Um Dia de Cão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dog Day Afternoon
Um Dia de Cão (PT/BR)
 Estados Unidos
1975 • cor • 124 min 
Direção Sidney Lumet
Roteiro Frank Pierson
Elenco Al Pacino
John Cazale
Chris Sarandon
Charles Durning
Género drama / policial
Idioma inglês

Dog Day Afternoon (br / pt: Um Dia de Cão) é um filme americano de 1975, um drama policial dirigido por Sidney Lumet, e estrelado por Al Pacino, com roteiro baseado em fatos reais[1] .

O roteiro foi inspirado em artigos dos jornalistas Thomas Moore e P. F. Kluge escritos no New York Daily News sobre episódio ocorrido no bairro do Brooklyn, em Nova Iorque, no dia 22 de agosto de 1972.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Numa tarde quente no Brooklyn dois homens planejam roubar um banco e o resultado será um desastre. O roubo deveria ter levado apenas dez minutos. Quatro horas depois, o banco parecia um espetáculo de circo. Oito horas depois, era notícia em toda a rede de TV. Doze horas depois, toda a história atinge o seu clímax e resolução[2] .

Elenco[editar | editar código-fonte]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 1976 (EUA)

BAFTA 1976 (Reino Unido)

  • Venceu na categoria de melhor ator (Al Pacino) e melhor edição.
  • Indicado nas categorias de melhor direção, melhor filme, melhor roteiro e melhor trilha sonora.

Prêmio David di Donatello 1976 (Itália)

  • Recebeu um prêmio David especial.

Globo de Ouro 1976 (EUA)

  • Indicado nas categorias de melhor diretor de cinema, melhor filme - drama, melhor ator novato em cinema - drama (Chris Sarandon), melhor roteiro de cinema, melhor ator coadjuvante (John Cazale e Charles Durning).

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • A conversa que os personagens de Al Pacino (Sonny) e Chris Sarandon (Leon) têm ao telefone foi toda improvisada pelos atores.
  • Esse filme marca a estréia do ator Chris Sarandon no cinema.
  • Na hora em que uma das reféns oferece um cigarro a Sal (o parceiro de Sonny no assalto ao banco), ele recusa o cigarro e diz que não quer morrer de câncer. O ator John Cazale, intérprete de Sal, tragicamente morreu dessa mesma doença três anos depois do filme, em 12 de março de 1978, devido a um câncer nos ossos.
  • Em 1975 o próprio realizador original do assalto, John Wojtowicz (no filme, Sonny Wortzik) escreveu um artigo para o New York Times, onde apontava para os fatos verídicos e falsos do filme (um deles, bastante curioso, é que tanto ele quanto Sal já estavam imobilizados quando o agente do FBI decidiu atirar em Sal).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]