Un borghese piccolo piccolo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Un borghese piccolo piccolo
O pequeno burguês (PT)
 Itália
1977 • cor • 122 min 
Direção Mario Monicelli
Roteiro Sergio Amidei (roteiro)
Vincenzo Cerami (novela)
Elenco Alberto Sordi
Shelley Winters
Vincenzo Crocitti
Romolo Valli
Género drama
Idioma italiano
Página no IMDb (em inglês)

Un borghese piccolo piccolo (O pequeno burguêsem Portugal) é um filme italiano, lançado em 1977, dirigido por Mario Monicelli, concorrente ao Festival de Cannes daquele ano.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Um modesto funcionario está próximo da aposentação. Decide ingressar na loja maçónica a que pertenece o seu chefe para, deste modo, ganhar o seu respeito e conseguir que o seu filhoo venha a trabalhar no mesmo ministério que o dele. Porém, no mesmo dia que em que passa os exames de ingresso, o filho é abatido pelos disparos de um assaltante…[1]

Ficha Técnica[editar | editar código-fonte]

Título Original: Un borghese piccolo piccolo

  • Género: drama
  • Tempo de Duração: 122 minutos
  • Ano de Lançamento: 1977
  • Distribuição: Paramount Pictures
  • Realizador: Mario Monicelli
  • Argumento: Sergio Amidei, Mario Monicelli (roteiro) e Vincenzo Cerami (novela)
  • Produção: Aurelio De Laurentiis e Luigi De Laurentiis
  • Música: Giancarlo Chiaramello
  • Fotografia: Mario Vulpiani
  • Edição: Ruggero Mastroianni
  • Direcção de Arte: Umberto Turco
  • Estreia mundial: 17 de março de 1977,  Itália

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sobre o filme[editar | editar código-fonte]

"Mario Monicelli consegue dar muito bem um dinâmico retrato de uma mentalidade, de uma maneira de estar na sociedade, de uma classe social que fica a meio caminho entre outras duas (o proletariado e a média burguesia) que é a pequena burguesia aparentemente acomodada à sua condição, mas afirmada ao nível do comportamento quotidiano. Se, no emprego, plha os superiores com reverência e até temor, deixa para casa e para o café as tiradas de força machista como afirmação de um poder que a realidade da sua vida não contém. O mundo que cerca este pequeno burguês transpira hostilidade e violência por todos os "poros", mas ela é filtrada pelo "pai de família" cuja ambição máxima é fazer entrar o seu filho (contabilista) para a função pública, seguindo as suas peugadas, alheio à evolução dos tempos, incapaz de encarar o futuro com as transformações que pode, eventualmente, introduzir no futuro".(Mário Damas Nunes, in Se7e)

Prémios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Referências

  • Mário Damas Nunes, Se7e, 1979

Ligações externas[editar | editar código-fonte]