "100 Greatest Singers of All Time – #32: Bono" (1066).
  148. "The Edge Biography" Página visitada em 9 de dezembro de 2012.
  149. "Goldeneye [Original Motion Picture Soundtrack]" Allmusic (Novembro de 1995). Página visitada em 9 de dezembro de 2012.
  150. "Os 100 maiores guitarristas de todos os tempos" Rolling Stone Brasil. Página visitada em 9 de dezembro de 2012.
  151. "U2: Biography" Rolling Stone. Página visitada em 10 de dezembro de 2012.
  152. "A gravação do Lado B 'Endless Deep'". U2// = Sombras e Árvores Altas. Página visitada em 10 de dezembro de 2012.
  153. "Mission:Impossible Soundtrack Album". U2wanderer.com. Página visitada em 10 de dezembro de 2012.
  154. a b Peake, Steve. Top 10 U2 Songs of the '80s. About.com. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  155. Fricke, David (30 de dezembro de 2004). "U2 Drops Bomb". Rolling Stone (964).
  156. Gulla (2009), p. 64
  157. a b Hutchinson, John. (September 1986). "U2's Leading Edge" (95).
  158. Maione, Marylinn (12 de fevereiro de 2006). Column: off the record..., vol. 6–201. atu2.com. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  159. Reynolds (2006), p. 368
  160. Considine, J.D.. (20 de janeiro de 1983). "Review: War" (387).
  161. Gardner, Elysa. (09 de janeiro de 1992). "Review: Achtung Baby". Rolling Stone (621).
  162. a b Pareles, Jon. "Under A Golden Arch, Sincerely U2", 28 de abril de 1997. Página visitada em 17 de dezembro de 2011.
  163. McCormick 2006, p. 289
  164. Pareles, Jon. "U2: The Catharsis in the Cathedral", 14 de novembro de 2004. Página visitada em 21 de dezembro de 2011.
  165. McCormick 2006, pp. 135, 139
  166. McGee 2008, p. 98
  167. Stokes 1995, pp. 62–77
  168. U2 – How to Dismantle an Atomic Bomb Review. Uncut. Página visitada em 21 de dezembro de 2011.
  169. Plotz, David (25 de janeiro de 2002). The soaring nothingness of U2. Slate. Página visitada em 21 de dezembro de 2011.
  170. McCormick 2006, p. 113
  171. "Clash Star Strummer Dies", BBC News, BBC, 27 de dezembro de 2002. Página visitada em 21 de dezembro de 2011.
  172. Bono. "Eulogy: Bono Remembers Joey Ramone", Time. Página visitada em 21 de dezembro de 2011.
  173. Saint Bono. The Age (26 de julho de 2003). Página visitada em 21 de dezembro de 2011.
  174. NewOrderStory [DVD]. Warner Bros., 2005.
  175. McCormick 2006, pp. 56, 58, 96
  176. Bono. (15 de abril de 2004). "The Immortals – The Greatest Artists of All Time: Elvis Presley".
  177. Werner, Jann. (03 de novembro de 2005). "Bono – The Rolling Stone Interview".
  178. Bayles 1994, p. 321
  179. Van Morrison: Induction year 1993. rockhall.com. Rock and Roll Hall of Fame. Página visitada em 21 de dezembro de 2011.
  180. Rolling Stone, Number #1025–1026, 3–17 de maio de 2007. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  181. "The Immortals: The First Fifty". Rolling Stone Issue 946. Rolling Stone. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  182. Carrie Allison. "Snow Patrol Talks Opening For U2 and New Album". U2 Interference (20 de junho de 2005). Página visitada em 25 de junho de 2013.
  183. "U2 – Bongo Wants Snow Patrol For Tour". Contactmusic.com (31 de janeiro de 2005). Página visitada em 25 de junho de 2013.
  184. "The Fray Biography". TheTabWorld.com. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  185. Gitlin, Lauren (10 de agosto de 2006). "Enter the Fray". Rolling Stone. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  186. "Musicians" OneRepublic's AmIAnnoying.com. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  187. "One Republic on purevolume.com". PureVolume.com. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  188. "The Academy Is... | Related Music Artist | Discover New Music | MTV". MTV.com. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  189. Pierce, Erin (2006) Former BYU's student's brother is lead singer of the Killers BYU News Net. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  190. Erlewine, Stephen Thomas. "A Beautiful Lie Review". Allmusic. Rovi Corporation. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  191. "Switchfoot - Biography" LyricsFreak. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  192. Russ Breimeier. "Sanctus Real – Fight the Tide". Christianity Today. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  193. "Music Under Fire: MUF Interviews Your Vegas". Musicunderfire.com. Página visitada em 25 de junho de 2013.
  194. "Angels And Airwaves Biography" NME (9 de novembro de 2007). Página visitada em 25 de junho de 2013.
  195. McCormick 2006, pp. 39, 113, 343
  196. Tyrangiel, Josh (4 de março de 2002). Bono. Time. Página visitada em 16 de janeiro de 2007;McCormick 2006, p. 289
  197. Dalton, Stephen (08 de setembro de 2003). "How the West Was Won". Uncut. Página visitada em 11 de junho de 2011
  198. McCormick 2006, p. 238
  199. McCormick 2006, p. 262
  200. McCormick 2006, p. 277
  201. McCormick 2006, pp. 285–286
  202. McCormick 2006, pp. 295–296
  203. "U2 news: Bono-heavy '46664: The Event' releases + photo retrospective" Hot Press (03 de março de 2004). Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  204. Ambassador of Conscience Award: 2005 Award Ceremony. artforamnesty.org. Página visitada em 05 de fevreiro de 2007.
  205. "Gates, Bono, unveil 'DATA Agenda' for Africa" Turner Broadcasting System, Inc. CNN.com (03 de fevereiro de 2002). Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  206. "CNN Access: Bono backs 'effective aid' for Africa" CNN.com (24 de maio de 2002). Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  207. "ONE DATA Report". ONE Campaign. Página acessada em 28 de novembro de 2012.
  208. The Edge (U2) Announces 'Music Rising', a Campaign to Aid Musicians Affected by Hurricanes Katrina and Rita modernguitars.com. Página visitada em 16 de janeiro de 2007.
  209. Hiatt, Brian (25 de setembro de 2006). "U2, Green Day Unite". Rolling Stone.
  210. O'Keefe, Derrick (23 de março de 2005). The Empire Moves and Co-opts in Mysterious Ways. CounterPunch. Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  211. Browne, Harry (16 de maio de 2006). RED Light District: Bono's Independent. CounterPunch. Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  212. Stossel, John and Patrick McMenamin (12 de maio de 2006). Will More Foreign Aid End Global Poverty?. Página visitada em 19 de janeiro de 2008.; and "Bono aid is making Africa sick", The Sunday Times, 01 de janeiro de 2006. Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  213. Richard Murphy, "Bono's Choice", http://www.taxresearch.org.uk/Blog/2006/08/20/100/
  214. U2 lança música 'Invisible' e libera download gratuito por 24 horas. Página visitada em 8 de fevereito de 2014.
  215. "Invisible", do U2, arrecada mais de 3 milhões de dólares para caridade. Página visitada em 8 de fevereiro de 2014.
  216. McCormick 2006, p. 169
  217. McCormick 2006, p. 211
  218. de la Parra 2003, p. 141
  219. de la Parra 2003, p. 132
  220. Wenner, Jann S.. (06 de dezembro de 2001). "Review: Goddess In The Doorway" (883–884).
  221. Beastie Boys' Adam Yauch to release documentary about Beat writer William S Burroughs – video NME. Página visitada em 22 de novembro de 2010
  222. Pancella, Angela. U2 Connections: William Gibson. atu2.com. Página visitada em 25 de janeiro de 2008; American Masters: Allen Ginsberg PBS.com. Pàgina visitada em 25 de janeiro de 2008.
  223. Salman Rushdie's Words Become U2 Lyrics CNN.com (22 de janeiro de 1999). Página visitada em 25 de janeiro de 2008.
  224. Pompeo, Joe (03 de março de 2009). Gossip Girl Sings! Sonic Youth Returns! And Where's Your Famous Blue Raincoat? (HTML). The New York Observer. The New York Observer, LLC. Página visitada em 08 de março de 2009
  225. "U2 vai lançar vinil com duas músicas inéditas em novembro" (em português). G1 (30 de outubro de 2013). Página visitada em 3 de novembro e 2013.
  226. "Ordinary Love on Vinyl" (em inglês). U2.com (30 de outubro de 2013). Pagina visitada em 3 de novembro de 2013.
  227. Christopher John Farley. ‘Mandela: Long Walk to Freedom’ Trailer Features New U2 Song ‘Ordinary Love’. Wall Street Journal (17 de outubro de 2013). Página visitada em 19 de outubro de 2013.
  228. Beech, March (21 de maio de 2010). U2 Singer Bono Has Emergency Back Surgery Before Tour. Bloomberg L.P.. Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  229. Top Selling Artists. RIAA. Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  230. Gold & Platinum. RIAA. Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  231. Sherwin, Adam. "New U2 album No Line On The Horizon given lukewarm reception", 03 de março de 2009. Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  232. 100 Greatest Guitarists: The Edge. Rolling Stone (27 de novembro de 2008). Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  233. "The 500 Greatest Songs of All Time". Rolling Stone (Special collectors edition). 2010.
  234. Greatest Act (24 de outubro de 2011). Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  235. Juzwiak, Rich (25 de agosto de 2010). Who Will Come Out on Top of VH1's 100 Greatest Artists of All Time?. VH1.com. Viacom International. Página visitada em 9 de março de 2013.
  236. The 500 Greatest Albums of All Time - Achtung Baby. Rolling Stone. Página visitada em 9 de março de 2013.
  237. The 500 Greatest Albums of All Time - War. Rolling Stone. Página visitada em 9 de março de 2013.
  238. The 500 Greatest Albums of All Time - All That You Can't Leave Behind. Rolling Stone. Página visitada em 9 de março de 2013.
  239. The 500 Greatest Albums of All Time - Boy. Rolling Stone. Página visitada em 9 de março de 2013.
  240. Pollack, Jeff (07 de fevereiro de 2011). 10 Bands That Shook The World. The Huffington Post. Página visitada em 15 de janeiro de 2012.
  241. "U2 awards" Aceshowbiz.com. Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  242. ASCAP Members Receive Multiple Nominations for the 48th Annual Grammy Awards. Blue Mountain Music Ltd (08 de dezembro de 2005). Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  243. "Reviews & Awards" Blue Montain Music. Página visitada em 25 de novembro de 2012.
  244. "Popmart Leg 4: 1998, South America, Rio de Janeiro" U2.com. Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  245. "Popmart Leg 4: 1998, South America, Sao Paulo" U2.com (30 de janeiro de 1998). Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  246. "Popmart Leg 4: 1998, South America, Sao Paulo" U2.com (31 de janeiro de 1998). Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  247. "Vertigo Leg 4: 2006, World" U2.com (20 de feveireiro de 2006) Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  248. "Vertigo Leg 4: 2006, World" U2.com (21 de feveireiro de 2006) Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  249. "Na estreia da turnê 360º do U2 em SP, Bono cita tragédia no Rio" G1 (14 de abril de 2011). Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  250. "U2360° Leg 3: 2011" U2.com (10 de abril de 2011). Página visitada em 15 de novembro de 2012.
  251. "Banda Muse abre show do U2 no Morumbi" G1 (9 de abril de 2011). Página visitada em 15 de novembro de 2011.
  252. "Vilar de Mouros: U2 tocaram há 30 anos na aldeia que já não tem música". Jornal i (31 de julho de 2012). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  253. "Mouros, PT (Vilar De)" U2.com (03 de agosto de 1982). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  254. "TV privada dos U2 Maravilhou Lisboa". sapo.pt (16 de maio de 1993). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  255. " Lisbon, PT (Estadio Jose Alvalade)" U2.com (15 de maio de 1993). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  256. "POPMART TOUR" About U2. Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  257. "Lisbon, PT (Estadio Alvalada)" U2.com (11 de setembro de 1997). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  258. " Lisbon, PT (Alvalade)" 'U2.com (14 de agosto de 2005). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  259. "Digressão dos U2 passa por Portugal" Diário de Notícias (05 de janeiro de 2005). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  260. "Coimbra, PT (Estadio Cidade Coimbra)" U2.com (02 de outubro de 2010). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  261. "Coimbra, PT (Estadio Cidade Coimbra)" U2.com (03 de outubro de 2010). Página visitada em 24 de novembro de 2012.
  262. "Portugal se rende à energia inesgotável do U2" Rede Globo (02 de outubro de 2010). Página visitada em 24 de novembro de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bayles, Martha. Hole in Our Soul: Loss of Beauty and Meaning in American Popular Music. Nova Iorque: Free Press, 1994. ISBN 0029019621
  • Chatterton, Mark. U2: The Complete Encyclopedia (em inglês). ilustrada ed. Londres: Fire Fly Publishing, 2001. 287 p. ISBN 0-946719-41-1
  • de la Parra, Pimm Jal. U2 Live: (em inglês). ilustrada, 2 ed. Londres: Omnibus Press, 2003. 272 p. ISBN 0-7119-9198-7
  • Flanagan, Bill. U2: (em inglês). reimpressão ed. Nova Iorque: Random House Publishing Group, 1996. 544 p. ISBN 0385311575
  • Rolling Stone. U2: The Ultimate Compendium of Interviews, Articles, Facts and Opinions from the Files of Rolling Stone. Londres: Sidgwick & Jackson, 1994. ISBN 0-283-06239-8
  • Graham, Bill; Caroline van Oosten de Boer. U2: The Complete Guide to Their Music. ilustrada, 2 ed. Londres: Omnibus Press, 2004. 96 p. ISBN 0-7119-9886-8
  • Gulla. . Westport: Greenwood Press, 2009. ISBN 978-0-313-35806-7
  • McGee, Matt. U2: A Diary. Londres: Omnibus Press. ISBN 978-1-84772-108-2
  • Reynolds, Simon. Rip It Up and Start Again: Postpunk 1978–1984. Nova Iorque: Penguin Books, 2006. ISBN 0-14-303672-6
  • Stokes, Niall. Into The Heart: The Stories Behind Every U2 Song. Londres: HarperCollins, 1996. ISBN 0-00-719668-7
  • U2. U2 by U2 (em inglês). Londres: HarperCollins Publishers, 2006. 345 p. ISBN 0-00-719668-7
  • Wall, Mick. Bono: In the Name of Love (em inglês). ilustrada ed. Londres: Andre Deutsch Publishers, 2005. 330 p. ISBN 0233001239

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre U2
Este é um artigo destacado. Clique aqui para mais informações