Uma Campanha Alegre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma Campanha Alegre
Autor (es) Eça de Queirós
Idioma português
País  Portugal
Género crônicas
Lançamento Lisboa
Cronologia
Último
Último
Os Maias
O Tesouro
Próximo
Próximo

Uma Campanha Alegre é um livro do escritor português Eça de Queirós, publicado em Lisboa em dois volumes em 1890-1891.

A obra é uma coletânea de folhetins escritos por Eça de Queirós em As Farpas, são críticas a vida social e política abrangendo assuntos como religião, jornalismo e literatura da época [1] .

Crônicas[editar | editar código-fonte]

" (...) O País perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos e os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido, nem instituição que não seja escarnecida. Ninguém se respeita. Não existe nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Já se não crê na honestidade dos homens públicos. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos vão abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta em cada dia. Vivemos todos ao acaso. Perfeita, absoluta indiferença de cima a baixo! Todo o viver espiritual, intelectual, parado. O tédio invadiu as almas. A mocidade arrasta-se, envelhecida, das mesas das secretarias para as mesas dos cafés. A ruína económica cresce, cresce, cresce... O comércio definha, A indústria enfraquece. O salário diminui. A renda diminui. O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.
Neste salve-se quem puder a burguesia proprietária de casas explora o aluguel. A agiotagem explora o juro…(…)"

Uma Campanha Alegre (1890-1891)
Volume I [2]

Advertência Capítulo I: O primitivo prólogo das Farpas.: Estudo social de Portugal em 1871 Capítulo II: Os quatro partidos políticos Capítulo III: A abertura das conferências do Casino Capítulo IV: O que era o partido Reformista Capítulo V: Pastoral de um bispo Capítulo VI: À câmara dos deputados, e a sua falta de princípios, de ideias, de saber, de consciência, de independência, de patriotismo, de eloquência e de seriedade Capítulo VII: Os candidatos das Farpas Capítulo VIII: A fisiologia da eleição para deputados Capítulo IX: Habilitações necessárias para ministro. Capítulo X: Os sete marqueses de Ávila Capítulo XI: A multa municipal para o lirismo sentimental Capítulo XII: A supressão das conferências do Casino Capítulo XIII: Máximas e opiniões da Nação, jornal Capítulo XIV: O discurso da Coroa, seu presente e futuro Capítulo XV: Tumultos no Parlamento Capítulo XVI: A grande coragem de S. Exª Capítulo XVII: O exército em 1871 Capítulo XVIII: A marinha e as colónias Capítulo XIX: Palavras a Samuel Capítulo XX: O Governo e a liberdade de pensamento Capítulo XXI: Oito razões por que se não reformou a Carta Capítulo XXII: A Praça de Santana instalada no edifício de S. Bento Capítulo XXIII: Os srs. deputados esquecem a mera decência material Capítulo XXIV: Três dias de insultos no parlamento. Capítulo XXV: O romance de uma lancha Capítulo XXVI: Três tipos de revolução, à escolha Capítulo XXVII: A praça de peixe do Porto, e o luxo da sua mobília Capítulo XXVIII: Delícias de jornadear nos caminhos de ferro em 1871 Capítulo XXIX: A cólera do Centro Promotor Capítulo XXX: As malas da Srª condessa de Teba. Capítulo XXXI: O príncipe Humberto Capítulo XXXII: Júlio Dinis Capítulo XXXIII: Ter génio por escritura pública Capítulo XXXIV: História pitoresca da revolta da Índia Capítulo XXXV: A polícia Capítulo XXX VI: Uma nova penalidade Capítulo XXXVII: Os missionários e o seu ramo de negócio. Capítulo XXXVIII: A nossa diplomacia em 1871 Capítulo XXXIX: As crianças e a Igreja Capítulo XL: Visitas indiscretas entre Espanha e Portugal Capítulo XLI: Os anos de el-Rei Capítulo XLII: Pescadores presos por não serem jurisconsultos Capítulo XLIII: Palavras ao Clamor do Povo Capítulo XLIV: A Câmara Municipal e o seu zelo cívico Capítulo XLV: S. M. a Rainha a passeio Capítulo XLVI: A elegante casa de Sabóia Capítulo XLVII: Espoliadores do cigarro público Capítulo XLVIII: O fisco na província Capítulo XLIX: Desilusões de uma greve Capítulo L: O teatro em 1871 Capítulo LI: O Governo e a emigração Capítulo LII: Conversa com o Bem Público

Volume II

I: O Ano Bom de 1872 II: Epístola ao Sr. Fontes Pereira de Melo, sobre o imposto do pescado Capítulo III: O nosso melhor navio de guerra, o Índia Capítulo IV: Epístola ao sr. bispo do Porto, a respeito dos maus sacerdotes Capítulo V: Pinheiro Chagas Capítulo VI: Incoerências eclesiásticas Capítulo VII: A descentralização administrativa Capítulo VIII: Acerca da redacção das portarias Capítulo IX: História de um concurso Capítulo X: O enterro dos ímpios Capítulo XI: Autorizadas opiniões sobre o estado da administração pública Capítulo XII: Cortesãos ou demagogos? Capítulo XIII: As variadas reformas da Carta Capítulo XIV: Pedro de Alcântara e D. Pedro II Capítulo XV: A mala de um príncipe Capítulo XVI: O idioma hebraico. Predilecção principesca Capítulo XVII: Indumentária de Pedro na sala dos Capelos Capítulo XVIII: O clero nos saraus do Paço Capítulo XIX: A casa de Alexandre Herculano Capítulo XX: Missiva a S. M. o Imperador do Brasil Capítulo XXI: O brasileiro Capítulo XXII: Melancólicas reflexões sobre a instrução pública em Portugal Capítulo XXIII: As meninas da geração nova em Lisboa e a educação contemporânea Capítulo XXIV: Socorros a náufragos Capítulo XXV: Os missionários no Porto Capítulo XXVI- Guerrilhas carlistas. Batalhões sagrados Capítulo XXVII: A viagem de Sua Majestade às províncias do Norte Capítulo XXVIII: O sermão político Capítulo XXIX: O Salva-vidas da Foz do Douro Capítulo XXX: Singulares aventuras de um soldado espanhol internado em Portugal Capítulo XXXI: A cadeia da Relação do Porto Capítulo XXXII: Epístola: A alma de D. Pedro IV, nos Elísios Capítulo XXXIII: O problema do adultério Capítulo XXXIV: Os srs. operários e as suas greves Capítulo XXXV: O soldado Barnabé

Referências

  1. C.I.T.I. Centro de Investigação para Tecnologias Interactivas. Uma Campanha Alegre. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa. Página visitada em 19-12-2010.
  2. Eça de Queirós. Uma Campanha Alegre, Participação de Eça de Queirós em As Farpas. Página visitada em 19-12-2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Uma Campanha Alegre
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.