Ulugh Beg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ulugh Beg (em persa: (میرزا محمد طارق بن شاهرخ (الغ‌بیگ Mīrzā Muhammad Tāriq ibn Shāhrukh (Ulugh Beg) - também Uluğ Bey, Ulugh Bek e Ulug Bek) (cerca de 1393 or 1394 in Sultaniyeh, Pérsia) – 27 de Outubro de 1449) foi, durante o reinado de Tamerlão, regente (1447-1449) e sultão. Seu nome mais conhecido na verdade não é o seu nome verdadeiro, e sim um apelido, que significa "Grande Líder" ou "Líder Patriarcal" e é o equivalente em turco do título persa-árabe de Tamerlão Amīr-e Kabīr.[1] Seu nome real era Mīrzā Mohammad Tāregh bin Shāhrokh. Destacou-se também como astrônomo e matemático, contribuindo com temas como trigonometria e geometria esférica. Também construiu o Grande Observatório, hoje chamado de Observatório Ulugh Beg em Samarcanda, entre 1424 e 1429.

Vida[editar | editar código-fonte]

Foi neto do conquistador Tamerlão filho mais velho de Shah Rukh, ambos da Dnastia Barlas, tribo da região de Transoxiana (hoje Uzbequistão). Sua mãea uma nobre, Goharshad. Como seu avô, também foi ancestral de Babur, fundador da Dinastia Mughal.

Ulugh Beg nasceu em Sultaniyeh, na Pérsia. Quando criança, andou por uma parte grande do Oriente Médio e Índia já que seu avô tinha expandido as fronteiras para estas regiões. Com a morte de Tamerlão entretanto, e a ascensão do pai e Ulugh Beg ao trono do império, fixou-se em Samarcanda, que era a capital do império. Após Shah Rukh ter mudado a capital para Herat, (hoje no Afeganistão), o jovem Ulugh Beg, de dezesseis anos se tornou o governador em Samarcanda em 1409. Em 1411 tornou-se o soberano de toda Transoxiana.

Ciência[editar | editar código-fonte]

O líder adolescente queria tornar a cidade em um centro intelectual para o império. Entre 1417 e 1420, construiu a Universidade Madrasah no Registão, em Samarkand. e convidou vários astrônomos e matmáticos ialâmicos para estudarem lá. A edificação da Madrasah ainda existe. O pupilo mais famoso de Ulugh Beg no ensinod a matemática foi Ghiyath al-Kashi (aproximadamente 1370-1429).

Observatório Ulugh Beg em Samarkand.

Astronomia[editar | editar código-fonte]

Seus interesses particulares estavam concentrados na astronomia e, em 1428, construiu um enorme observatório, chamado Gurkhani Zij, similar ao de Tycho Brahe, construído posteriormente, e ao observatório de Taqi al-Din em Istanbul. Melhorou a precisão do telescópio aumentando o comprimento do seu sextante (o sextante de Fakhritinha um raio de cerca de 36 metros) e a resolução angular de 180" (segundos de arco).

Utilizando-o, compilou as 1437 Zij-i-Sultani de 994 estrelas, geralmente considerado o maior catálogo de estrelas entre os de Ptolomeu e de Brahe, um trabalho chamado de Abd al-Rahman al-Sufi's (Livro das estrelas fixas). Os erros grosseiros que encontrou nos catálogos de estrelas árabes (muitos dos quais foram atualização dos trabalhos de Ptolomeu) induziram-no a redeterminar as posições de 992 estrelas fixas, às quais ele adicionou 27 estrelas do catálogo Abd al-Rahman al-Sufi's do ano de 964, que era muito longe em direção Sul para observar-se de Samarkand. Este catálogo, um dos mais originais da Idade Média, foi editado por Thomas Hyde em Oxford, em 1665 com o título Tabulae longitudinis et latitudinis stellarum fixarum ex observatione Ulugbeighi, por G. Sharpe em 1767 e, 1843 por Francis Baily no volume décimo terceiro de Memoirs of the Royal Astronomical Society.

Ulugh Beg e seu obsevatório. Selo soviético de 1988.

Em 1437, Ulugh Beg determinou o comprimento do ano sideral como 365.2570370…d = 365d 6h 10m 8s (um erro de +58s). Esse valor foi melhorado em 28s 88 anos depois, em 1525, por Nicolau Copérnico (1473-1543), que usou a estimativa de Thabit ibn Qurra (826-901), que foi precisa em +2s.

Matemática[editar | editar código-fonte]

Na Matemática, Ulugh Beg escreveu com precisão tabelas trigonométricas de seno e tangente, com valores corretos no mínimo de oito casas decimais.

Morte[editar | editar código-fonte]

As habilidades políticas de Ulugh não foram as mesmas em relação à ciência. Perdeu algumas batalhas para reinos rivais e, em 1448, massacrou o povo de Herat após defender Mirza Ala-u-dowleh, filho de Bai Sunqur. Em dois anos, foi decapitado por seu filho mais velho, 'Abd al-Latif, enquanto ia à Meca. Sua reputação foi reabilitada por seu parente, Babur, fundador do Império Mughal, que pôs os escritos de Ulugh Beg na tumba de Tamerlão, em Samarkand, encontrada por arqueólogos em 1941.

A cratera Ulugh Beg na Lua, foi batizada por um astrônomo alemão, Johann Heinrich von Mädler em seu mapa da Lua de 1830.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. B.F. Manz, "Tīmūr Lang", na Enciclopédia do Islão, Edição Online, 2006

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Biografia em MacTutor (em inglês)
  • 1839. L. P. E. A. Sedillot (1808-1875). Tabelas astronômicas de Ulugh Beg, comentadas e publicadas com o texto referente, Tomo I, 1 fascículo, Paris. Trabalho muito raro, mas usado como referência na Bibliografia al de astronomia até 1880, por J.
  • 1847. L. P. E. A. Sedillot (1808-1875). Prolegomenes des Tables astronomiques d’Oloug Beg, publiees avec Notes et Variantes, et precedes d’une Introduction. Paris: F. Didot.
  • 1853. L. P. E. A. Sedillot (1808-1875). Prolegomenes des Tables astronomiques d’Oloug Beg, traduction et commentaire. Paris.
  • Le Prince Savant annexe les étoiles, Frédérique Beaupertuis-Bressand, in Samarcande 1400-1500, La cité-oasis de Tamerlan: coeur d'un Empire et d'une Renaissance, book directed by Vincent Fourniau, éditions Autrement, 1995, ISSN 1157 - 4488.
  • L'âge d'or de l'astronomie ottomane, Antoine Gautier, in L'Astronomie, (Monthly magazine created by Camille Flammarion in 1882), dezembro de 2005, volume 119.
  • L'observatoire du prince Ulugh Beg, Antoine Gautier, in L'Astronomie, (Monthly magazine created by Camille Flammarion in 1882), outubro de 2008, volume 122.
  • Le recueil de calendriers du prince timouride Ulug Beg (1394-1449), Antoine Gautier, em Le Bulletin, n° spécial Les calendriers, Institut National des Langues et Civilisations Orientales, juin 2007, pp. 117–123.
  • Este artigo incorpora texto da Encyclopædia Britannica (11ª edição), publicação em domínio público.
  • Jean-Marie Thiébaud, Personnages marquants d'Asie centrale, du Turkestan et de l'Ouzbékistan, Paris, éditions L'Harmattan, 2004. ISBN 2-7475-7017-7.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]