Ulrich von Liechtenstein

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Codex Manesse Ulrich von Liechtenstein

Ulrich von Liechtenstein (*c. 1200; † 26. Janeiro de 1275) exerceu funções políticas e foi Minnesänger, tendo escrito em alto alemão médio.

Pertencia a uma influente linhagem de ministeriais da região de Steiermark cujo nome fazia referência a um local sudeste de Judenburg, hoje ruína, não tendo ligação com outras acepções. Como político desempenhou papeis importantes que levaram a citação de seu nome em 95 documentos oficiais.[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

Ulrich reuniu 58 tons (sg. don, pl. doene, combinação de melodia, cadência e estrutura de rima originais) de sua autoria em seu Frauendienst (aam:Vrowedienst). Parte de sua obra se encontra também no Codex Manesse, tendo ela sido especialmente influenciada por Walther von der Vogelweide. Em suas canções, Ulrich trata sobretudo da descrição da vida de cavaleiro que canta por sua dama. É difícil julgar o quanto de dados autobiográficos a obra contém. Certo é que algumas passagens revelam pontos não mais tão harmônicos na tradição da Minnecanção, até então cultivada. Ulrich contrasta, por vezes de forma irônica, a decadência dos valores sociais com o ideal do Minnesang, de modo que este pareça utópico. No entanto, sua obra não se afasta desse ideal.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ulrich von Liechtenstein

Literatura[editar | editar código-fonte]

  1. Burghart Wachinger. Die deutsche Literatur des Mittelalters. «Verfasserlexikon» Band 1-10. Berlin: Verlag Walter de Gruyter, 2001.